Práticas sociais e processos educativos sobre microbiologia com manicures de um município do sul da Bahia

algumas reflexões

Autores

Resumo

A maioria das pesquisas em práticas sociais tem como foco trabalhos historicamente desvalorizados e/ou alvos de preconceitos, como é o caso do ofício de manicures e pedicures. Esta desvalorização também se perpetua na literatura científica, pois estudos sobre estas profissionais na perspectiva das práticas sociais e processos educativos são incipientes, o que aponta a desqualificação desses saberes na academia. Partindo deste princípio, o presente artigo tem como objetivo compreender como manicures e pedicures que atuam em salões de beleza de um município do Sul da Bahia aprendem e ensinam sobre os aspectos da Microbiologia e os riscos que são inerentes ao exercício de sua profissão. A obtenção dos dados ocorreu por meio de entrevistas semiestruturadas com dez manicures e pedicures de seis salões de Beleza localizados em uma das principais avenidas da cidade. Os dados foram analisados com base na Análise Textual Discursiva e organizados em duas categorias: a) fontes de conhecimentos das manicures em relação à sua profissão e; b) processos não sistematizados de ensino e aprendizagem. Destacamos que as profissionais aprenderam os conhecimentos microbiológicos por meio da prática, do aprender fazendo e manifestaram conhecer e ensinar para suas clientes sobre fontes de contaminação, causas e profilaxia de doenças, mesmo que de forma não sistematizada. Nesta pespectiva, consideramos importante a articulação e valorização dos saberes oriundos da comunidade nas instituições escolares como forma de romper com preconceitos e desigualdades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane Ferreira Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)/ Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências (PPGEC)

Liceniciada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC (2018) e Mestranda em Educação em Ciências pela mesma Universidade.Possui interesse por temáticas vinculadas à Educação CTS; Sequências Didáticas; Práticas Sociais e formação de professores de Ciências/Biologia.

Krisnayne Santos Ribeiro, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)/ Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências (PPGEC)

Liceniciada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC (2018) e Mestranda em Educação em Ciências pela mesma Universidade.Possui interesse por temáticas vinculadas à Educação CTS; Sequências Didáticas; Formação de professores de Ciências/Biologia e estratégias de aprendizagem para o Ensino de Ciências.

Christiana Andrea Vianna Prudencio, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ(UESC)

Mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos/SP – UFSCar. Professora adjunta da área de ensino de Biologia da Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC e  docente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências dessa Universidade.Pesquisa na área de Formação de Professores de Ciências, Educação CTS e as interfaces entre o Ensino de Ciências e as relações étnico-raciais

Downloads

Publicado

2021-02-20

Edição

Seção

Artigos