Tuta e a cidade: arquivos domésticos das infâmias urbanas

Luis Artur Costa, Tania Mara Galli Fonseca

Resumo


O presente ensaio utiliza estratégias biografemáticas para acontecimentalizar nossos arquivos domésticos da infâmia urbana. Não se busca juízo ou verossimilhança. Não se pretende dizer o que o personagem experienciou: seria sufocar mais uma vez sua voz. Pretende-se apenas experimentar ver que cidade se vê ao nos reinventarmos com o contágio-tuta. Que cidade se produz ao nos afundarmos nas heceidades da sua vida ao ponto de repensar as nossas? É deste modo que se busca acontecimentalizar nossa cidade com fragmentos infames em uma heterotopia doméstica que acontecimentalize os arranjos de subjetivação existentes em nossas cidades desde seu surgimento até a atualidade.


Palavras-chave


heterotopia; infâmia; cidade; doméstico

Texto completo:

PDF

Referências


BELARDINELLIi, L. Do serviço doméstico: o cotidiano das criadas negras em Porto Alegre, 1880-1888. 2009. TCC (Graduação)__Departamento de História, Universidade Federal do rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

CARVALHO, V. C. de. Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material - São Paulo, 1870-1910. São Paulo: Universidade de São Paulo/ Fapesp, 2008.

COMTE, A. Catecismo Positivista. In: GIANNOTTI, A. (Org.). Comte. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Coleção Os Pensadores.

COSTA, L. A. Brutas cidades sutis: o espaço tempo da diferença na contemporaneidade. 2007. Dissertação (Mestrado)__Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2014.

CUNHA, O. M. G. da. Criadas para servir: domesticidade, intimidade e retribuição. In: Cunha, O. M. da; GOMES, F. S. (Org.). Quase-cidadão: histórias e antropologias da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2007. p. 378-418.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996. v. 3.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? São Paulo: Ed. 34, 1997.

GRAHAM, S. L. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

GILL, L. A. Labirintos ao redor da cidade: as vilas operárias em Pelotas (RS) 1890-1930. História Unisinos, v. 10, n. 1, p. 45-52, jan./abr. 2006.

LORNER, B. A.; GIL, L. A.; SCHEER, M. I. Enfermidade e morte: os escravos na cidade de Pelotas, 1870-1880. História, Ciências e Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 19, supl. 1, p. 133-152, dez. 2012.

MARTINS, R. A. et al. Contágio: história das doenças transmissíveis. São Paulo: Moderna, 1997.

MÜLLER, D. “Feliz a população que tantas diversões e comodidades goza”: espaços de socabilidade em Pelotas (1840-1870). 2010. Tese (Doutorado)__Programa de Pós-Graduação em História, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2010.

SENNETT, R. Carne e Pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: Record, 1997.

SEVCENKO, N. (Org.). A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio. In: ______. História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 513-619.

SILVA, M. H. O trabalho doméstico livre e a lei nos anos finais da escravidão no Brasil. In: ENCONTRO ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 6., 2013, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2014.

SOARES, P. R. R. La difusion del higienismo en Brasil y el saneamiento de Pelotas (1888-1930). Scripta Nova - Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona, v. 69, n. 38, ago. 2000. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2014.

SYMANSKI, L. C. P. Espaco privado e vida material em Porto Alegre no século XIX. Porto Alegre: Edipucrs, 1998.

XAVIER, J. S. Saneamento de Pelotas (1871-1925): o patrimônio sob o signo da modernidade e progresso. 2010. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio cultural)__Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: