A dança como política do encontro com pessoas e lugares

Ruth Torralba Ribeiro, Lidia Costa Larangeira, Laura Vainer de Albuquerque, Bruna Raquel Simões Gouvêa, Thaís Leitão Chilinque

Resumo


Este relato de pesquisa visa partilhar a experiência no projeto “Cartografias do Corpo na Cidade”, realizado pelo Núcleo de Pesquisa, Estudos e Encontros em Dança da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O Núcleo utiliza a cartografia como bússola metodológica para mapear experiências intensivas na cidade em que a dimensão vibrátil dos corpos é acionada. Neste artigo destacamos os processos de errância e ocupação afetiva na região portuária do Rio de Janeiro e a realização de proposições de dança em movimentos de resistência política no ano de 2016, como prática artística de re-existência. Ao investigar a fricção entre arte-e-vida, expandimos o entendimento do que pode a dança quando emerge do encontro com pessoas e lugares.


Palavras-chave


dança; cidade; política

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, M. Pessoas e lugares. Revista Pedras d’Água - a arte de estar com pessoas e lugares. Lisboa, 2010. Disponível em: . Acesso em: mar. 2016.

BARROS, R.; PASSOS, E. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: KASTRUP, V.; PASSOS, E.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto alegre: Sulina, 2009. p. 17-31.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 1996. v.1.

FABIÃO, E. The making of a body: Lygia Clark’s anthropophagic slobber. In: BUTLER, C. H. (Org.). Lygia Clark: the abandonment of art, 1948-1988. New York: The Museum of Modern Art, 2014. p. 294-299.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes. 1996.

JACQUES, P. Errâncias urbanas: a arte de andar pela cidade. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2005. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2016.

LEPECKI, A. Planos de composição. In: GREINER, C.; SANTO, C. E; SOBRAL, S. (Org.). Cartografia: Rumos Itaú Cultural Dança 2009-2010. São Paulo: Rumos Itaú Cultural, 2012. p. 13-22.

LEPECKI, A. Coreo-política e coreo-polícia. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 13, n. 1,2, p. 041-060, jan. 2013. CrossRef.

LEPECKI, A. Affective geometry, immanent acts: Lygia Clark and performance. In: BUTLER, C. H. (Org.). Lygia Clark: the abandonment of art, 1948-1988. New York: The Museum of Modern Art, 2014. p. 278-293.

NÚCLEO DE PESQUISA, ESTUDOS E ENCONTROS EM DANÇA. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2016.

OIDA, Y. O ator invisível. São Paulo: Via Lettera, 2007.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto alegre: Sulina, 2009.

PELBART, P. Elementos para uma cartografia da grupalidade. In: SAADI, F.; GARCIA, S. (Org.). Próximo ato: questões da teatralidade contemporânea. São Paulo: Itaú Cultural, 2008. p. 33-37. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2016.

PELBART, P. Por um corpo vivo: cartografias biopolíticas. Cad. saúde Ment, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 25-37, 2009. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2016.

PELBART, P. Pelbart: tudo o que muda com os secundaristas. Outraspalavras: comunicação compartilhada e pós-capitalismo, São Paulo, 13 maio 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2016.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

ROLNIK, S. Entrevista: Suely Rolnik. ReDOBRA: Plataforma Corpocidade, n. 8, 18 dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i2/2182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: