Mulheres em cargos profissionais de chefia: o paradoxo da igualdade

Autores

  • Fabia Alberton de Silva Galvane Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Giovana Ilka Jacinto Salvaro Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Adriana Zomer de Moraes Centro Universitário Barriga Verde

Palavras-chave:

igualdade de gênero, desigualdade de gênero, trabalho, estratégias de poder

Resumo

O artigo aqui apresentado foi construído a partir de informações obtidas em uma pesquisa realizada no ano de 2009, apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso da Psicologia, ao Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE (GALVANE, 2009). A pesquisa teve como objetivo geral verificar os sentidos produzidos por mulheres que ocupam cargos de chefia em indústrias de uma cidade do sul de Santa Catarina, Brasil.  O modelo de pesquisa foi o qualitativo proposto por González Rey (2005). Os sujeitos da pesquisa foram sete mulheres e as informações obtidas por meio de entrevistas semiestruturadas. Neste artigo, propõe-se revisar informações obtidas e ampliar discussões outrora realizadas, utilizando-se das contribuições teóricas de Joan Scott e Judith Butler. Entre outras questões relevantes, o estudo sugere que as entrevistadas utilizam concepções baseadas em “certa essência feminina” como estratégia de visibilidade, permanência e poder no mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabia Alberton de Silva Galvane, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Psicóloga formada pelo Centro Universitário Barriga Verde. Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas (em andamento).

Referências

ABRAMO, L. A inserção da mulher no mercado de trabalho: uma força de trabalho secundária? 2007. Tese (Doutorado)__Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2010.

BUTLER, J. Mecanismos psíquicos del poder. 3. ed. Madrid: Cátedra, 2011.

BUTLER, J. Deshacer el género. Barcelona: Paidós Ibérica, 2012.

CAPPELLIN, P. As desigualdades impertinentes: telhado, paredes ou céu de chumbo? Rev. Gênero, Niterói, v. 9, n. 1, 2008. Disponível em: <http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/97/73>. Acesso em: 09 mar. 2014.

DELPHY, C. Patrarcat (Théories du). In: HIRATA, H. et al. (Org.). Dictionnaire du feminisme. Paris: PUF, 2000.

FRIEDAN, B. Mística feminina. Petrópolis, RJ: Vozes, 1971.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

GALVANE, F. A. S. Gênero e trabalho: os sentidos produzidos por mulheres que ocupam cargos de chefia em indústrias de uma cidade do sul de Santa Catarina. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia)__Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE, Orleans, SC, 2009.

GONZALEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

LAGO, M. C. S. Conceituando gênero: curso de atuação política para mulheres. Florianópolis: ICESPE, 1999.

MELO, H. P. de. Invisibilidade do trabalho feminino: uma violência disfarçada - notas preliminares. In: TORNQUIST, C. S et al. (Org.). Leituras de resistência: corpo, violência e poder. Florianópolis: Mulheres, 2009. p. 165-184.

PEDRO, J. M. Traduzindo o debate: uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v. 24, n. 1, 2005. p. 77-98.

SAFFIOTI, H. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, H. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, A. O.; BRUSCHINI, C. (Org.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992. p. 183-211.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SCOTT, J. O enigma da igualdade. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2005.

SOUZA-LOBO, E. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Brasiliense, 1991.

SOUZA-LOBO, E. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. 2. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2011.

Downloads

Publicado

2015-11-25

Como Citar

Alberton de Silva Galvane, F., Jacinto Salvaro, G. I., & Zomer de Moraes, A. (2015). Mulheres em cargos profissionais de chefia: o paradoxo da igualdade. Fractal: Revista De Psicologia, 27(3), 301-309. Recuperado de https://periodicos.uff.br/fractal/article/view/5082