Infância e Cidade: inventar espaços e modos de viver

Gislei Domingas Romanzini Lazzarotto, Maria Livia do Nascimento

Resumo


Nossa experiência com pesquisa no âmbito do Estatuto da Criança e do Adolescente evidencia práticas institucionais que relacionam o movimento da criança na cidade com práticas de recolher e abrigar em determinados estabelecimentos. Problematizamos como as ligações entre a infância e a cidade vão sendo constituídas  na produção  das  relações de  que visam governar a vida, desenvolvendo um estudo genealógico, referenciado em Michel Foucault, com duas linhas de análise: a criação de mecanismos que articulam a infância, a família e o espaço urbano, na sociedade moderna,  considerando os estudos de Jacques Donzelot e Philippe Ariès; e os registros das diretrizes  de referência na política da infância no Brasil (Código de Menores - 1927 e 1979, Estatuto da Criança e do Adolescente - 1990). Entre os modos de governar e inventar a infância e a cidade no Brasil encontramos o diagrama de um sentimento de sujeito de direito infanto-juvenil.


Palavras-chave


infância; cidade; relações de poder

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BENTHAM, J. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto 17.943A de 12 de outubro de 1927. Consolida as leis de assistência e protecção a menores. Revogado pela Lei nº 6.697, de 1979. 1927. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 4.513, de 01 de dezembro de 1964. Autoriza o Poder Executivo a criar a Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor, a ela incorporando o patrimônio e as atribuições do Serviço de Assistência a Menores, e dá outras providências. Revogado pela Lei nº 8.069, de 1990. 1964. Disponível em: Acesso em: 4 abr. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 6.697 de 10 de outubro de 1979. Institui o Código de Menores. Revogada pela Lei nº 8.069, de 1990. 1979. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. 1990. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2014.

CECCIM, R. B.; PALOMBINI, A. L. Imagens da infância, devir-criança e uma formulação à educação do cuidado. Psicologia & Sociedade, [S.l.], v. 21, n. 3, p. 301-312, set./dez. 2009.

CORAZZA, S. M. Histórias da infância sem fim. Ijuí: Unijuí, 2000.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 1988.

DELEUZE, G. Os intelectuais e o poder: conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. p. 69-78.

DONZELOT, J. A polícia das famílias. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

FONSECA, C. Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e Sociedade, São Paulo: v. 14, n. 2, p. 50-59, maio/ago. 2005.

FONSECA, D. F. Avessos de cidadania: um exercício analítico. Dissertação (Mestrado)__Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. Mesa-redonda de 20 de maio de 1978. In: MOTTA, M. B. da (Org.). Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense/Universitária, 2003. Coleção Ditos & Escritos, v. 4, p. 335-354.

GONZÁLES, Z. K.; GUARESCHI, N. M. F. Concepções sobre a categoria juventude: paradoxos e as produções nos modos de ser jovem. In: CRUZ, L. R.; GUARESCHI, N. (Org.). Políticas públicas e assistência social: diálogo com as práticas psicológicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 104-123.

GOUVÊA, M. C. S; JINZENJI, M. Y. Escolarizar para moralizar: discursos sobre a educabilidade da criança pobre (1820-1850). Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 31, p. 114-200, jan./abr. 2006.

KOHAN, W. O. Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LAZZAROTTO, G. D. R. Políticas Juvenis e Subjetividade: interfaces com a psicologia. In: LAZZAROTTO, G. D. R.; CRAYDI, C. M.; OLIVEIRA, M. M. (Org.). Processos educativos com adolescentes em conflito com a lei. Porto Alegre: Mediação, 2012. p. 157-167.

LAZZAROTTO, G. D. R. Medidas socioeducativas: cartas ao reinado do saber. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 19, n. 3, p. 503-514, jul./set. 2014.

MEDEIROS, L. G; LEMOS, F. C. S. A produção da “circulação de crianças”: entre capturas e nomadismos. Estudos e Pesquisa em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 933-947, 2011.

NASCIMENTO, M. L. Crianças e adolescentes marcados pela defesa dos direitos. Revista Ecopolítica, n. 8, p. 19-40, jan.-abr. 2014a. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2015.

NASCIMENTO, M. L. Pelos caminhos da judicialização: lei, denúncia e proteção no contemporâneo. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 19, n. 3, p. 459-467, jul./set. 2014b.

SCHÉRER, R. Infantis: Charles Fourier e a infância para aléns das crianças. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

VIDA de doze meninos no esgoto de Porto Alegre, A. Zero Hora, Porto Alegre, 1 maio 1993. Ano XXIX, n. 10114, Capa. Fotografia de Genaro Joner.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: