Acessibilidade no ensino superior: percepções de funcionários com deficiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/2022/v34/5843

Palavras-chave:

acessibilidade, empregabilidade, ensino superior, deficiência, psicologia histórico-cultural

Resumo

O presente estudo teve por objetivo verificar as condições de acessibilidade de uma instituição pública de ensino superior, localizada no Paraná, a partir da percepção de funcionários com deficiência. Participaram da pesquisa sete funcionários da respectiva instituição que se declararam com deficiência. Para a coleta de dados foi utilizado um roteiro de entrevista semiestruturado. Os dados foram trabalhados mediante análise de conteúdo e discutidos a partir de autores que teorizam sobre a temática ou que se vinculam à Teoria Histórico-Cultural. Os resultados mostraram que, na percepção dos participantes, a instituição ainda se apresenta com muitas barreiras quanto à acessibilidade; todavia, segundo eles, esta tem procurado eliminá-las, sobretudo as que se relacionam à arquitetônica, realizando adaptações e construções como rampas, vagas de estacionamento, banheiros adaptados, entre outros. Concluímos que há necessidade de aprimoramento da política de acessibilidade na instituição e de um acompanhamento efetivo dos funcionários, de acordo com suas necessidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Siltrão Bacarin, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (2014). Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia (Linha de pesquisa: Desenvolvimento Humano e Processos Educativos), da Universidade Estadual de Maringá (2015-2017).

Nilza Sanches Tessaro Leonardo, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Estadual de Maringá (1988), mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2001) e doutorado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2004). Pós-doutorado no Programa de pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia. Atualmente é professora do departamento de Psicologia da UEM e do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UEM - Mestrado e Doutorado; Professora do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas - Mestrado Profissional. Diretora Adjunta do Centro de Ciências Humana e Letras e Artes - CCH - da UEM.Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Escolar, autora de livros, capítulos de livros e artigos científicos na área de Psicologia e Educação E-mail: nstessaro@uem.br. ORCID iD 0000-0002-1692-9581

Referências

ARANHA, Maria Salete Fábio. Paradigmas da relação entre a sociedade e as pessoas com deficiência. In: Revista do Ministério Público do Trabalho / Procuradoria Geral do Trabalho. Brasília, ano XI, n. 21, p. 160-173, mar. 2001. Disponível em: http://www.anpt.org.br/attachments/article/2732/Revista%20MPT%20-%20Edi%C3%A7%C3%A3o%2021.pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

BARROCO, Sonia Mari Shima. A educação especial do novo homem soviético e a psicologia de L. S. Vigotski: implicações e contribuições para a psicologia e a educação atuais. 2007. 414 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, SP, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 13.146, de 6 julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 5 jul. 2016.

BUENO, Carmem Leite Ribeiro; PAULA, Ana Rita de. Acessibilidade no mundo do trabalho. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. “ACESSIBILIDADE: VOCÊ TAMBÉM TEM COMPROMISSO”, I, 2006, Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência - CONADE. Anais... Brasília, 2006. Disponível em: http://www.ampid.org.br/ampid/Docs_PD/subsidios_para_conferencistas.html. Acesso em: 1 jun. 2016.

CABRAL FILHO, Adilson Vaz; FERREIRA, Gildete. Movimentos sociais e o protagonismo das pessoas com deficiência. SER Social, Brasília, v. 15, n. 32, p. 93-116, 2013. https://doi.org/10.26512/ser_social.v15i32.13036

CARVALHO, Alfredo Roberto de. Inclusão social e as pessoas com deficiência: uma análise na perspectiva crítica. 2009. 180 f. Dissertação (Mestrado em Sociedade, Estado e Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Parana, Cascavel, 2009.

CARVALHO, Alfredo Roberto de; ROCHA, Jomar Vieira da; SILVA, Vera Lúcia Ruiz Rodrigues da. Pessoa com deficiência na História: modelos de tratamento e compreensão. In: CARVALHO, Alfredo Roberto de et al. (Org.). A pessoa com deficiência: aspectos teóricos e práticos. Programa Institucional de Ações Relativas às Pessoas com Necessidades Especiais – PEE. Cascavel: EDUNIOESTE, 2013.

CARVALHO, Saulo Rodrigues de; MARTINS, Lígia Márcia. A sociedade capitalista e a inclusão/exclusão. In: FACCI, Marilda Gonçalves Dias; MEIRA, Marisa Eugênia Melillo; TULESKI, Silvana Calvo. A exclusão dos “incluídos”: uma crítica da psicologia da educação à patologização e medicalização dos processos educativos. 2. ed. Maringá: Eduem, 2012.

CIANTELLI, Ana Paula Camillo; LEITE, Lúcia Pereira; NUERNBERG, Adriano Henrique. Atuação do psicólogo nos “núcleos de acessibilidade” das universidades federais brasileiras. Psicologia Escolar e Educacional [online], São Paulo, v. 21, n. 2, 2017. https://doi.org/10.1590/2175-3539201702121119

DALAROSA, Adair Ângelo. Globalização, neoliberalismo e a questão da transversalidade. In: LOMBARDI, José Claudinei (Org.). Globalização, pós-modernidade e educação: história, filosofia e temas transversais. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2009. v. 1, p. 197-217.

KRANZ, Claudia Rosana. Os jogos com regras na perspectiva do desenho universal: contribuições à educação matemática inclusiva. 2014. 290 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, 2014.

KUENZER, Acacia. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, José Claudinei; SAVIANI, Dermeval; SANFELICE, José Luís (Org.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2005. p. 77-96.

MELO, Douglas Christian Ferrari de; SILVA, João Henrique da. Trajetórias escolares de pessoas com deficiências na educação básica: qual lugar da Educação Especial? Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 15, n. esp. 1, p. 948-965, maio 2020. https://doi.org/10.21723/riaee.v15iesp.1.13510

OLIVEIRA, Elaine Teresa Gomes de. Acessibilidade na Universidade Estadual de Londrina: o ponto de vista do estudante com deficiência. 2003. 168 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília, SP, 2003. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/91252. Acesso em: mar. 3014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos. Acesso em: 12 dez. 2020.

RUIVO, Tânia Mara. Políticas institucionais de acessibilidade da pessoa com deficiência física: desafios e experiências em Instituição de Educação Superior. 2010. 119 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, SC, 2010.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), 2009. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319. Acesso em: 1 jun. 2016.

TANAKA, Eliza Dieko Oshiro; MANZINI, Eduardo José. O que os empregadores pensam sobre o trabalho da pessoa com deficiência? Revista Brasileira de Educação Especial [online], v. 11, n. 2, p. 273-294, 2005. https://doi.org/10.1590/S1413-65382005000200008

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores (1931). Havana: Científico Técnica, 1995. Obras Escogidas. Tomo III.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Fundamentos de defectología. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1997. Obras Escogidas. Tomo V.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Tradução de Denise Regina Saler, Marta Kohl de Oliveira e Priscila Nascimento Marques. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 861-870, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v37n4/a12v37n4.pdf. Acesso em: 5 jan. 2017.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch; LURIA, Alexander Romanovich. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

ZANETTI, Patricia da Silva. Uma análise das políticas educacionais para as pessoas com deficiência visual no Estado do Paraná. 2017. 258 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Oeste do Paraná, Cascavel, PR, 2017.

Downloads

Publicado

2022-06-24

Como Citar

BACARIN, A. P. S.; LEONARDO, N. S. T. Acessibilidade no ensino superior: percepções de funcionários com deficiência. Fractal: Revista de Psicologia, v. 34, p. Publicado em 24/06/2022, 24 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)