“A via que facilita é a mesma que dificulta”: estigma e atenção em HIV-Aids na Estratégia Saúde da Família.

Gustavo Zambenedetti, Nalu Silvana Both

Resumo


Este estudo buscou analisar a atenção em HIV-Aids na Estratégia Saúde da Família - ESF, levando-se em consideração a dinâmica do estigma associada a Aids, sob a perspectiva dos profissionais de saúde. O estudo foi realizado com duas equipes da ESF que compõem uma unidade de saúde em Porto Alegre-RS. Foram realizadas entrevistas com os médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem e um grupo focal com os Agentes Comunitários de Saúde. A análise realizada se deteve sobre três eixos: a percepção dos profissionais sobre o estigma relacionado a Aids; a participação dos profissionais na dinâmica do segredo/encobrimento/revelação do diagnóstico; a participação dos profissionais na (re)produção de estigmas. Os resultados apontaram a necessidade da dinâmica do estigma ser considerada no planejamento das ações e serviços em saúde, visando facilitar o acesso ao diagnóstico e tratamento, a construção de vínculo e confiança entre usuários e profissionais.


Palavras-chave


Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Estratégia Saúde da Família; estigma; práticas profissionais; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA, F. T.de M.; NICHIATA, L. Y. I. A abertura de privacidade e o sigilo das informações sobre o HIV/Aids das mulheres atendidas pelo Programa Saúde da Família no Município de São Paulo, Brasil. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 140-152, abr./jun. 2008.

ALMEIDA, M. R. de C. B de; LABRONICI, L. M. A trajetória silenciosa de pessoas portadoras do HIV contada pela história oral. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 263-274, jan./fev. 2007.

AYRES, J. R. C. M et al. O conceito de vulnerabilidade e as Práticas de Saúde: novas perspectivas e desafios. In.: CZERESNIA, D. Promoção da Saúde: conceitos, reflexões e tendências. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009. p. 121-144.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990. Disponível em: . Acesso em: 30 julho 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 196 de 10 de outubro de 1996. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 1996. Disponível em: Acesso em: 17 out. 2008.

BRASIL. Manual de Redução de Danos. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Aconselhamento em DST/HIV/Aids para a Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BRASIL. Oficina de Aconselhamento em DST/HIV/AIDS para a atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Portaria Nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). 2006a.

BRASIL. Ministério da Saúde. HIV/Aids, hepatites e outras DST. Cadernos de Atenção Básica, Brasília, n. 18, 2006b. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Centros de Testagem e Aconselhamento do Brasil: desafios para a equidade e o acesso. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

FERREIRA, F. C.; NICHIATA, L. Y. I. Mulheres vivendo com Aids e os profissionais do Programa Saúde da Família: revelando o diagnóstico. Revista da Escola de Enfermagem/ USP, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 483-489, jul./set. 2008.

FRANCO, T. B.; MERHY, E. E. Programa de Saúde da Família (PSF): contradições de um programa destinado à mudança do modelo tecnoassistencial. In: MERHY, E. E. et al (Org.). O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2004. p. 55-124.

GARCIA, S.; KOYAMA, M. A. H. Estigma, discriminação e HIV/Aids no contexto brasileiro, 1998 e 2005. Revista de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 3, p 72-83, mai./jun. 2008.

GARRIDO, P. B. et al. Aids, estigma e desemprego: implicações para os serviços de saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 41, Suplemento, p. 72-79, 2007.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, R. Análise de dados em pesquisa qualitativa. In.: MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. p. 67-80.

GUERRA, C. P. P.; SEIDL, E. M. F. Crianças e adolescentes com HIV/AIDS: revisão de estudos sobre revelação do diagnóstico, adesão e estigma. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 19, n. 42, p. 59-65, jan./abr. 2009.

MEYER, D. E. E. et al. “Você aprende. A gente ensina?”: interrogando relações entre educação e saúde desde a perspectiva da vulnerabilidade. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 1335-1342, jun. 2006.

MINAYO, M. C.de S. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. Rio de Janeiro: Hucitec, 1992.

OLIVEIRA, D. L. L. C. et al. A negociação do sexo seguro na TV: discursos de gênero nas falas de Agentes Comunitárias de Saúde do Programa Saúde da Família de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1309-1318, set./out. 2004.

PAIVA, V. Fazendo arte com a camisinha: sexualidades jovens em tempos de Aids. São Paulo: Summus, 2000.

PORTO ALEGRE (Prefeitura). Secretaria Municipal de Saúde. Boletim Epidemiológico. Ano X, n. 36, fev. 2008.

SEFFNER, F. O conceito de vulnerabilidade: uma ferramenta útil em seu consultório. Aletheia (ULBRA), Canoas, v. 7, p. 53-58, jan./jul. 1998.

SEOANE, A. F.; FORTES, P. A. C. A percepção do usuário do Programa Saúde da Família sobre a privacidade e a confidencialidade de suas informações. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 42-49, jan./mar. 2009.

TRAD, L. A. B. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 777-796, jul./set. 2009.

TREICHLER, P. AIDS, homophobia, and biomedical discourse: an epidemic of signification. In: PARKER, R.; AGGLETON, P (Org.). Culture, society and sexuality: a reader. Califórnia: UCL, 1998. p. 357-386. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2012.

VICTORA, C. G.; KNAUTH, D. R.; HASSEN, M. N. A. Pesquisa qualitativa em saúde: uma introdução ao tema. Porto Alegre: Tomo, 2000.

ZUCCHI, E. M. et al. Estigma e discriminação vividos na escola por crianças e jovens órfãos por Aids. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 719-734, dez. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: