Andarilhos de estrada e acesso institucional: reflexões sobre estratégias de controle

Eurípedes Costa Nascimento, José Sterza Justo

Resumo


Os andarilhos de estrada percorrem longas distâncias a pé pelas rodovias do país e são praticamente esquecidos pelas instituições assistenciais. Esse artigo tem por finalidade apresentar as condições de acesso dos andarilhos a essas instituições e discutir sobre as estratégias de controle utilizadas por elas sob o fluxo da errância no contemporâneo. A pesquisa foi realizada em quatro instituições assistenciais no Estado de São Paulo através de um roteiro de entrevista semi-estruturado na qual participaram sete entrevistados. Os resultados indicaram que as formas de acesso dos andarilhos às instituições assistenciais acontecem de modo espontâneo ou pelas rondas de vigilância comandas pela polícia militar, guarda municipal e concessionárias de pedágios. Essas condições de acesso institucional são estratégias biopolíticas utilizadas pelo Estado que sob os efeitos da sanção normalizadora controla e distribui os andarilhos pelos espaços abertos das rodovias brasileiras.


Palavras-chave


Psicologia institucional; controle social; ajuda

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, M. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2001.

BRASIL. Ministério de Desenvolvimento Social. SUAS: Sistema Único de Assistência Social. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Assistência Social, 2007.

DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

EWALD, F. Foucault, a norma e o direito. Lisboa: Vega, 1993.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 1984.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. (Org.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. p. 231-249.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

JUSTO, J. S. Andarilhos e trecheiros: errância e nomadismos contemporâneos. Maringá, PR: Eduem, 2011.

JUSTO, J. S. Vidas errantes: políticas de mobilidade e experiências de tempo-espaço. Londrina: Eduel, 2012.

JUSTO, J. S.; NASCIMENTO, E. C. Road wanderers in Brazil: a study on modern psychosocial human mobility. International Journal of Sociology and Anthropology, v. 4, n. 5, p. 165-171, May 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

NASCIMENTO, E. C. Nomadismos contemporâneos: um estudo com errantes trecheiros. São Paulo: Unesp, 2008.

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S. Andarilhos de estrada e os serviços sociais de assistência. Psico-Usf, Itatiba, v. 19, n. 2, p. 253-263, maio/ago. 2014a. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S. Entidades filantrópicas e religiosidade na compreensão da errância no contemporâneo. Psicologia em Estudo, v. 19, n. 1, p. 59-69, 2014b. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S. Assistência social e práticas institucionais no atendimento a andarilhos de estrada. Estudos de Psicologia (Campinas), Campinas, v. 31, n. 4, p. 573-582, out.-dez. 2014c. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S. Andarilhos de estrada segundo os relatos de trabalhadores assistenciais. Psicologia & Sociedade, v. 27, n. 1, p. 221-230, abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

NASCIMENTO, E. C.; JUSTO, J. S.; FRANÇA, S. A. M. Errância e normalização social: um estudo sobre andarilhos de estrada. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 14, n. 4, p. 641-648, out.-dez, 2009.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2010.

VIEIRA, M. A. C.; BEZERRA, E, M. R.; ROSA, C. M. M. População de rua: quem é, como vive, como é vista. São Paulo: Hucitec, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: