O CRAS em relação: profissionais e usuários(as) em movimento

Vinicius Tonollier Pereira, Pedrinho Arcides Guareschi

Resumo


Este artigo parte de uma pesquisa de dissertação que procurou investigar as representações sociais de profissionais da psicologia que atuam em Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) sobre os usuários deste serviço, objetiva demonstrar a existência de uma dimensão relacional entre profissionais e usuários, evidenciando assim possibilidades de transformações sociais e políticas tanto no contexto de vida dos destinatários da assistência social como também da própria psicologia inserida no Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Entrevistou-se 21 psicólogas que atuam em CRAS. Dentre os resultados, percebe-se a vigência ainda de um legado histórico assistencialista e o quanto as relações entre profissionais e usuários(as) podem provocar possíveis processos de mudança social e política na vida desses sujeitos. Paralelamente, é possível pensar também o quanto a inclusão dessas e de outra dimensão, a ética, podem produzir avanços para a própria psicologia, tornando-a politicamente compromissada com as necessidades dessa população.


Palavras-chave


psicologia; assistência social; CRAS

Texto completo:

PDF

Referências


BAUER, M. W.; AARTS, B. A construção de um corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 39-63.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Política Nacional de Assistência Social. Brasília: MDS, 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2013.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Censo SUAS 2010. Brasília: MDS, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2013.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Censo SUAS 2009 – CRAS. Brasília: MDS, 2011.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família: PAIF, segundo a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais – volume 1. Brasília: MDS, 2012.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências técnicas para atuação do(a) psicólogo(a) no CRAS-SUAS. Brasília, DF: CFP, 2008.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Como os psicólogos e psicólogas podem contribuir para avançar o Sistema Único de Assistência Social (SUAS): informação para gestoras e gestores. Brasília, DF: CFP, 2011.

COUTO, B. R. et al. O Sistema Único de Assistência Social no Brasil: uma realidade em movimento. São Paulo: Cortez, 2010.

FÁVERO, E. T. Questão social e perda do poder familiar. São Paulo: Veras, 2007.

FERNANDES, I. Dialética da instrumentalidade: abordagem grupal e familiar na perspectiva da assistência social. In: MENDES, J. M. R.; PRATES, J. C.; AGUINSKY, B. (Org.). Capacitação sobre PNAS e SUAS: no caminho da implantação. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 135-151.

GASKELL, G.; BAUER, M. W. (Org.). Para uma prestação de contas pública: além da amostra, da fidedignidade e da validade. In: ______. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 470-490.

GILL, R. Análise de discurso. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 244-270.

GUARESCHI, P. A. Psicologia Social Crítica – como prática de libertação. 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

HILLESHEIM, B.; CRUZ, L. R. Do território às políticas públicas: governamento, práticas psicológicas e busca ativa no CRAS. In: CRUZ, L. R.; GUARESCHI, N. (Org.). O psicólogo e as políticas públicas de assistência social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 91-105.

JOVCHELOVITCH, S. Os Contextos do saber: representações, comunidade, cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

LASTA, L. L.; GUARESCHI, N. M. F.; CRUZ, L. R. A Psicologia e os Centros de Referência em Assistência Social: problematizações pertinentes. In: CRUZ, L. R.; GUARESCHI, N. (Org.). O psicólogo e as políticas públicas de assistência social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 52-65.

MACEDO, J. P. et al. O psicólogo brasileiro no SUAS: quantos somos e onde estamos? Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 3, p. 479-489, 2011.

MARTIN-BARÓ, I. O papel do psicólogo. Estudos de Psicologia, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 7-27, 1996.

MIOTO, R. C. T. Novas propostas e velhos princípios: a assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio sociofamiliar. In: SALES, M. A.; MATOS, M. C; LEAL, M. C. (Org.). Política social, família e juventude: uma questão de direitos. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010. p. 43-59.

NERY, V. B. O trabalho de assistentes sociais e psicólogos na Política de Assistência Social: saberes e direitos em questão. 2009. Tese (Doutorado)__Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

PEREIRA, V. T.; GUARESCHI, P. Representações Sociais da psicologia sobre os usuários do CRAS: culpabilização dos sujeitos em situação de vulnerabilidade social. Revista Diálogo, Canoas, n. 26, p. 09-24, 2014.

SAWAIA, B. (Org.). Introdução: exclusão ou inclusão perversa. In: ______. As artimanhas da exclusão. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 7-15.

XIMENES, V. M.; PAULA, L. R. C. de; BARROS, J. P. P. Psicologia comunitária e política de assistência social: diálogos sobre atuações em comunidades. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 29, n. 4, p. 686-699, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: