CAPS, ateliês e oficinas: artes no mundo, mundos na arte

Flávia de Macedo Cavallini

Resumo


O artigo propõe-se a analisar de que maneira o encontro da arte com a clínica, sob o viés das oficinas, propostas durante a reforma psiquiátrica, pode constituir-se numa potência, em possibilidades de encontro, na medida em que se afasta de atitudes manicomiais que ainda fazem parte do percurso da saúde mental no Brasil. Pretende evidenciar, por conseguinte, a lógica da clínica ampliada e da redução de danos como bases da atenção psicossocial, tomando como partida o relato da própria experiência institucional enquanto artista plástica de um centro de atenção psicossocial para cuidados relacionados ao uso de álcool e outras drogas. Visibiliza, para este fim, o processo de criação audiovisual colaborativo construído e vivenciado pelos participantes das oficinas de artes, que é atravessado por questões relacionadas à saúde, doença, uso de drogas, redução de danos e liberdade; a produção artística coletiva é conduzida de maneira a ganhar uma dimensão ética e política, assim como o cuidado de si recebe um contorno estético que ultrapassa previsibilidades morais e punitivas.


Palavras-chave


arte; oficinas; álcool e outras drogas

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, Paulo. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

AMARANTE, Paulo. Queremos diminuir a apropriação que a medicina faz da vida cotidiana. RADIS - Fiocruz, Rio de Janeiro, n. 146, p. 14-17, nov./2014. Disponível em: https://radis.ensp.fiocruz.br/phocadownload/revista/Radis146_web.pdf. Acesso em: 12 out. 2018.

BASBAUM, Ricardo. Manual do artista-etc. Rio de Janeiro: Azougue, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. Portaria nº 189, de 19 de novembro de 1991. Aprova a inclusão de grupos e procedimentos da tabela do SIH-SUS, na área de saúde mental (Hospitais Psiquiátricos). Brasília: MS, 1991.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em Saúde Mental. Brasília, MS: 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. Brasília, MS: 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília, MS: 2004a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. SVS/CN-DST/AIDS. A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas. 2. ed. Brasília, MS: 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2. ed. Brasília, MS: 2008.

BRASIL. Decreto-Lei nº 7.637, de 11 de dezembro de 2011. Altera o Decreto nº 7.179, de 20 de maio de 2010, que institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7637.htm. Acesso em: 20 fev. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 854, de 22 de agosto de 2012. Altera a Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2012/prt0854_22_08_2012.html. Acesso em: 20 fev. 2015.

CASTAÑEDA Carlos. A Erva do Diabo, 2. ed. São Paulo: Edibolso, 1976.

DELEUZE, Gilles. A ilha deserta. São Paulo: Iluminuras, 2008.

FOUCAULT, Michel. A Hermenêutica do sujeito. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2012.

LINS, Daniel. O último copo: álcool, literatura, poesia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 2013.

MACHADO, Leila Domingues. Ética. In: BARROS, Maria Elizabeth Barros (Org). Psicologia: questões contemporâneas. Vitória: Edufes, 1999. p. 211-229.

NIETZSCHE. Friedrich. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

O SÉTIMO SELO. Direção de Ingmar Bergman, 1957, DVD (96 min), NTSC, p&b.

RAUTER, Cristina. Oficinas para quê? Uma proposta ético-estético-política para oficinas terapêuticas. In: AMARANTE, P. (Org.). Ensaios: Subjetividade, saúde mental, sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000. p. 267-277.

WASEIM, Marcelo Simon. Processos colaborativos, contaminações e jogos de alteridade em arte pública: experiências na criação de uma rádio comunitária. 2008. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5671

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: