Por uma política do co-passionamento: comunidade e corporeidade no Modo Operativo AND

Fernanda Eugenio

Resumo


Através de uma conversa situada com a prática do commoning e as questões do comum e da comunidade, este texto procura re-visitar a trajetória de pesquisa e o campo de inquietações do Modo Operativo AND – uma investigação praticada e de aplicabilidade transversal, acerca das políticas da convivência e dos funcionamentos do Acontecimento, que venho desdobrando desde 2005 numa interlocução entre o fazer etnográfico e outros campos (em particular o da dança/performance e, mais recentemente, o da psicologia). Apresenta-se aqui, ainda, a mais nova ferramenta-conceito formulada no âmbito desta investigação – o co-passionamento – explorando as consequências que tomam (e fazem) corpo através da sua frequentação.


Palavras-chave


Modo Operativo AND; comum; comunidade

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. A comunidade que vem. Lisboa: Presença, 1993.

AGAMBEN, G. Nudez. Lisboa: Autêntica, 2014.

BARTHES, R. Como viver junto: simulações romanescas de alguns espaços cotidianos. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BATAILLE, G. A experiência interior. São Paulo: Ática, 1992.

BATESON, G. Metadiálogos. Lisboa: Gradiva, 1996.

BEY, H. Zona autônoma temporária. Porto Alegre: Deriva, 2006.

BLANCHOT, M. A comunidade inconfessável. Brasília: UNB, 2013.

BOURRIAUD, N. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

DELEUZE, G. Spinoza: philosophie pratique. Paris: Minuit, 1981.

DELEUZE, G. Post-scriptum às sociedades de controle. In: ______. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992. p. 219-226.

DELEUZE, G. O que as crianças dizem. In: ______. Critica e Clínica. Lisboa: Século XXI, 2000. p. 73-79.

DELEUZE, G. Causas e razões das ilhas desertas. In: ORLANDI, L. B. L. (Org.). A ilha deserta: e outros textos. Textos e entrevistas (1953-1974). São Paulo: Iluminuras, 2006. p. 17-22.

DELIGNY, F. O aracniano e outros textos. São Paulo: n-1, 2015.

DUENHA, M. L.; EUGENIO, F.; DINGER, A. Entre-modos: um jogo de re-perguntas à volta do Modo Operativo AND. Urdimento Revista de Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 27, p. 96-123, dez. 2016. doi.org/10.5965/1414573102272016096.

ESPÓSITO, R. Communitas. Buenos Aires: Amorrortu, 2007.

EUGENIO, F. Modus Operandi AND: Interview & Modus Operandi AND in 10 Positions. In: STEPHENS, A. C.; STOKER, G. A Sick Logic. Sheffield: Site Gallery, 2017.

EUGENIO, F. Manifesto AND: um outro mundo possível, a secalharidade. (Das relações entre a Etnografia Recíproca e a Filosofia do Acontecimento). 2010. Projeto (Pós-Doutorado)−Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa, Lisboa: 2010.

EUGENIO, F. Glossário AND. AND Mag, revista electrónica do AND Lab [online], Lisboa, 2012. Revisão e edição de Liliana Coutinho. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

EUGENIO, F.; FIADEIRO, J. Jogo das perguntas: o modo operativo AND e o viver juntos sem ideias. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 25, n. 2, p. 221-246, maio/ago. 2013. doi.org/10.1590/S1984-02922013000200002.

FOUCAULT, M. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: MOTTA, M. B. (Org.). Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. Coleção Ditos & Escritos, v. 5, p. 264-287.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HARNEY, S.; MOTEN, F. The undercommons: fugitive planning & Black studies. Nova Iorque: Minor Compositions, 2013.

HORGAN, M. Strangers and Strangership. Journal of Intercultural Studies, v. 33, n. 6, p. 607-622, Dec. 2012. doi.org/10.1080/07256868.2012.735110.

INGOLD, T. Lines. London: Routledge, 2007.

INGOLD, T. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 25-44, jan./jun. 2012. doi.org/10.1590/S0104-71832012000100002.

JULLIEN, F. Um sábio não tem ideia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

JULLIEN, F. De lo universal, de lo uniforme, de lo común y del diálogo entre las culturas. Madrid: Siruela, 2010.

LATOUR, B. Il n’y a pas de monde commum: il fault le composer. Multitudes, v. 45, n. 2, p. 38-41, 2011. doi.org/10.3917/mult.045.0038.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. In: ______. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify: 2003. p. 183-314.

NANCY, J.-L. La comunidad inoperante. Santiago de Chile: Arcis, 2000.

NANCY, J.-L. À escuta. Lisboa: Chão da Feira, 2014.

PÉLBART, P. P. A comunidade dos sem comunidade. In: ______. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003. p. 28-41.

PETCOU, C.; PETRESCU, D. Acting Spaces: transversal notes, on-the-ground observations and concrete questions for us all. Atelier d’Architecture Autogéreé, Paris, 2007. Disponível em: < http://www.urbantactics.org/documents/ActingSpace-CP&DP.pdf >. Acesso em: 12 mar. 2017.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Ed 34, 2005.

SLOTERDIJK, P. La mobilisation infinie: vers une critique de la cinétique politique. Paris: Christian Bourgois, 2000.

STAVRIDES, S. Common spaces: the city as commons. London: Zed Books, 2016.

TARDE, G. Monadologia e Sociologia e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

VIVEIROS DE CASTRO, E; ARAÚJO, R. B. Romeu e Julieta e a origem do Estado. In: VELHO, G. (Org.). Arte e Sociedade: Ensaios de Sociologia da Arte. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1977. p. 130-169.

WHITEHEAD, A. N. Objects and Subjects (1933). In: ______. Adventures of Ideas. Cambridge: Cambridge University Press, 1967.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i2/2333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: