Atividade de trabalho em um Sine: entre política partidária e política pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i3/5622

Palavras-chave:

Secretaria de Emprego e Renda, clínicas do trabalho, Ergologia, gênero profissional

Resumo

Este relato de experiência, calcada na perspectiva ergológica, apresenta questões que moveram uma intervenção em uma Secretaria de Trabalho, Emprego e Renda de um município do Espírito Santo e alguns dos efeitos observados entre os participantes deste trabalho. Procuramos demonstrar que a produção de um gênero profissional em serviço público se dá em uma tripla temporalidade: uma temporalidade caracterizada pela marcação cronológica do que se vive no aqui-e-agora, fortemente influenciada pela superação cotidiana das demandas do serviço; uma temporalidade dos acontecimentos sucessivos ao longo do tempo, como a sucessão de gestores do serviço; e uma temporalidade não cronológica e intermediária, constitutiva das regras partilhadas pelos trabalhadores, onde se conjugam os meios de se enfrentar as ambiguidades impostas pela intensidade dos tempos mais longos, e as impostas pelas demandas do dia a dia. A produção desse gênero profissional envolve diálogos e enfrentamentos constantes com outros gêneros que operam nesse tipo de serviço, em particular o gênero das relações político-partidárias. Uma intervenção nesse cenário requer a compreensão dessa complexidade de coletivos e histórias ali presentes, para que seus efeitos sejam mais efetivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Drumond Moraes, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES

Leciona na Universidade Federal do Espírito Santo onde atua como Professor Adjunto IV no Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento, na área de Psicologia do Trabalho e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2000), mestrado em Psicologia (na área de Estudos da Subjetividade) pela Universidade Federal Fluminense (2002), doutorado em Psicologia Social (na área de Psicologia de Trabalho e Organizacional) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008) e Pós-Doutorado no Instituto de Ergologia da Aix-Marseille Université, Aix-en-Provance, França. Possui experiência na área de Psicologia do Trabalho, mais especificamente em torno da investigação das relações entre Trabalho, Subjetividade e Saúde e na área de Formação Profissional. No campo da Saúde Pública, sua possui experiência no campo do planejamento, coordenação e avaliação de políticas públicas.

Iasmin Libalde Nascimento, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP/UFES) da Universidade Federal do Espírito Santo na linha de pesquisa Psicologia Social e Saúde. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2014), mestrado em Psicologia (na linha de pesquisa Psicologia Social e Saúde) pela Universidade Federal do Espírito Santo (2017). Possui experiência na área de Psicologia do Trabalho, mais especificamente em torno da investigação das relações entre Trabalho, Subjetividade e Saúde.

Referências

BENDASSOLLI, Pedro F.; SOBOLL, Lis Andrea P. (Org.). Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. In: ______. Clínicas do Trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 3-21.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

CLOT, Yves. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: FabreFactum, 2010.

DANIELLOU, François; BÉGUIN, Pascal. Metodologia da ação ergonômica: abordagens do trabalho real. In: FALZON, Pierre (Org.). Ergonomia. São Paulo: Blucher, 2007. p. 281-301.

DEJOURS, Christophe. Trabalho vivo. Brasília: Paralelo 15, 2012.

DOPPLER, Françoise. Trabalho e saúde. In: FALZON, Pierre (Org.). Ergonomia. São Paulo: Blucher, 2007. p. 47-58.

FALZON, Pierre (Org.). Ergonomia. São Paulo: Edgar Blucher, 2007.

NEVES, Mary Yale Rodrigues et al. Ação-formação: uma leitura das contribuições da Ergonomia da Atividade. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 30, n. 2, p. 112-120, 2018. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5872

SATO, Leny. Prevenção de agravos à saúde do trabalhador: replanejando o trabalho através das negociações cotidianas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1147-1166, 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000500002

SCHWARTZ, Yves. Circulações, dramáticas, eficácias da atividade industriosa. Trabalho, educação e saúde, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 33-55, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462004000100004

SCHWARTZ, Yves. Produzir saberes entre aderência e desaderência. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 13, n. 3, p. 264-273, 2009.

SCHWARTZ, Yves; DURRIVE, Louis (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: Eduff, 2010.

ZARIFIAN, Philippe. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2011.

Downloads

Publicado

2019-10-31

Como Citar

Moraes, T. D., & Nascimento, I. L. (2019). Atividade de trabalho em um Sine: entre política partidária e política pública. Fractal: Revista De Psicologia, 31(3), 292-297. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i3/5622

Edição

Seção

Artigos