Afetividade, território e vulnerabilidade na relação pessoa-ambiente: um olhar ético político

Maria Zelfa de Souza Feitosa, Lígia Cristina Azevedo Sousa, Antônio Fábio Coelho Paz, Elcides Hellen Ferreira Landim Barreto, Zulmira Áurea Cruz Bomfim

Resumo


Este artigo objetiva dialogar os conceitos território e vulnerabilidade, a partir da categoria afetividade, fundamentados na Psicologia Ambiental e na psicologia social de base psicossocial e histórico-cultural, ao buscar uma compreensão dialética da inter-relação pessoa-ambiente. Como eixo de observação, investigação e análise, a afetividade subsidia uma perspectiva ética de transformação social, em territórios vulneráveis, como fio condutor de estratégias de enfrentamento e proposição de políticas de proteção a populações submetidas às desigualdades. Indicamos algumas intervenções oriundas de reflexões teórico-práticas que possibilitam compreender os afetos como potencializadores dos sujeitos, pela implicação destes com territórios e coletividades, rumo a processos emancipatórios humanos.


Palavras-chave


psicologia ambiental; território; vulnerabilidade; afetividade

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, M.; et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO/BID, 2002.

ALENCAR, H. F.; BOMFIM, Z. A. C.; BARROCAS, R. L. L. Epistemologia ambiental na psicologia: pela emergência de um saber complexo. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DOS SETE SABERES, 2010, Fortaleza. Anais... Fortaleza: UECE, 2010. Disponível em: http://www.uece.br/setesaberes/anais/pdfs/trabalhos/1111-07082010-172645.pdf. Acesso em: 12 set. 2015.

ANTONI, C.; BARONE, L. R.; KOLLER, S. H. Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 23, n. 2, p. 125-132, abr./jun. 2007. doi: 10.1590/S0102-37722007000200002

ARAGONÉS, J. I.; AMÉRIGO, M. (Ed.). Psicología ambiental. Aspectos conceptuales y metodológicos. In: Psicología Ambiental. Madrid: Pirámide, 1998. p. 23-42.

BERNAL, C.; BONFIM, Z.; MUDO, E. Vulnerabilidade, violência e pobreza na região metropolitana de Fortaleza. In: COSTA, M. C. L.; DANTAS, E. W. C. (Org.). Vulnerabilidade socioambiental na região metropolitana de Fortaleza. Fortaleza: UFC, 2009. p. 245-271.

BOMFIM, Z. A. C. Protagonismo social da psicologia no campo da circulação humana. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: POLÍTICAS PÚBLICAS, PSICOLOGIA E PROTAGONISMO SOCIAL, 2., 2003, João Pessoa. Relatório... João Pessoa: CFP, 2003. Disponível em: https://site.cfp.org.br/publicacao/ii-seminrio-nacional-de-psicologia-e-polticas-pblicas. Acesso em: 12 nov. 2015.

BOMFIM, Z. A. C. Cidade e afetividade: estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e São Paulo. Fortaleza: UFC, 2010.

BOMFIM, Z. A. C. et al. Estima de lugar e indicadores afetivos: aportes da Psicologia Ambiental e Social para a compreensão da vulnerabilidade social juvenil em Fortaleza. In: COLAÇO, V. F. R.; CORDEIRO, A. C. F. (Org.). Adolescência e juventude: conhecer para proteger. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013. p. 317-341.

BOMFIM, Z. A. C. et al. Affective maps: validating a dialogue between qualitative and quantitative methods. In: MIRA, R. G.; DUMITRU, A. (Ed.). Urban Sustainability: innovative spaces, vulnerabilities and opportunities. Coruña: Institute of Psychosocial Studies and Research “Xoan Vicente Viqueira”, 2014. p. 131-148.

CASTRO, M. G.; ABRAMOVAY, M. Juventudes no Brasil: vulnerabilidades negativas e positivas, desafiando enfoques de políticas públicas. In: PETRINI, J. C.; CAVALCANTI, V. R. S. (Org.). Família, sociedade e subjetividade: uma perspectiva multidisciplinar. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 54-83.

CORRALIZA, J. A. Emoción y ambiente. In: ARAGONES, J. I.; AMÉRIGO, M. (Coord.). Psicología ambiental. Madrid: Pirâmide, 1998. p. 281-302.

FEITOSA, M. Z. S. Afetividade na residência integrada em saúde: o psicólogo no território de form“ação”. 2014. 206f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

GÓIS, C. W. L. Saúde comunitária: pensar e fazer. São Paulo: Hucitec, 2008.

GIULIANI, M. V. O lugar do apego nas relações pessoas-ambiente. In: TASSARA, E. T.; RABINOVICH, E. P.; GUEDES, M. C. (Ed.). Psicologia e ambiente. São Paulo: Educ, 2004. p. 89-106.

