A “Chacina do Pan” e a produção de vidas descartáveis

José Rodrigues Alvarenga Filho

Resumo


Nosso artigo tem por alvo colocar em análise a tríade: segurança pública – mídia – produção de subjetividades na cidade do Rio de Janeiro no primeiro semestre do ano de 2007. Para tanto, tomamos como analisador a “Chacina do Pan” ocorrida no Complexo do Alemão para discutirmos: a) a produção de vidas descartáveis b) a cobertura da midiática; c) a produção de subjetividades amedrontadas. Utilizamos como ferramenta a obra de autores como Foucault, Agamben e Bauman. No momento em que o Rio de Janeiro receberá eventos como a Copa do Mundo de Futebol (2014) e as Olimpíadas (2016), torna-se imprescindível a análise do atual contexto carioca. Concluímos que a “Chacina do Pan” foi o efeito de uma conjugação de forças que, aproveitando-se da realização do megaevento esportivo na cidade, intensificou os processos repressivos e exterminadores sobre os segmentos mais pobres da população. Extermínio para garantir a “paz” e a segurança da cidade.

Palavras-chave


megaeventos esportivos; Rio de Janeiro; vidas descartáveis; produção de subjetividades

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARBÉX JÚNIOR, J. Showrnalismo: a notícia como espetáculo. São Paulo: Casa Amarela, 2005.

BARROS, R. B. Grupo: a afirmação do simulacro. Porto Alegre: Sulinas/UFRGS, 2009.

BATISTA, V. O medo na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

BAUMAN, Z. Modernidade e holocausto. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1998.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2005.

BAUMAN, Z. Vida líquida. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2007.

CHAUÍ, M. Simulacro e poder: uma análise da mídia. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006.

COIMBRA, C. Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 2001.

COSTA, A. C. et al. Megaoperação no Alemão deixa 19 mortos. Extra, Globonews, CBN, Reuters e O Globo Online. 27 jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2007.

DELEUZE, G.; FOUCAULT, M. Os intelectuais e o poder. In: MOTTA, M. B. (Org.). Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. Coleção Ditos & Escritos, v. 4, p. 37-47.

FLAUZINA, A. L. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e projeto genocida do Estado brasileiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Graal, 2003. v. 1.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

MASSON, C.; AZEVEDO, S.; FERNANDES, N. Os novos rumos da guerra contra o crime. Revista Época, Rio de Janeiro, n. 467, p. 62-66, jun. 2007.

PAN-AMERICANO 2007 e o extermínio nas favelas. Produção: Caô Produções. Video. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2013.

SALLES, M. Complexo do Alemão: entre a perversidade da mídia e a perversidade da polícia. Revista Caros Amigos, São Paulo, ano XI, n. 125, p. 34-39, ago. 2007.

SANTOS, J. R. Mídia e produções de subjetividade: questões do racismo. In: CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Mídia e psicologia: produção de subjetividade e coletividade. Brasília: CFP, 2009. p. 172-174.

SOARES, R. Ataque à cidadela do tráfico. Veja [online], n. 2009, maio de 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2007.

WACQUANT, L. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

WACQUANT, L. As duas faces do gueto. Rio de Janeiro: Boitempo, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: