Abuso sexual, crianças e adolescentes: reflexões para o psicólogo que trabalha no CREAS

Bruno Ricardo Bérgamo Florentino

Resumo


O abuso sexual infanto-juvenil se configura como um problema mundial, histórico e marcado por inúmeras determinações, embora seu efetivo enfrentamento tornou-se preocupação das políticas públicas somente nas últimas décadas. O presente artigo, de natureza qualitativa, realizado a partir de pesquisa bibliográfica, discute as principais perspectivas do psicólogo frente esta violência, delimitando os principais aspectos que norteiam o exercício do profissional que está inserido no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS). Os resultados apontam que se trata de uma demanda complexa, por vezes contraditória, que requer a atuação interdisciplinar, intersetorial, centrada na família, livre de tabus, preconceitos e estereótipos.


Palavras-chave


abuso sexual; crianças; adolescentes; Psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Justiça. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2012.

BRASIL. Ministério da Previdência e Assistência Social. Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993. 1993. Lei Orgânica da Assistência Social. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2012.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social. Brasília: MDS, 2005.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social. Centro de Referência Especializado de Assistência Social - CREAS. Guia de Orientação do CREAS n. 1, 1 versão. Brasília: SNAS, 2006.

CENTRO REGIONAL AOS MAUS-TRATOS NA INFÂNCIA. Abuso sexual doméstico: atendimento às vítimas e responsabilização do agressor. 2. ed. Brasília: Unicef, 2005.

CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS. Referências técnicas para atuação do/a psicólogo/a no CRAS/SUAS. Brasília: CFP, 2007.

CUNHA, E. P.; SILVA, E. M.; GIOVANETTI, A. C. Enfrentamento à violência sexual infanto-juvenil: expansão do PAIR em Minas Gerais. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

FURNISS, T. Abuso sexual da criança: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1993.

MALLAK, L. S.; VASCONCELOS, M. G. O. M. (Org.). Compreendendo a violência sexual em uma perspectiva multidisciplinar. Carapicuíba, SP: Fundação Orsa Criança e Vida, 2002.

MINAYO, M. C. de S. Violência e Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

MOREIRA, E. M.; VASCONCELOS, K. E. L. Infância, infâncias: o ser criança em espaço socialmente distintos. Serviço Social e Sociedade, João Pessoa, v. 76, p. 165-174, 2003.

OLIVEIRA, R. D. de; OLIVEIRA, M. D. de. Pesquisa social e ação educativa: conhecer a realidade para poder transformá-la. In: BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1999. p. 17-33.

PRADO, M. C. C. A. et al. O mosaico da violência. São Paulo: Vetor, 2004.

ROMARO, R. A; CAPITÃO, C. G. As faces da violência: aproximações, pesquisas, reflexões. São Paulo: Vetor, 2007.

SARACENO, B. Libertando identidades: da reabilitação psicossocial à cidadania possível. Belo Horizonte: Te Corá, 1999.

VECINA, T. C. C; FERRARI, D. C. A. O fim do silêncio na Violência familiar. 2. ed. São Paulo: Ágora, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: