O princípio da autoconfrontação na abordagem da Clínica da Atividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5865

Palavras-chave:

autoconfrontação, métodos em Psicologia do Trabalho, Clínica da Atividade

Resumo

Na busca por instrumentos teórico-metodológicos compatíveis com a adoção do ponto de vista da atividade em pesquisa e intervenção no trabalho, discute-se o princípio da autoconfrontação como método indireto na abordagem da Clínica da Atividade visando a favorecer o desenvolvimento do poder de agir dos sujeitos e coletivos sobre si e sobre o meio de trabalho. Ressaltam-se as potencialidades do método em propiciar uma experiência formadora e impulsionar o desenvolvimento dos sujeitos em termos de ampliação de sua capacidade de agir, assim como o limite em relação à proposta de transformação das situações de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcello Santos Rezende, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ

Psicólogo do Trabalho da Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ. Doutorado em Psicologia Social/ Psicologia do Trabalho & Organizacional pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui mestrado em Saúde Pública/Saúde do Trabalhador pela Fundação Oswaldo Cruz (2007) e graduação em Psicologia pela UERJ (2004). Atua com os seguintes temas: Psicologia do Trabalho & Organizacional, Saúde do Trabalhador, Clínicas do Trabalho, Ergologia, Trabalho e Processos de Subjetivação

Cirlene de Souza Christo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

É professora no Departamento de Psicologia Social do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui graduação em Psicologia, mestrado e doutorado em Psicologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, com período de estágio no Atelier de Psicologia do Trabalho do Centro de Psicologia da Universidade do Porto / Portugal. Sua produção científica e atividades de ensino, pesquisa e extensão privilegiam os temas da Psicologia do Trabalho e da Saúde do Trabalhador, fazendo uso, em uma perspectiva ergológica, dos referenciais teórico-metodológicos da Ergonomia da Atividade, Clínica da Atividade e Psicodinâmica do Trabalho. Integra o grupo de pesquisa CNPq Ciência, Cuidado e Saúde na linha "Saúde e trabalho no setor público: estudos a partir das clínicas do trabalho".

Referências

ATHAYDE, M.; REZENDE, M. S. Atividade. In: BENDASSOLI, P. F.; BORGES-ANDRADE, J. E. (Org.). Dicionário de psicologia organizacional e do trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015. p. 101-108.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BÉGUIN, P. Arqueología del conocimiento: acerca de la evolución del concepto de actividad. Laboreal, Paris, v. 2, n. 1, p. 55-61, 2006. Disponível em: <http://laboreal.up.pt/files/articles/2006_07/es/55-61es.pdf>. Acesso em: 30 out. 2016.

BRITO. J. C. Trabalho prescrito e trabalho real. In: PEREIRA, I. B.; LIMA, J. C. F. (Org.). Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006. p. 288-294.

CHRISTO, C. Análise da atividade de supervisão do trabalho: um olhar psico-social para o gerenciamento na indústria. 2013. Tese (Doutorado)__Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CLOT Y. Ivar Oddone: les instruments de l’action. Les territoires du travail, n. 3, p. 43-52, 1999.

CLOT Y. Editorial. Education Permanente, v. 146, n. 1, p. 7-16, 2001.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010.

CLOT, Y.; FAÏTA, D. Genres et styles en analyse du travail: concepts et méthodes. Travailler, n. 4, p. 7-42, 2000. Disponível em: <http://psychanalyse.cnam.fr/medias/fichier/texteclot4_1306851012723.pdf>. Acesso em: 12 set. 2010.

CLOT, Y.; LEPLAT, J. La méthode clinique en ergonomie et en psychologie du travail. Le Travail Humain, v. 68, n. 4, p. 289-316, 2005.

DANIELLOU, F.; LAVILLE, A.; TEIGER, C. Ficção e realidade do trabalho operário. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 17, n. 68, p. 7-13, 1989.

DEJOURS, C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

FAÏTA, D. Análise dialógica da atividade profissional. Rio de Janeiro: Imprinta Express, 2005.

FAÏTA, D.; MAGGI, B. (Org.). Un débat en analyse du travail: deux méthodes em synergie dans l’étude d’une situation d’enseignement. Toulouse: Octarès, 2007.

FAÏTA, D. A linguagem como atividade. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho & Ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: EDUFF, 2010. p. 165-186.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

ODDONE, I.; RE, A.; BRIANTE, G. Redécouvrir l’expérience ouvrière: vers une autre psychologie du travail? Paris: Messidor, 1981.

PÉLEGRIN, B. Sur l’autoconfrontation: vous avez dit « croisé »? Ergologia, n. 5, p. 107-145, 2011.

PINSKY L.; THEUREAU J. Activité cognitive et action dans le travail: éléments et événements du travail infirmier. Paris: CNAM, 1982. Collection de Physiologie du travail et ergonomie, v. 73.

RABARDEL, P.; GOUÉDARD C. Pouvoir d’agir et capacités d’agir: une perspective méthodologique? Pistes, v. 14, n. 2, 2012.

ROSEMBERG, D. S.; RONCHI FILHO, J.; BARROS, M. E. B. de. (Org.). Trabalho docente e poder de agir: clínica da atividade, devires e análises. Vitória: EDUFES, 2011.

SANTORUM, K. et al. Análise coletiva da atividade de vigilância em saúde do trabalhador: a autoconfrontação cruzada como dispositivo de formação. Revista Reflexão e Ação, Rio Grande do Sul, v. 16, n. 2, p. 77-96, 2008. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/697/517>. Acesso em: 13 ago. 2015.

SCHWARTZ, Y. Um bref aperçu de l´histoire culturesse du concept d´activité. Activités, v. 4, n. 2, p. 122-133, 2007.

SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. Trabalho e Ergologia. Niterói: EDUFF, 2010.

SILVA, C. O. Pesquisa e intervenção em clínica da atividade: a análise do trabalho em movimento. In: BENDASSOLLI, P. F.; SOBOLL, L. A. P. (Org.). Métodos de pesquisa e intervenção em psicologia do trabalho: clínicas do trabalho. São Paulo: Atlas, 2014. p. 81-99

SILVA, C. O.; SOUTO, A. P.; MEMÓRIA-LIMA, K. M. N. A pesquisa-intervenção em Psicologia do Trabalho em um aporte que toma o desenvolvimento como método e objeto. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 27, n. 1, p. 12-15, abr. 2015. doi: 10.1590/1984-0292/1338

TEIGER, C.; LACOMBLEZ, M. L’ergonomie et la trans-formation du travail et/ou des personnes: permanences et évolutions (2. De 1980 à nos jours). Education Permanente, n. 166, p. 9-28, 2006.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente (1925). São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VIGOTSKI, L. S. Teoria e método em psicologia (1927). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem (1934). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

Rezende, M. S., & Christo, C. de S. (2018). O princípio da autoconfrontação na abordagem da Clínica da Atividade. Fractal: Revista De Psicologia, 30(2), 131-136. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5865

Edição

Seção

Dossiê Psicologia, modos de vida e trabalho: mobilizando um patrimônio de conceitos e autores