Um olhar sobre a “vivência” através do seu autor: Conceitos e traduções na obra de Vigotski

Daniel Luiz Poio Roberti

Resumo


Quase 80 anos depois da morte de Vigotski, o grande público de intelectuais do campo da psicologia e da pedagogia fica com a sensação de desconhecimento sobre o pensamento desse autor, muito em função dos problemas de tradução dos seus textos em russo para outras línguas. A parte das edições estrangeiras dessas obras aconteceu durante o período de disputa ideológica entre EUA e URSS; e, mesmo em seu país, a produção científica de Vigotski foi retaliada pelo governo de Joseph Stalin. Hoje em dia, ainda há textos desse pensador que não foram publicados em russo. O presente artigo se pauta por um recorte teórico dentro da extensa produção acadêmica de Lev Vigotski. Este ensaio pretende discutir os conceitos de “vivência” nas obras de Vigotski. A palavra “vivência” é uma tradução para a língua portuguesa do vocábulo perejivanie, do idioma russo. Vigotski, em seus textos, também utiliza a palavra opit (experiência, em português), mas com um sentido distinto. A pesquisa defende que o conceito de “vivência” contribui para que os estudiosos da educação interpretem toda ação humana como portadora de uma certa atividade criativa.


Palavras-chave


Vigotski; vivência; atividade criadora

Texto completo:

PDF HTML EPUB

Referências


CORSARO, William A. Sociologia da infância. São Paulo: Penso, 2011.

LEONTIEV, Alexis Nikolaevich (Org.). Slovar L. S. Vigotskogo. Moska: Smisl, 2007.

MINICK, Norris. Implications of Vygotsky’s theories for dynamic assessment. In: LIDZ, Carol S. (Ed.). Dynamic assessment: an interactional approach to evaluating learning potential. New York: Guilford, 1987. p. 116-140.

PRESTES, Zoia Ribeiro. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil – Repercussões no campo educacional. 2010. 295 f. Tese (Doutorado em Educação)–Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2010. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/9123. Acesso em: 12 dez. 2018.

PRESTES, Zoia Ribeiro. A sociologia da infância e a teoria histórico-cultural: algumas considerações. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 22, n. 49, p. 295-305, 2013.

TOMASELLO, Michael. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. Tradução de Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Pensamento e linguagem. Tradução de M. Resende. Lisboa: Antídoto, 1979.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VIGOTSKY, Lev Semionovitch. Psicologia da Arte. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Psicologia Pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. La crisis de los siete años. Madri: Machado Libros, 2006a. Obras Escogidas, t. 4, p. 11-40.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Introduccíon: los problemas fundamentales de la defectologia contemporánea. Madri: Machado Libros. 2006b. Obras Escogidas, t. 5, p. 377-386.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Imaginação e criação na infância. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática. 2009.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch.; LURIA, Alexander Romanovich. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

VINHA, Márcia Pileggi; WELCMAN, Max. Quarta aula: a questão do meio na pedologia, Lev Semionovich Vigotski. Psicol. USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010. CrossRef.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i1/5588

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: