Saúde, cultura e raízes ancestrais: fitoterapia indígena como prática de cuidado histórico pela biografia das plantas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/resa2024.v17.a59437

Palavras-chave:

fitoterapia indígena, raízes ancestrais, etnomedicina, cultura da terra

Resumo

Este texto traz o diálogo entre uma Pajé, da etnia Potiguara, e uma antropóloga sobre saúde e cultura ancestral a partir da fitoterapia indígena. Trata-se de um relato de experiência do curso feito com a Pajé Amanacy, no município da Baía da Traição, na Paraíba, junto a um relato biográfico da Pajé, cuja história com a pajelança e as plantas de cura são rememoradas e trazidas para o presente. O diálogo entre as experiências das duas autoras traça um caminho em que a biografia das plantas rege as aberturas do encontro médico entre a biomedicina e a etnomedicina, nas políticas públicas de saúde oficiais e como a fitoterapia tem sido implantada no Sistema Único de Saúde (SUS). Ao acompanhar a história dos Potiguara, na Baía da Traição; a transformação de uma indígena em Pajé, curandeira e professora; a experiência de uma antropóloga com a cultura da terra, refletimos sobre o retrato biográfico que as plantas nos apresentam e de que modo a etnomedicina mobiliza raízes ancestrais para o centro das políticas de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Brandão, Universidade do Grande Rio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Professora dos Programas de Pós-graduação em Humanidades, Cultura e Artes (PPGHCA) em Ensino de Ciências e Saúde (PPGECS) da Unigranrio Afya. Coordenadora Executiva da Política Nacional dos Comitês de Cultura do Ministério da Cultura - MinC. Coordenou o núcleo interdisciplinar de História, Letras e Pedagogia de Residência Pedagógica- CAPES (2023-2024). Possui Pós-Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo, USP (2019-2022). Doutora em Ciências Sociais pela PUC-RIO (2013-2017). Mestra em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ (2011-2013). Atuou como pesquisadora do IPEA na pesquisa nacional sobre metodologias de cuidado a usuários problemáticos de drogas (2019-2020). Foi professora substituta do departamento de Sociologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, IFCS-UFRJ (2017-2019). Foi professora colaboradora da Pós-Graduação em Educação e Divulgação Científica do Instituto Federal do Rio de Janeiro, IFRJ (2016-2022). Integrou a pesquisa sobre refugiados na Itália, por meio do Intercâmbio entre UERJ, a Università degli Studi di Roma Tor Vergata e CREG - Centro di Ricerche Economiche e Giuridiche (2011-2013). Possui Pós-Graduação/ Especialização em Políticas Públicas pela Escola de Políticas Públicas e Governo do Instituto de Pesquisa do Rio de Janeiro, EPPG-IUPERJ e Especialização em Estudos Diplomáticos pelo CEDIN. Graduada em Ciências Sociais (Licenciatura) e em Comunicação Social - Jornalismo. Pesquisa temas relacionados às trajetórias institucionais, conflito e arte, em diálogo com questões de corpo, saúde e gênero. Autora dos romances “Olhos de Giz” e “Por muitos céus” e das peças teatrais “Eu, fim”, “Entre Nós”, “Depois de ter você” e "Paraeufrasiando".

Sanderline Ribeiro dos Santos, UFPB

Possui graduação em Pedagogia - licenciatura plena pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2010). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação do Campo, Séries Iniciais, Ensino Fundamental e Médio. Licenciada em Letras- Língua Portuguesa pela Universidade Federal da Paraíba- UFPB. Defendeu o trabalho de pesquisa intitulado 'O mítico feminino das Bruxas de Coqueirinho, Cumade Fulozinha e Mãe D'água'; 2018; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Letras) - Universidade Federal da Paraíba; Orientadora: Moama Lorena de Lacerda Marques. Especialista em Educação do Campo pela UFPB ( 2020). TCC O Processo de Reestruturação do PPP em uma Escola do Campo no Município de Rio Tinto: Desafios e Possibilidades. Mestra em Ciências das Religiões pelo PPGCR / UFPB (2021). Dissertou sobre "As Entidades Míticas Femininas, seus encantamentos e coexistências nos lugares sagrados Potiguara da Paraíba." Orientador: Lusival Antonio Barcellos.

Referências

ANDRADE, João T.; SOUSA, Carlos Kleber Saraiva de. Práticas indígenas de cura no Nordeste brasileiro: discutindo políticas públicas e intermedicalidade. Anuário Antropológico [Online], v. 41, n. 2, p. 179-204, 2016. https://doi.org/10.4000/aa.2581

BARCELLOS, Lusival Antonio; SOLLER, Juan. Paraíba Potiguara. João Pessoa: UFPB, 2012.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. 2006a. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5813.htm. Acesso em: 12 maio 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. 2006b. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html. Acesso em: 12 maio 2024.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Cadernos de Atenção Básica, n. 31. Disponível em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_plantas_medicinais_cab31.pdf. Acesso em: 5 fev. 2023.

BROADHEAD, Lee-Anne; HOWARD, Sean. Deepening the debate over ‘sustainable science’: indigenous perspectives as a guide on the journey. Sustainable Development, v. 19, n. 5, p. 301-311, 2011. https://doi.org/10.1002/sd.421

CARNEIRO, Henrique. O saber indígena e os naturalistas europeus. Revista Trajetos. v. 7, n. 13, p. 47-66, 2009. http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/28596

GARNELO, Luiza; PONTES, Ana Lúcia (Org.). Saúde indígena: uma introdução ao tema. Brasília: MEC-SECADI, 2012.

LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011.

MEDEIROS, Nilma Maria Porto de Farias Cordeiro et al. O sagrado indígena Tabajara e Potiguara: uma compreensão primeira do saber ambiental em território paraibano. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 7, n. 17, p. 1087-1100, 2020. https://doi.org/10.21438/rbgas(2020)071703

MENDONÇA, Joselma Bianca Silva de Souza; NASCIMENTO, José Mateus do; BARCELLOS, Lusival Antonio. Etnoeducação Potiguara: memória dos troncos velhos, cosmologia e saberes existenciais. Religare: Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões da UFPB, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 105-140, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/religare/article/view/52438. Acesso em: 8 maio 2024.

NASCIMENTO, José Mateus (Org.). Etnoeducação Potiguara: Pedagogia da existência das tradições. João Pessoa: Idea, 2012.

PALITOT, Estêvão Martins. Perícia Antropológica Terra Indígena Potiguara de Monte-Mór. Ação Ordinária nº 0000675-10.2009.4.05.8200 Destilaria Miriri x Funai e outros. 1ª Vara da Justiça Federal na Paraíba. João Pessoa, 2015.

PALITOT, Estêvão Martins. A territorialidade dos Potiguara de Monte-Mór: regimes de memória, cosmologia e tradições de conhecimento. Revista Mundaú, Maceió, n. 8, p. 115-138, 2020. https://doi.org/10.28998/rm.2020.n.8.9542

SANTOS, Sanderline Ribeiro dos. As entidades míticas femininas, seus encantamentos e coexistências nos lugares sagrados Potiguara da Paraíba. Dissertação (Mestrado)_Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2021. Disponível em: https://sigaa.ufpb.br/sigaa/public/programa/noticias_desc.jsf?lc=en_US&id=1902&noticia=237257345 Acesso em 05 fev. 2024

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO traditional medicine strategy 2002-2005. Geneva, 21 feb. 2002. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/WHO-EDM-TRM-2002.1 Acesso em: 5 fev. 2024.

Downloads

Publicado

2024-05-13

Como Citar

Brandão, B., & Santos, S. R. dos. (2024). Saúde, cultura e raízes ancestrais: fitoterapia indígena como prática de cuidado histórico pela biografia das plantas. Ensino, Saude E Ambiente, 17, Publicado em 13/05/2024. https://doi.org/10.22409/resa2024.v17.a59437

Edição

Seção

Dossiê Interseccionalidades

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)