GÜNTHER, I. A.; GÜNTHER, H. Brasílias pobres, Brasílias ricas: perspectivas de futuro entre adolescentes. Psicologia: Reflexão Crítica, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 191-207, 1998. doi: 10.1590/S0102-79721998000200003

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HALL, E. T. A dimensão oculta. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1966.

HELLER, A. Teoria de los sentimientos. Tradução de Francisco Cuso. 3. ed. México: Distribuiciones Fontamara. 1993.

ITTELSON, W. H. et al. Homem Ambiental. Série Textos de Psicologia Ambiental, n. 14. Tradução de J. Q. Pinheiro. Brasília: UnB, Laboratório de Psicologia Ambiental, 2005. p. 1-9.

LANE, S. T. M. A Psicologia Social e uma nova concepção do homem para a Psicologia. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. (Org.). Psicologia social: o homem em movimento. 13. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 10-19.

MARADOLA JR., E.; HOGAN, D. J. As dimensões da vulnerabilidade. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 1, p. 33-43, jan./mar. 2006. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v20n01/v20n01_03.pdf. Acesso em: 23 set. 2015.

MARTINS, A. K. S. Mapas afetivos táteis: vivências urbanas não visuais na cidade de Fortaleza. 2015. 161f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

MOSER, G. Psicologia Ambiental. Estudos de Psicologia, Natal, v. 3, n. 1, p. 121-130, 1998. doi: 10.1590/S1413-294X1998000100008

PINHEIRO, J. Q.; GÜNTHER, H; GUZZO, R. S. L. Psicologia Ambiental: área emergente ou referencial para um futuro sustentável? In: GÜNTHER, H.; PINHEIRO, J. Q.; GUZZO, R. S. L. (Org.). Psicologia Ambiental: entendendo as relações do homem com seu ambiente. 3. ed. Campinas, SP: Alínea, 2014. p. 5-13.

POL, E. La apropiación del espacio. In: IÑIGUEZ, L.; POL, E. (Org.). Cognición, representación y apropiación del espacio. Barcelona: Universitat de Barcelona, 1996. p. 45-21.

PONTE, A. Q. Afetividade de idosos de vida religiosa consagrada e a moradia na casa de saúde: projetos de vida e processo de estabilização residencial. 2010. 125 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Departamento de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

PROSHANSKY, H. M.; FABIAN, A. K.; KAMINOFF, R. Place-identity: physical world socialization of the self. Journal of Environmental Psychology, v. 3, p. 57-83, 1983. doi: 10.1016/S0272-4944(83)80021-8

SANTOS, M. O dinheiro e o território. GEOgraphia, ano 1, nº 1, p. 7-13, 1999. Disponível em: http://www.geographia.uff.br/index.php/geographia/article/view/2/2. Acesso em: 23 set. 2015.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

SAWAIA, B. B. O calor do lugar, segregação urbana e identidade. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 20-24, 1995. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v09n02/v09n02_04.pdf. Acesso em: 18 set. 2015.

SAWAIA, B. B. Sílvia Lane. Rio de Janeiro: Imago, 2002.

SAWAIA, B. B. Fome de felicidade e liberdade. In: Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Ed.). Muitos lugares para aprender. São Paulo, SP: CENPEC/ Fundação Itaú Social/ Unicef, 2003. p. 53-63.

SAWAIA, B. B. (Org.). O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In: As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. 11 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. p. 99-119.

SPINOZA, B. Ética. Tradução de Tomaz Tadeu. 2. ed. 4. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo: DIFEL, 1983.

VALDIVIESSO, R. Contribuição para o conhecimento da territorialidade humana: o graffiti e o espaço territorial urbano. Dissertação (Mestrado)__Faculdade de Ciências, Universidade do Porto, Porto, 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/10216/64108. Acesso em: 25 out. 2015.

VÉRAS, M. P. B. Cidade, vulnerabilidade e território. Ponto e vírgula, n. 7, p. 32-48, 2010. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/pontoevirgula/article/view/13959/10282. Acesso em: 5 mar. 2015.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e Linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WISNER, B. Marginality and vulnerability: why the homeless of Tokyo don’t ‘count’ in disaster preparations. Applied Geography, v. 18, n. 1, p. 25-33, 1998. doi: 10.1016/S0143-6228(97)00043-X

ZANELLA, M. E.; DANTAS, E. W. C.; OLÍMPIO, J. L. S. A vulnerabilidade natural e ambiental do município de Fortaleza/CE. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 13-27, jul./dez. 2011. doi: https://doi.org/10.5216/bgg.v31i2.16842




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: