Assim falava Barbie: uma boneca para todos e para ninguém

Michelle Brugnera Cruz Cechin, Thaise da Silva

Resumo


Envolta em um mundo de beleza, riqueza e aventura, a boneca Barbie está imersa em uma pedagogia cultural, com o intuito de ensinar a supremacia de um tipo de corpo, etnia e comportamento. Este artigo tem como objetivo discutir as representações da boneca Barbie na cultura lúdica e o modo como tem afetado a construção das identidades infantis, especialmente em relação à identidade de gênero e à diversidade cultural.


Palavras-chave


brinquedo; infância; relações de gênero; inclusão social

Texto completo:

PDF

Referências


AUGUSTYNIAK, M. Barbie Doll Photo Álbum: 1959 to 2009 identification e values. Collector Books, 2010.

BROUGÈRE, G. Brinquedos e Companhia. São Paulo: Cortez, 2004.

BUJES, M. I. Infâncias e Maquinarias. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CONNEL, R. W. Masculinities. California II, 2005.

DEBOUZY, M. La poupée Barbie. Clio. N. 4. Disponível em: . Acesso : 10/02/2011.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1991.

DORNELLES, L. V.. O brinquedo e a Produção do Sujeito Infantil. Centro de Documentação e Informação sobre a Criança. Universidade do Minho. Instituto de Estudos da Criança. 2003. Disponível em: Acesso em: 03 de dez. de 2010.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

FOUCAULT, M. O uso dos Prazeres. In: ______. História da sexualidade. V. 2. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FOUCAULT, M. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

GERBER. Barbie e Ruth: a história da mulher que criou a boneca mais famosa do mundo e fundou a maior empresa de brinquedos do século XX. São Paulo: Ediouro, 2009.

LARROSA, J. La experiência de la lectura. Barcelona: Laertes, 1996.

LORD, M. G. Forever Barbie: The unauthorized biography of a real doll. New York: Walker & Company, 2004.

MITCHELL, C. A. REID-WALSH, J. Girl Culture: An Encyclopedia. Greenwood Publishing Group, 2007.

NIETSZCHE, F. Assim Falava Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Petrópolis: Vozes, 2011.

RAND, E. Barbie’s queer accessories. Durham: Ducke University Press, 2003.

ROVERI, F. T. Barbie – Tudo o que você quer ser... ou considerações sobre a educação de meninas. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 2008.

ROGERS, M. F. Barbie culture. London: Sage Publications, 1999.

SCHWARZ, M. T. Native American Barbie: The Marketing of Euro-American Desires. American Studies, 46:3/4 (Fall-Winter 2005): 295-326. Disponível em: . Acesso: 20/07/2011.

SILVA, T. T. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

STONE, T. L. The Good, The Bad and The Barbie: a doll´s history and her impact on US. New York: Viking, 2010.

STEINBERG, S. R. A mimada que tem tudo. In: STEINBERG, S. R. KINCHELOE, J. L. Cultura Infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. P. 321-338.

TERRENÉE, R. Fulla, the veiled Barbie: An analysis of cultural imperialism and agency. MAI Review, 2008, 2, Santa Cruz Report. Disponível em: . Acesso: 16/07/2011.

ZEGAI, M. Les jouets pour enfants au regard du genre. (Memoire de Master) – Departement de Sociologie, UFR Des Sciences Sociales et des Humsnites, Universite de Versailles-Saint-Quentin, Versailles, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: