Sensibilidades queer e estética neobarroca nas dobras fotográficas

o trauma e a melancolia por Sarduy, Lemebel, Alair e Hudinilson

Autores

  • Ribamar José de Oliveira Junior Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/Doutorando em Comunicação e Cultura http://orcid.org/0000-0002-5607-2818
  • Huber Jaramillo Gil Universidade de Nova York (NYU)

DOI:

https://doi.org/10.22409/contracampo.v41i1.52795

Palavras-chave:

Queer, Barroco, Fotografia, Estética, Corpo

Resumo

Este estudo analisa as sensibilidades queer à medida que emergem nas obras fotográficas de Severo Sarduy (Cuba, 1937-1993), Pedro Lemebel (Chile, 1952-2015), Alair Gomes (Brasil, 1921-1991) e Hudinilson Júnior (Brasil, 1957-2013). Ao fazê-lo, consideramos nas imagens o que pode ser visto como um barroco queer. Entre a beleza, o mistério e a sedução, encontramos afetos queer que revisitam não só o barroco, mas o neobarroco em sua dimensão estética. O que as fotografias transmitem são transbordamentos performáticos que emulam nos corpos modos de recusar convenções sociais. Ao trabalhar com a sensibilidade, tocamos as imagens por meio da interação afetiva e percebemos como o corpo pode ser lido entre desejo e trauma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ribamar José de Oliveira Junior, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)/Doutorando em Comunicação e Cultura

Doutorando da linha de Tecnologias da Comunicação e Estéticas no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e especializando em Gênero e Sexualidade na Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), é especialista em Língua Portuguesa e Literatura pela Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN) e graduado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Cariri (UFCA). Atua como pesquisador do projeto de pesquisa Epistemologias Subalternas e Comunicação (DESCOM), participante dos projetos de extensão Poticuir: jornalismo performativo nas paisagens transviadas do Rio Grande do Norte e Lide Jornal - Jornalismo de Profundidade Multimídia e Transmídia na UFRN. Foi proponente do projeto Sertão Transviado: Outros Cariris apoiado pelas Pró-Reitoras de Cultura (PROCULT) e de Extensão (PROEX) da UFCA. Tem experiência como editor-adjunto da Revista Charm, jornalista do Jornal Classificados da Hora e repórter na Cariri Revista. Autor do livro O Amor é uma Cãibra, publicado pela Editora Multifoco.

Huber Jaramillo Gil, Universidade de Nova York (NYU)

Program Specialist in Diversity, Equity and Academic Affairs at Weill Medical College at Cornell University (WCM). Ph.D. in Latin American, Iberian, and Latinx Cultures from the Graduate Center at the City University of New York (CUNY).

Referências

AUSTIN, Kat. Baroque Spaces: the performances of Guillermo Gómez-Peña and his pocha nostra. Gestos, v. 26, n. 52, p. 133-147, nov. 2011.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BIANCHI, Soledad. Del neobarrocho o la inestabilidad del taco alto (¿Un neobarroco chilenis?). Revista chilena de literatura, n. 89, p 323-333, abr. 2015.

CALABRESE, Omar. A Idade Neo-Barroca. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

CARVAJAL, Fernanda. FUENTE, Alejandro de la. Archivos yeguas del apocalipsis, voces y relatos. Fondo Nacional para el Desarrollo Cultural y las Artes, 2018.

CHIAMPI, Irlemar. Barroco y Modernidad. México: FCE, 2000.

COMAROFF, Jean; COMAROFF, John L. Theory from the South: or, how Euro-America is evolving toward Africa. London: Routledge, 2012.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. Campinas: Papirus, 2012.

ECHEVERRÍA, Bolívar. Queer, manierista, bizarre, barroco. Debate Feminista, v. 8, n. 16, v. 19, p. 3-10, out. 1997.

GADELHA, Kaciano Barbosa. Notas de um arquivo queer. Revista interdisciplinaria de estudios de género de El Colegio de México, v. 7, p. 1-20, jul. 2021.

GÁLVEZ, Antonio. Mis amigos los cabezones. Madrid: Instituto Cervantes, 2018.

GILBERT, Zanna. Transgressive Bodies. Art in America, v. 103, n. 10, p. 118-124, 2015.

GOMES, Aline Ferreira. A fotografia de Alair Gomes: o fascínio pelo corpo masculino. Anais do Vi Eha - Encontro de História da Arte. Universidade de Campinas em 2010.

GUERRERO, Javier. Tecnologías del cuerpo: exhibicionismo y visualidad en América Latina. España: Iberoamericana, 2014.

KAC, Eduardo. O Movimento de Arte Pornô: a Aventura de uma Vanguarda nos Anos 80. ARS, v. 11, n. 22, p. 30-51, dez. 2013.

LEMEBEL, Pedro. La esquina es mi corazón. Barcelona: Seix Barral, 2004.

LEMEBEL, Pedro. Lemebel oral: veinte anos de entrevistas (1994-2014). Buenos Aires: Mansalva, 2018.

LOPES, Denilson. Afetos. Estudos queer e artifício na América Latina. E-Compós, v. 19 n. 2, p. 1-16, out. 2016.

LOPES, Denilson. Nós, os mortos: melancolia e neo-barroco. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.

LOPES, Denilson. O homem que amava os rapazes. Aeroplano: Rio de Janeiro, 2002.

MOMBAÇA, Jota. Para desaprender o queer dos trópicos: desmontando a caravela queer. Ssexbbox, 2016, s/p.

OLIVEIRA, Ronaldo Alexandre de. O corpo fragmentado, erotizado e poetizado de Hudinilson Junior. Gama, v. 4, p. 141-152, jul./dez. 2016.

PELÚCIO, Larissa. Subalterno quem, cara pálida? Apontamentos às margens sobre pós-colonialismos, feminismos e estudos queer. Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 395-395, jul./dez. 2012.

PEREIRA, Bruno. Heterotopias do (in) desejável: conjugando espaços e sexualidades a partir da fotografia de Alair Gomes. Revista Periódicus, v. 1, n. 8, p. 62-78, jan./jul. 2017.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Queer decolonial: quando as teorias viajam. Contemporânea, v. 5, n. 2, pág. 411-411, jul./dez. 2015.

PERLONGHER, Néstor. Prosa plebeya. Buenos Aires: Colihue, 1997.

PITOL, André Luís Castilho. Alair Gomes: fotografia, crítica de arte e discurso da sexualidade. São Paulo: A. Pitol, 2013.

PONTUAL, Roberto. Imagem: alma do corpo, corpo da alma. In: Fotografia contemporânea no Brasil/ Photographie contemporaineau Brésil: Corpo & Alma. Rio de Janeiro: FUNARTE/Infoto, 1984.

RICHARD, Nelly. Abismos temporales: feminismo, estéticas travestis y teoría queer. Chile: Metales Pesados, 2018.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições, 2018

SANTOS, Alexandre Ricardo dos. A fotografia como escrita pessoal: Alair Gomes e a melancolia do corpo-outro. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

SANTOS, Alexandre. A indisciplina do desejo: o corpo masculino e a fotografia. In: Blanca Brites, Maria Lúcia Kern. Anais do XXII Colóquio Brasileiro de História da Arte em 2002.

SANTOS, Alexandre. Duane Michals e Alair Gomes: documentos de si e escritas pessoais na arte contemporânea. ArtCultura, v. 10, n. 16, p. 51-65, jan./jun. 2008

SARDUY, Severo. Cartas a mi hermana en la Habana. Severo Sarduy Cultural Foundation, 2013.

SARDUY, Severo. Ensayos Generales sobre el Barroco. Buenos Aires: FCE, 1987.

SONTAG, Susan. Sob o signo de Saturno. Porto Alegre: L&PM Editores, 1986.

SUTHERLAND, Juan Pablo. La Nación Marica. Santiago: Ripio, 2009.

TOMAZI, Marcelo. Um sopro de Luz e Letra em meio ao caos. ARS, v. 7, n. 13, p. 42-45, jun. 2009.

VIEIRA, João Luiz. O corpo do voyeur: Alair Gomes e Djalma Batista. In: NOJOSA, Urbano; GARCIA, Wilton. (Org.) Comunicação & Tecnologia. São Paulo: Nojosa, 2003.

WOLFFLIN, Henrich. Renascença e barroco. São Paulo: Perspectiva, 2000.

Downloads

Publicado

2022-05-01