A subjetividade, o Fora e a cidade: repensando o sujeito, o espaço e a materialidade

Carlos Antonio Cardoso Filho

Resumo


A filosofia Kantiana ao introduzir o tempo como principal operador de subjetivação, concebe o espaço como sendo passivo e mecânico. Propomos pensar uma subjetividade constituída por exterioridades espaciais e materiais ativas e não-lineares. Partindo da ideia do Fora em Deleuze e Foucault, e das teorias da “cognição estendida”, exploramos uma “subjetividade distribuída”, na qual o sujeito não é composto apenas por seu corpo ou interioridade, mas também pela materialidade, espaço e não-humanos. Abordamos processos de externalização formadores da subjetividade para repensar a relação entre cidade e subjetividade distribuída, abandonando a ideia de um espaço de circulação de sujeitos para compor agenciamentos que mesclam subjetividade e cidade e um composto indiscernível.


Palavras-chave


subjetividade; cidade; espaço

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Homo Sacer. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

BENNETT, J. Vibrant Matter: a political ecology of things. London: Duke University Press, 2010.

BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV-XVIII: as estruturas do cotidiano. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

CARDOSO FILHO, C. A. Ceticismo e ingenuidade: a problematização da subjetividade no pensamento de Foucault, Deleuze e Guattari. Florianópolis: UFSC, 2011.

CLARK, A; CHALMERS, D. The extended mind. In: CHALMERS, D. (Org.). Philosophy of mind: classical and contemporary readings. Oxford: Oxford University Press, 2002. p. 643-652.

DAWKINS, R. The extended phenotype. New York: Oxford University Press, 2008.

DELANDA, M. A new philosophy of society: assemblage theory and social complexity. New York: Bloomsbury Academic, 2006.

DELANDA, M. A thousand years of nonlinear history. New York: Swerve, 2000.

DELEUZE, G. A dobra: Leibniz e o Barroco. Campinas: Papirus, 1991.

DELEUZE, G. Sobre quatro fórmulas poéticas que poderiam resumir a filosofia kantiana. In: ______. Crítica e Clínica. São Paulo: Ed. 34, 1997. p. 36-44.

DELEUZE, G. Derrames: entre el capitalismo y la esquizofrenia. Buenos Aires: Cactus: 2005a.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005b.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DESCARTES, R. Discurso do método; As paixões da alma; Meditações. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

HUTCHINS, E. Cognition in the wild. Cambridge: MIT, 1995.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

KLINE, M. Mathematics: the loss of certainty. Oxford: Oxford University Press, 1982.

LATOUR, B. Reagregando o social. Salvador: Edufba, 2012.

MALAFOURIS, L. How things shape the mind. Cambridge: MIT, 2013.

ROTMAN, B. Becoming beside ourselves. London: Dukre University Press, 2008.

SIMONDON, G. La Individuación. Buenos Aires: La Cebra y Cactus, 2009.

SLOTERDIJK, P. Spheres: Bubbles. Los Angeles: Semiotext(e), 2011. v. 1.

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. The embodied mind. Cambridge: MIT, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: