Passagem ao ato e acting-out: duas respostas subjetivas

Autores

  • Roberto Calazans Universidade Federal de São João del-Rei
  • Angélica Bastos Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Acting-out, Passagem ao Ato, Psicanálise, Clínica

Resumo

O presente artigo delimita o conceito de passagem ao ato em relação ao acting-out e distingue as respostas subjetivas que envolvem. A partir das distinções propostas por Lacan entre eles com base no conceito de objeto a, busca-se situar o sujeito em ambas as modalidades de ato, com os objetivos de submeter à discussão clínica as passagens ao ato discretas e de interrogar o papel de suplência que supostamente desempenham. Para tal, são retomados dois fragmentos de casos de anorexia discutidos na literatura psicanalítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Calazans, Universidade Federal de São João del-Rei

Professor Adjunto III no Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSJ, Bolsista de Pós-Doutorado Júnior do CNPq no Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica da UFRJ.

Angélica Bastos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Psicanalista, Professora Associada II no Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica da UFRJ, Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Publicado

2010-08-30

Como Citar

Calazans, R., & Bastos, A. (2010). Passagem ao ato e acting-out: duas respostas subjetivas. Fractal: Revista De Psicologia, 22(2), 245-256. Recuperado de https://periodicos.uff.br/fractal/article/view/4794

Edição

Seção

Dossiê Psicanálise: Work in Progress