Representação Social de Estudantes Universitários sobre Cotas na Universidade

Paula Bacellar Silva, Patrícia da Silva

Resumo


Foram analisadas as representações sociais de estudantes universitários sobre o sistema de reserva de vagas com base em critérios raciais e sociais nas universidades. Participaram sete estudantes, de ambos os sexos, com idades entre 19 e 49 anos, sendo dois beneficiados pelas cotas. Utilizou-se a técnica de grupo focal, tendo como pergunta inicial “O que vocês pensam sobre o sistema de cotas na universidade?”, e um questionário para dados socioeconômicos. Os dados foram analisados através análise de conteúdo temática, não quantitativa. Os resultados indicam um discurso contraditório e ambivalente (contrário, favorável e em alguns momentos ambivalentes), por outro lado, no que se refere ao convívio com estudantes cotistas houve uma tendência em concebê-los de forma estereotipada, portanto, homogênea. Espera-se que este estudo contribua para melhor compreensão do fenômeno e possibilite novas pesquisas e reflexões sobre as representações sociais da política de cotas.


Palavras-chave


Representações Sociais; Cotas Universitárias; Cotistas

Texto completo:

PDF

Referências


AUGOSTINOS, M., TUFFIN, K.; EVERY, D. New racism, meritocracy and individualism: constraining affirmative action in education. Discourse & Society, 16, 3, 315 – 340, 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Edições 70, 2009.

BRANDÃO, C. F. As cotas na universidade pública brasileira: Será esse o caminho? Coleção polêmicas do nosso tempo, 92. Campinas – São Paulo: Autores associados, 2005.

CARVALHO, J. J. Inclusão étnica e racial no Brasil: a questão das cotas no ensino superior. 1. ed. São Paulo: Attar, 2005.

CARVALHO, J. J. As ações afirmativas como resposta ao racismo acadêmico e seu impacto nas ciências sociais brasileiras. Brasília: UnB, Departamento de Antropologia. Série Antropologia, 358, 2004.

CARVALHO, J. J. Usos e abusos da antropologia em um contexto de tensão racial: O caso das cotas para negros na UNB. Horizontes Antropológicos, 11(23), 237-246, 2005.

CROSBY, F. J.; CORDOVA, D. I. Words Worth of Widsdom: Toward an Understanding of Affirmative Action. Journal of Social Issues, 52, 33-49,1996.

FRY, P. & MAGGIE, Y. Cotas raciais: Construindo um país dividido? Econômica, 6, 153-161. 2006.

GLÓRIA, M. C. S. Políticas de ação afirmativa para negros: novas propostas para antigos problemas. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Rio de Janeiro, UFRJ, 2006.

GOIS, A. 51% das universidades estaduais adotam ações afirmativas. Folha de S.Paulo,2009,http://www.direitos.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=4442&Itemid=2. Recuperado em 02 de fevereiro de 2009.

GOMES, J. B. B.; SILVA, F. B. B. As ações afirmativas de promoção da igualdade efetiva. Cadernos do Conselho da Justiça Federal (pp.85-124). Brasília, 2003: CJF: www.cjf.gov.br/revista/seriecadernos/vol24/artigo04.pdf . Recuperado em 03 de novembro de 2007.

GOMES, J. B. B. O Debate Constitucional sobre as ações afirmativas. In: Santos, R. E. & Lobato, F. (Orgs.) Ações Afirmativas: Políticas públicas contra as desigualdades raciais. (pp.15-58) Rio de Janeiro, DP&A, 2003.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: Desafios metodológicos. Paidéia, 12, 149-161, 2003.

_______________Perfil profissional e mercado de trabalho: relação com formação acadêmica pela perspectiva de estudantes universitários. Estudos de Psicologia, 7, 299-309, 2002.

GUIMARÃES, A. S. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo, Editora 34 Ltda, 1999.

HING, L. S. S; BOBOCEL, D. R.; ZANNA, M. P. Meritocracy and Opposition to Affirmative Action: Making Concession Face the Discrimination. Journal of Personalite and Social Psychology, 83, 493-509, 2002.

JONES, J. E. The Rise and Fall of Affirmative Action. In: Hill, H: Jones, J. (eds). Race in American: The Struggle for Equality. Madison, University of Wisconsin Press, 1993.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In P.A. Guareschi & S. Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais (10ª. ed. pp.63-85). Petrópolis: Vozes, 2003.

LEITE, J. L. Política de assistência estudantil: entre o direito e o favor. Universidade e Sociedade. Brasília: Andes-SN, n. 41, p. 165-173, 2008.

LEITE, J. L. Política de cotas no Brasil: política social?. Rev. Katálysis, Florianópolis,v.14,n.1,2011.. Acesso em 25 Julho 2012.

MAGGIE, Y. & FRY, P. O debate que não houve: A reserva de vagas para negros nas universidades brasileiras. Enfoques, 93-117. 2002.

MAGGIE, Y. & FRY, P. A reserva de vagas para negros nas universidades brasileiras. Estudos Avançados, 18 (50), 67-80. 2004.

MENIN, M.S.S., SHIMIZU, A.M., SILVA, D.J., CIOLDI, F.L., & BUSHINI, F. Representações de estudantes universitários sobre alunos cotistas: Confronto de valores. Educação e Pesquisa, 34(2), 255-272. 2008.

MINAYO, M. C. S. O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. In P. A. Guareschi & S. Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais (10ª. ed., pp.89-111). Petrópolis: Vozes, 2003.

MOEHLECKE, S. Ação afirmativa: História e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 117, 197-217, 2002.

MORGAN, D. L. Focus Groups. Annu. Rev. Sociol, 22, 129-152,1996.

MOSCOVICI, S. A Representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. 1978.

MOSCOVICI, S. Introduction: Le domaine de la psychologie sociale. In S.MOSCOVICI (org.). Psychologie sociale. Paris: Presses Universitaires de France, (2ª ed),1990.

NAIFF, D.G.M., NAIFF, L.A.M., & SOUZA, M.A. As representações sociais de estudantes universitários a respeito das cotas para negros e pardos nas universidades públicas brasileiras. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9, 216-229. 2009.

NEVES, P.S.C. & LIMA, M.E.O. Percepções de justiça social e atitudes de estudantes pré-vestibulandos e universitários sobre as cotas para negros e pardos nas universidades públicas. Revista Brasileira de Educação, 12 (34), 17-38. 2007.

SÁ, C. P. de. A construção do objeto de pesquisa em Representações Sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ.1998.

SANTOS, G.L.; CHAVES, A.M. Ser quilombola: representações sociais de habitantes de uma comunidade negra. Estudos de Psicologia (24(3), 353-361, julho -.setembro). Campinas, 2007.

SANTOS, S.A. Ação afirmativa e mérito individual. In R.E. Santos & F. Lobato (Orgs.), Ações afirmativas: Políticas públicas contra as desigualdades raciais. (pp. 83-126). Rio de Janeiro: DP&A. 2003.

SILVA, P. B. Normas Sociais e Preconceito: O impacto da meritocracia e da igualdade no preconceito implícito e explícito contra os cotistas. Dissertação de Mestrado não publicada. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

SMITH, C. P. Content analysis and narrative analysis. In: H. T. Reis e C. M. Judd (orgs). Handbollk of Research Methods in social and personality psychology, pp. 313-335. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

SOWELL, T. Ação Afirmativa ao Redor do Mundo: Estudo Empírico. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2004.

SPINK, M. J. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In P. A. Guareschi & S. Jovchelovitch (Orgs.), Textos em representações sociais (10ª ed. pp.117-145). Petrópolis: Vozes, 2003.

VEIGA, L. & GONDIM, S.M.G. A utilização de métodos qualitativos na ciência política e no marketing político. Opinião Pública. 2(1), 1-15, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: