FIGURAÇÕES DA DEGRADAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA EM E. ZOLA E EM F. KAFKA/ FIGURATIONS OF THE DEGRADATION OF HUMAN DIGNITY IN E. ZOLA AND F. KAFKA/FIGURAS DE LA DEGRADACIÓN DE LA DIGNIDAD HUMANA EN E. ZOLA Y F. KAFKA

Autores

  • Henriete Karam Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.22409/rcj.v4i7.211

Palavras-chave:

direito e literatura, dignidade humana, degradação, Zola, Kafka, , human dignity, degradation, law and literature.

Resumo

Resumo: O presente artigo inscreve-se na esfera dos estudos sobre direito e literatura e propõe-se a abordar a dignidade humana – princípio basilar no Estado Democrático de Direito –, a partir do exame duas obras literárias em que a degradação da dignidade humana é figurativizada através do processo de zoomorfização das personagens: Germinal, de E. Zola, e A metamorfose, de F. Kafka. Tais obras, embora anteriores aos eventos históricos e às formulações jurídicas do segundo pós-guerra que pautaram a compreensão contemporânea dos direitos fundamentais, oferecem elementos que possibilitam refletir sobre as formas de degradação que, ainda hoje e no contexto brasileiro, ameaçam essa qualidade intrínseca do ser humano.

Abstract: This article is part of the studies of Law and Literature and proposes to address human dignity – a basic principle in the Democratic State of Law – by examining two literary works in which the degradation of human dignity is focused, especially when comparing human traits to animal characteristics: Germinal, by E. Zola, and Metamorphosis, by F. Kafka. These works, although precedent to the historical events and to the juridical formulations of the second post-war that guided the contemporary understanding of the fundamental rights, offer elements that make it possible to reflect on the forms of degradation that still today in the Brazilian context threaten this intrinsic quality of the human being.

Resumen: Este artículo forma parte del estudio del derecho y la literatura y propone abordar la dignidad humana -principio fundamental en el Estado de Derecho Democrático-, a partir del examen de dos obras literarias en las que la degradación de la dignidad humana es figurativizado a través del proceso de zoomorfização de los personajes: Germinal, de E. Zola, y La metamorfosis, de F. Kafka. Tales obras, aunque anteriores a los hechos históricos y las formulaciones legales de la segunda posguerra que orientaron la comprensión contemporánea de los derechos fundamentales, ofrecen elementos que permiten reflexionar sobre las formas de degradación que, aún hoy y en el contexto brasileño, amenazan esta cualidad intrínseca de ser humano.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henriete Karam, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestre em Teoria Literária (PUCRS). Doutora em Estudos Literários (UFRGS). Professora Colaboradora do PPG Letras da UFRGS. Membro Fundadora da Rede Brasileira Direito e Literatura (RDL). Editora-chefe da Anamorphosis - Revista Internacional de Direito e Literatura. Psicanalista.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: il potere sovranoe la vita nuda.Torino: Einaudi, 1996.
APULEIO, Lúcio. O asno de ouro. Tradução de Francisco Antônio de Campos. Lisboa: Europa América, 1990.
ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2006.
AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Martins Fontes, 1968.
BRANDÃO, Junito de Souza. Dicionário mítico-etimológico. Petrópolis: Vozes, 1993. 2 v.
GADAMER, Hans-Georg. Verdad y método I. 10. ed. Salamanca: Sígueme, 2003.
HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Petrópolis: Vozes, 2003.
______. Carta sobre o humanismo. São Paulo: Moraes, 1991.
______. Ser y tempo. Tradução de Jorge Eduardo Rivera. Madri: Trotta, 1995.
HOMERO. Odisseia. Tradução de Donaldo Schüler. Porto Alegre: L&PM, 2007. 3v.
HUSSERL, Edmund. Meditações cartesianas: introdução à fenomenologia. Tradução de Maria Gorete Lopes e Sousa. Porto: Rés, [s. d.].
JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
KAFKA, Franz. A metamorfose. Tradução de Modesto Carone. São Paulo: Comp. das Letras, 2000.
KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Tradução de Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. São Paulo: Abril, 1983.
PLATÃO. A república. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. 7. ed. Lisboa: Fund. C. Gulbenkian, 1993.
RAMOS, Graciliano. Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 1981.
STEIN, E. Seis estudos sobre ‘Ser e tempo”: Martin Heidegger. Petropólis: Vozes, 1988.
VIEIRA, Antonio. Sermões I. São Paulo: Loyola, 2008.
WARAT, Luis Alberto. Educação, direitos humanos, cidadania e exclusão social: fundamentos preliminares para uma tentativa de refundação. Disponível em:
<http://www.dhnet.org.br/educar/textos/warat_edh_educacao_direitos_humanos.pdf>. Acesso em: 10 nov. 2016.
______. El sentido comum teórico. Revista contra dogmáticas - Revista Intercontinental para uma Teoria Crítica do Direito, Buenos Aires, ALMED, n. 1, p. 43-71, mar.-jul. 1981.
ZAMBRANO, Virginia. Uma investigação na retórica: da vulnerabilidade social de Zola à desumanização de Kafka. Anamorphosis – Revista Internacional de Direito e Literatura, v.1, n. 2, p. 247-265, jul.-dez. 2015. Disponível em:
<http://rdl.org.br/seer/index.php/anamps/article/view/77/147>. Acesso em: 10 nov. 2016.
ZOLA, Émile. Germinal. Tradução de Mauro Pinheiro. São Paulo: Comp. das Letras, 2009.

Downloads

Publicado

2017-05-10