Consumo sustentável & economia solidária: alguns conceitos e contribuições da Psicologia

Lilia Aparecida Kanan

Resumo


O artigo sistematiza brevemente os consumos alienante, solidário e sustentável e dá visibilidade à proposta renovadora das relações econômicas estabelecidas na sociedade, representada pelos empreendimentos da economia solidária. Por meio do entendimento de alguns autores e pesquisadores verifica-se que as contribuições da Psicologia dadas ao tema assentam-se na problematização das práticas de consumo e suas significativas diferenças entre classes sociais, no questionamento dos novos modelos de economia e de organizações de trabalho sob a ótica das relações que entre eles se processam e na emergência de intervenções que contribuam para tornar autônomos os sujeitos que protagonizam essas novas propostas.


Palavras-chave


consumo sustentável; economia solidária; consumo e Psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, R. N. C. A economia solidária como política pública: uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2005.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo . Lisboa: Edições 70, 1995.

BAUDRILLARD, J. O Sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 1997.

BOONE, L. E.; KURTZ, D. L. Marketing contemporâneo. 8. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2001.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Atlas da Economia Solidária no Brasil - 2005. Brasília: SENAES, 2006.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Sistema nacional de informações em economia solidária. Termo de referência para o Mapeamento da Economia Solidária. Brasília: SENAES, 2004. Disponível em . Acesso em: 20 dez. 2006.

CHAUVEL, M. A. A satisfação do consumidor no pensamento de marketing: revisão de literatura. In: Encontro Nacional da ANPAD, 23., 1999. Foz do Iguaçú, Paraná. Anais... Foz do Iguaçú: ENANPAD, 1999. 1 CD-ROM.

CORRALES, O. Publicidade, consumo y gobierno de la subjetividad: comunicación y medios. Rev. Universidade do Chile, Chile, v.16, n. 15, 2005. p. 209-219.

DAGNINO, R. Em direção a uma Estratégia para a redução da pobreza: a Economia Solidária e a Adequação Sócio-técnica. Organização dos Estados Iberoamericanos -OEI, 2000. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2011.

GADE, C. Psicologia do consumidor e da propaganda. São Paulo: Pedagógica e Universitária, 1998.

HOROCHOVSKI, R. R; MEIRELLES, G. Problematizando o conceito de empoderamento. In: SEMINÁRIO NACIONAL MOVIMENTOS SOCIAIS, PARTICIPAÇÃO E DEMOCRACIA, 2., 2007, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2007. p. 485-506.

KARSAKLIAN, E. Comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, 2000.

KINCHELOE, J. Mc Donald’s, poder e criança: Ronald Mc Donald faz tudo por você. In: SILVA; AZEVEDO; SANTOS (Org.). Identidade social e a construção do conhecimento. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação, 1997. p. 69-98.

LISBOA, A. M. Os desafios da Economia Popular Solidária. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 189, p.51-67, 2000.

MANCE, E. A. A revolução das redes: a colaboração solidária como uma alternativa pós-capitalista à globalização atual. Petrópolis: Vozes, 1999.

MELO NETO, F. P.; FROES, C. Empreendedorismo social: a transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro: Qualimark, 2002.

MOSER, G. Examinando a congruência pessoa-ambiente: o principal desafio para a Psicologia Ambiental. Estud. Psicol. (Natal), Natal, v. 8, n. 2, p. 331-333, ago. 2003. .

OLIVEIRA, A. L. O processo de empoderamento de mulheres trabalhadoras em empreendimentos de economia solidária. Dissertação (Mestrado)__Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

PADUA, J. A. Produção, consumo e sustentabilidade: o Brasil e o contexto planetário. Cadernos de Debate, 2000. Disponível em: Acesso em: 21 ago. 2011.

PINHEIRO, J. Q. Psicologia ambiental: a busca de um ambiente melhor. Estud. Psicol. (Natal), Natal, v. 2, n. 2, p. 377-398, jul./dez. 1997.

SANTOS, E. A. A. O consumismo como um novo iluminismo: a panacéia do consumo na contemporaneidade. Dissertação (Mestrado)__Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SAWAIA, B. B. Comunidade: a apropriação científica de um conceito tão antigo quanto a humanidade. In: CAMPOS, R. H. F. (Org.). Psicologia Social Comunitária: da solidariedade à autonomia. Petrópolis: Vozes, 1996. p. 35-53.

SILVA, J. R. CEBs: um atalho para a inclusão social na pós-modernidade. In: Memória e Caminhada. Brasília/UCB, n. 7, dez. 2004.

SINGER, P. Uma utopia militante: repensando o socialismo. Petrópolis: Vozes, 1998.

SINGER, P. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Perseu Abramo, 2002.

SINGER, P. Economia solidária. Estud. Av., São Paulo, v. 22, n. 62, p. 289-314, jan./abr. 2008.

SINGER, P.; SOUZA, A. R. (Org.) A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000.

STEINBERG, S. Kindercultura: a construção da infância pelas grandes corporações. In: SILVA; AZEVEDO; SANTOS (Org.). Identidade social e a construção do conhecimento. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação, 1997. p. 99-145.

VERONESE, M. V.; GUARESCHI, P. Possibilidades solidárias e emancipatórias do trabalho: campo fértil para a prática da Psicologia social crítica. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 58-69, maio/ago. 2005.

ZANELLI, J. C. Trabalhadores com manifestações de stress: teorias e procedimentos utilizados em centros de pesquisas e intervenções. Relatório Final (Pós-Doutorado Sênior)__Pontifícia Universidade Católica de Campinas, São Paulo, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: