A via-crúcis do corpo travesti

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/contracampo.v41i1.51775

Palavras-chave:

Travesti, Sofrimento, Violência, Imagem

Resumo

Este texto investiga os mecanismos que facilitam, promovem, autorizam e legitimam a violência a que estão submetidas as travestis brasileiras. Parte-se de uma situação empírica: o brutal assassinato de Dandara Katheryn, ocorrido em 2017, em Fortaleza, Ceará. A abordagem privilegia a leitura de distintas manifestações midiáticas e práticas comunicativas do fenômeno. A metodologia articula pesquisa documental e bibliográfica. A partir de uma leitura benjaminiana, realizam-se duas operações analíticas: a coleção (seleção e arranjo de materiais) e a montagem (exercício de aproximação de diferentes materialidades para a descrição de cenas). Ao discutir a dimensão ético-estética da escrita imagética, o texto propõe a via dolorosa como recurso interpretativo da constituição social do sofrimento e, em especial, da transfobia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Santa Maria Dias, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutorando em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (São Leopoldo, RS, Brasil). Bolsista Capes/Proex. Mestre em Comunicação e bacharel em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal de Santa Maria.

Alisson Machado, Universidade Federal de Santa Maria

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Santa Maria (Santa Maria, RS, Brasil). Mestre em Comunicação e bacharel em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela mesma instituição.

Referências

A DAMA do Estácio. Direção: Eduardo Ades. Brasil: Imagem-tempo, 2012 (22 min.).

ANZALDÚA, Gloria. To(o) queer the writer – loca, escritora y chicana. In: KEATING, AnaLouise (Ed.). The Gloria Anzaldúa Reader. Durham; London: Duke University Press, 2009. p. 163-175.

AYER, Flávia; BOTTREL, Fred. O martírio de Dandara. Estado de Minas, Belo Horizonte, 12 mar. 2017. Disponível em: https://www.em.com.br/especiais/dandara/. Acesso em: 10 fev. 2021.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1999.

BENEDETTI, Marcos. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

BENEVIDES, Bruna; CUNHA, Neon. Gisberta, 15 anos depois. In: BENEVIDES, Bruna; NOGUEIRA, Soyanara Naider Bonfim (Orgs.). Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2020. São Paulo: Expressão Popular; ANTRA; IBTE, 2021.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2018.

BENTO, Berenice. Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos Pagu, s.v., n. 53, 2018.

BISPO, Raphael. Dançarinas no “circuito integrado” televisivo: problemas de gênero e sexualidade na busca pela audiência. Cadernos Pagu, s.v., n. 55, 2019.

BUTLER, Judith. Vida precária. Contemporânea, s.v., n. 1, p. 13-33, jan./jun., 2011.

CALDEIRA, Teresa. A presença do autor e a pós-modernidade em Antropologia. Novos Estudos, v. 21, n. 2, p. 133-157, 1988.

CAVICHIOLI, Anderson. Uma história de extermínio transfóbico no Brasil: a disputa de nomeação do assassinato da travesti Dandara Katheryn. Dissertação (Mestrado em Direitos Humanos e Cidadania) – Universidade de Brasília, 2019.

CLIFFORD, James. Verdades Parciais. In: CLIFFORD, James; MARCUS, George. A escrita da cultura. Poética e política da etnografia. Rio de Janeiro: Ed. UERJ; Papeis Selvagens, 2016. p. 31-62.

CORNEJO, Giancarlo. A guerra declarada contra o menino afeminado. In: MISKOLCI, Richard (Org.). Teoria Queer: um aprendizado pela diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 73-82.

DANDARA. Direção: Flávia Ayer; Fred Bottrel. Brasil: Jornal Estado de Minas; Mult, 2018 (14 min.).

EFREM FILHO, Roberto. Corpos brutalizados: conflitos e materializações nas mortes de LGBT. Cadernos Pagu, s.v., n. 46, p. 311-340, abr. 2016.

G1-SP. Transexual ‘crucificada’ na Parada Gay diz em vídeo ter sido agredida. G1 São Paulo, São Paulo, 9 ago. 2015. Disponível em: https://glo.bo/3asHxrb. Acesso em: 17 fev. 2021.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

INDIANARA. Direção: Aude Chevalier-Beaumel; Marcelo Barbosa. Brasil: Santaluz, 2019 (84 min.).

KRISTEVA, Julia. Poderes de la perversión. México: Siglo XXI, 2004.

LANZ, Letícia. O corpo da roupa: a pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. Uma introdução aos estudos transgêneros. Curitiba: Transgente, 2017.

LGBT. Profissão Repórter. Rio de Janeiro: Rede Globo. 26 abr. 2017. Programa de TV.

LISPECTOR, Clarice. A via crucis do corpo. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LOPES, Denilson. O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

MARCONI, Dieison; RAMALHO, Fábio. Carta de uma criança queer para outra criança queer: percursos espectatoriais desviantes na infância. REBEH, v. 3, n. 9, p. 154-168, 2020.

MARTINS, Beatriz Adura. Assassinatos retirados de jornais: para que contar as mortes de travestis? In: ANTRA. Mapa dos assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em 2017. Brasil, 2018. p. 32-44.

MARTINS, Paulo. Artista questiona a memória travesti por meio de outdoors espalhados por avenidas de Fortaleza. G1 Ceará, Fortaleza, 8 dez. 2020. Disponível em: https://glo.bo/3yLMaG1. Acesso em: 7 set. 2021.

MOMBAÇA, Jota. Rastros de uma Submetodologia Indisciplinada. Concinnitas, ano 17, n. 28, p. 341-354, 2016.

NAKAGAWA, Fábio Sadao. A linguagem cinematográfica e a religião: a crucificação no cinema de Walter Salles. In: NAKAGAWA, Regiane M. O.; SILVA, Alexandre R. (Orgs.). Semiótica da Comunicação II. São Paulo: Intercom, 2015. p. 150-166.

PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo da aids. São Paulo: Annablume, 2009.

PRECIADO, Paul B. Quem defende a criança queer? Jangada, s.v., n. 1, 2013.

RAGAZZI, Alexandre. De olhos abertos, de olhos fechados: passado e presente da iconografia do Cristo crucificado. MODOS. Revista de História da Arte, v. 4, n. 2, p. 144-161, mai. 2020.

RÉAU, Louis. Iconografía del arte cristiano. Iconografía de la Biblia. Nuevo Testamento. Barcelona: Ediciones del Serbal, 2000.

REIDEL, Marina. Ser trans e as interlocuções com a educação. In: NARDI, Henrique C.; SILVEIRA, Raquel S.; MACHADO, Paula S. (Orgs.). Diversidade sexual, relações de gênero e políticas públicas. Porto Alegre: Sulina, 2013. p. 62-72.

RUBIN, Gayle. Políticas do sexo. São Paulo: Ubu, 2017.

SCOTT, Joan. Experiência. In: SILVA, Alcione L.; LAGO, Mara C. S.; RAMOS, Tânia Regina O. R. (Orgs.). Falas de gênero: teorias, análises, leituras. Florianópolis: Mulheres, 1999. p. 21-56.

SILVA, Hélio. Travesti: a invenção do feminino. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

SILVA, Luiz Antônio M. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, v. 19, n. 1, p. 53-84, 2004.

SILVEIRA, Fabrício. Esse metal incandescente... O conceito de texto em Roland Barthes e a escrita de ficção como método. In: FEIL, Gabriel S.; OLIVEIRA, Marcos R.; FEITOSA, Sara (Orgs.). T3xto. Assis: Triunfal, 2019. p. 25-38.

TOMAZ, Kleber. Preso arranca orelha de carcereiro em SP e fotos circulam na internet. G1, São Paulo, 13 abr. 2015. Disponível em: https://glo.bo/38L51Gu. Acesso em: 7 set. 2021.

VASCONCELOS, Francisca Ferreira. Dandara pedia por mim, diz mãe de travesti assassinada no Ceará. [depoimento dado a Marcel Rizzo]. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 mar. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3bwhSNU. Acesso em: 1 fev. 2021.

VILLADA, Camila Sosa. O parque das irmãs magníficas. São Paulo: Planeta, 2021.

WONDER, Claudia. Barra Pesada. Disponível em: https://bit.ly/2X86Xqr. Acesso em: 8 set. 2021.

YORK, Sara Wagner; OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes; BENEVIDES, Bruna. Manifestações textuais (insubmissas) travesti. Revista Estudos Feministas, v. 28, n. 3, p. 1-12, 2020.

Downloads

Publicado

2022-05-01