Reflexões sobre a dinâmica psíquica de trabalhadores afastados do trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5866

Palavras-chave:

trabalho, adoecimento, dinâmica psíquica, psicodinâmica do trabalho

Resumo

A partir da Psicodinâmica do Trabalho, reflete-se sobre a dinâmica psíquica de trabalhadores afastados do emprego por doença surgida e/ou agravada no trabalho. Entre os conceitos desta abordagem que contribuem para a compreensão do fenômeno destacam-se: trabalho e sua relação com a subjetividade, sofrimento, coletivo, e reflexões sobre relações entre rupturas involuntárias da atividade profissional e adoecimento. Aponta-se a urgência da investigação: da relação de modelos gestionários com as formas de adoecimento e afastamento do emprego; da problemática da reabilitação profissional; e das possiblidades de utilização da metodologia desta abordagem para grupos de profissionais oriundos de distintos meios de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo César Zambroni-de-Souza, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB

Professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, nos âmbitos do curso de Graduação em Psicologia e no Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-graduação em Psicologia Social. É graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1997), sob a orientação da Profª Maria Luíza Lo Presti Seminério, doutor em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2006), orientado pelo Prof. Milton Atahyde. Realizou Estágio de Doutorado no Département / Institut d'Ergologie - Analyse Pluridisciplinaire de Situations de Travail da Université de Provence / Aix Marseille Université, França (2005) com o professor Yves Schwartz com bolsa da CAPES. Atua na área de Psicologia do Trabalho e Organizacional, principalmente com os seguintes temas: saúde mental e trabalho, saúde / doença / afastamento do trabalho, assédio moral no trabalho, gestão no trabalho. Realizou Pós-doutorado no Conservatoire National des Arts et Métiers (CNAM - Paris) sob a supervisão do Prof. Christophe Dejours com bolsa do CNPq.

Thiago Drumond Moraes, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES

Leciona na Universidade Federal do Espírito Santo onde atua como Professor Adjunto IV no Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento, na área de Psicologia do Trabalho e no Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2000), mestrado em Psicologia (na área de Estudos da Subjetividade) pela Universidade Federal Fluminense (2002), doutorado em Psicologia Social (na área de Psicologia de Trabalho e Organizacional) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008) e Pós-Doutorado no Instituto de Ergologia da Aix-Marseille Université, Aix-en-Provance, França. Possui experiência na área de Psicologia do Trabalho, mais especificamente em torno da investigação das relações entre Trabalho, Subjetividade e Saúde e na área de Formação Profissional. No campo da Saúde Pública, sua possui experiência no campo do planejamento, coordenação e avaliação de políticas públicas.

Referências

ÁLVARO, J. L. Desempleo y bienestar psicológico. Madrid: Siglo XXI de España, 1992.

BAGALHO, J. O. Sofrimento e prazer: uma análise psicodinâmica do trabalho prisional. 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia)– Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3116. Acesso em: 11 dez. 2017.

BILLIARD, I. Santé mentale et travail: l’emergence de la psychopathologie du travail. Paris: La Dispute/SNEDIT, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas em Saúde. Lesões por esforços repetitivos (LER). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ler_dort.pdf. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Portal Brasil. Lesão por esforço repetitivo (LER). 2012. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2012/04/lesao-por-esforco-repetitivo-ler. Acesso em: 6 fev. 2016.

BRASIL. Ministério da Previdência Social. Reabilitação profissional. 2013. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/servicos-ao-cidadao/informacoes-gerais/reabilitacao-profissional/. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria de Previdência, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência. Anuário Estatístico da Previdência Social, v. 24. 2015. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2015/08/AEPS-2015-FINAL.pdf. Acesso em: 3 abr. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. 2017a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm. Acesso em: 11 dez. 2017.

BRASIL. Portal Brasil. Dor nas costas é a maior causa de afastamento do trabalho. 2017b. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2017/04/dor-nas-costas-e-a-maior-causa-de-afastamento-do-trabalho. Acesso em: 24 mai. 2017.

BRITO, J.; ATHAYDE, M. Trabalho, educação e saúde: o ponto de vista enigmático da atividade. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro , v. 1, n. 2, p. 239-265, set. 2003. doi: 10.1590/S1981-77462003000200005

BRITO, J.; ATHAYDE, M.; NEVES, M. Y. (Ed.). Cadernos de textos. Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas. João Pessoa: UFPB, 2003.

BRITO, J. et al. (Ed). Cadernos de relatos de experiências. Programa de Formação em Saúde, Gênero e Trabalho nas Escolas. João Pessoa: UFPB, 2003.

CAVALCANTI, T.; ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C.; UCHÔA-DE-MEDEIROS, N. M. Programa de Saúde do Trabalhador do Hospital Universitário Lauro Wanderley (PROSAT/HULW/UFPB). João Pessoa: UFPB 2013.

DEJOURS, C. Travail,usure mentale: essay de psychopathologie du travail. Paris: Bayard, 1980.

DEJOURS, C. Réactions psychopathologiques aux ruptures involontaires d’activité professionnelle (retraite, licenciement, maladie, reclassement). Psychologie médicale, v. 15, n. 11, p. 1875-1880, 1983.

DEJOURS, C. (Ed). Plaisir et souffrance dans le travail. