“And I need you now tonight, and I need you more than ever”

Romantismos de artifício no cinema brasileiro contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/contracampo.v41i2.52128

Resumo

Nesse artigo propomos a noção de “romantismo de artifício” para designar modos de fabulação identificáveis em filmes queer brasileiros contemporâneos que são marcados, em sua narrativa e estética, por traços como o recurso ao clichê, a intertextualidade, a afetação, o exagero visual e a apropriação de repertórios audiovisuais populares e hegemônicos. Trabalhamos com os curtas-metragens Os últimos românticos do mundo (Henrique Arruda, 2020) e Looping (Maick Hannder, 2019), com o objetivo de situar o romantismo de artifício, em parte legível e em parte inominável, como rasura na ordem consensual do ideal do amor romântico, produzindo uma brecha para o político que se constrói: 1) como ação de microrresistência capaz de apontar para um lugar além da violência contra corpos queer e 2) pelas formas como os filmes colocam impasses nas clivagens entre Norte e Sul Global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Machado Ramos de Almeida, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP)

Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (PPGCOM ESPM). Doutora em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM UFRGS).

Dieison Marconi, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP)

Dieison Marconi é doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com período sanduíche na Universidad Complutense de Madrid (UCM), no grupo de pesquisa Género, Estética y Cultura Audiovisual (GECA-UCM). É pesquisador de pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (PPGCOM ESPM).

Referências

ALMEIDA, Gabriela; MARCONI, Dieison. Trabalhar imagens, reparar o visível: a política da imagem como prática reparadora. Anais do XXX Encontro Anual da Compós, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (evento online), 27 a 30 de julho de 2021.

BRENEZ, Nicole. Contra-ataques: sobressaltos de imagens na história da luta de classes. Tradução de Jorge Bastos, Edgard de Assis Carvalho, Mariza Bosco e Eric R. R. Heneault. In: DIDI-HUBERMAN, Georges (Org.). Levantes. São Paulo: SESC, 2017, p. 71-88.

CESAR, Amaranta. Que lugar para a militância no cinema brasileiro contemporâneo? Interpelação, visibilidade e reconhecimento. Eco-Pós, v. 20, n. 2, p. 101-121, 2017. Disponível em https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/viewFile/12493/8743. Acesso em 01 ago. 2021.

CASETI, Francesco. Teorias del cine. Madri: Ediciones Cátedra, 2005.

GALT, Rosalind. Lindo: teoria do cinema, estética e a história da imagem incômoda. Eco-Pós, v. 18, n. 3, p. 42-65, 2015. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/2762/2339. Acesso em 02 ago. 2021.

KATZ, Jonathan. A invenção da heterossexualidade. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996

LAURETIS, Teresa De. A tecnologia do gênero. Tradução de Suzana Funck. In: HOLLANDA, Heloisa (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LOOPING. Direção de Maick Hannder. Belo Horizonte: Ponta de Anzol Filmes, 2019. 12 min, vídeo digital, son., color.

LOPES, Denilson. Estéticas do Artifício, Estéticas do Real. In: MARGATO, Izabel; GOMES, Renato Cordeiro (Orgs.). Novos Realismos. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012, p. 147-162.

LOPES, Denilson. O retorno do artifício no cinema brasileiro. In: SOBRINHO, Gilberto. (Org.). Cinemas em redes: tecnologia, estética e política na era digital. Campinas: Papirus, 2016a, p. 147-159.

LOPES, Denilson. Afetos. Estudos queer e artifício na América Latina. E-compós, Brasília, v. 19, n.2, maio/ago, s/p. 2016b. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/1251/897. Acesso em 15 jul. 2021.

MARQUES, Ângela. A fabulação dos intervalos nas imagens: o momento qualquer como operação estética e política em Jacques Rancière. Anais do 43º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, Universidade Federal da Bahia (evento online), 1 a 10 de dezembro de Disponível em: http://www.intercom.org.br/sis/eventos/2020/resumos/R15-1718-1.pdf. Acesso em 28 out. 2021.

MARCONI, Dieison. Cinema queer brasileiro ou as veias abertas da política da imagem. REBECA - Revista Brasileira de Estudos em Cinema e Audiovisual, v. 9, n. 2, p. 141-167, jul./dez. 2020a. Disponível em https://rebeca.socine.org.br/1/article/view/685/419/. Acesso em 28. out. 2021.

MARCONI, Dieison. Ensaios sobre autorias queer no cinema brasileiro contemporâneo. Tese (Doutorado em Comunicação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2020b. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/206808/001113764.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 20 jul. 2021.

MEDEIROS, Vitor. Os últimos românticos de Tiradentes – Notas sobre os curtas “Looping”, “Os últimos românticos do mundo” e “Babi & Elvis”. Revista Moventes, 9 fev. 2020. Disponível em https://revistamoventes.com/2020/02/09/os-ultimos-romanticos-de-tiradentes-notas-sobre-os-curtas-looping-os-ultimos-romanticos-do-mundo-e-babi-elvis/. Acesso em 19 jul. 2021

NGAI, Sianne. Our aesthetic categories: an interview with Siane Ngai. Cabinet Magazine, v. 43, mar./jun., s/p. 2011. Disponível em: http://www.cabinetmagazine.org/issues/43/jasper_ngai.php. Acesso em 12 ago. 2021.

OS ÚLTIMOS românticos do mundo. Direção de Henrique Arruda. Recife: Filmes de Marte, 2020. 23 min, vídeo digital, son., color.

PRYSTHON, Ângela. Utopias da frivolidade: ensaios sobre cultura pop e cinema (coletânea organizada por André Antônio Barbosa). Recife: Cesárea, 2014.

RAMALHO, Fábio. O clichê como artifício nas artes e na cultura midiática contemporânea. Eco-Pós, v. 18, n. 3, p. 75-88. 2015. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/2764/2341. Acesso em 20 jul. 2021.

RAMALHO, Fábio. Repertórios audiovisuais e imaginação midiática no cinema contemporâneo. Significação – Revista de Cultura Audiovisual, v. 47, n. 53, jan./jun. 2020, p. 130-146. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/significacao/article/view/160887/160493. Acesso em 05 ago. 2021.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. A estética como política. Tradução Augustin de Tugny. Devires – Cinema e Humanidades, v. 7, n. 2, p. 16-37, jul./dez. 2010. Disponível em: https://issuu.com/revistadevires/docs/devires_v7n2. Acesso em 28 out. 2021.

SEDGWICK, Eve. Leitura paranoica e leitura reparadora, ou, você é tão paranoico que provavelmente pensa que este ensaio é sobre você. Remate de Males, v. 40, n. 1, p. 389–421. 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8658630. Acesso em 20 fev. 2021.

SHAVIRO, Steven. O corpo cinemático. São Paulo: Paulus, 2015.

SONTAG, Susan. Contra a interpretação e outros ensaios. São Paulo: Cia. das Letras, 2020.

Downloads

Publicado

2022-08-31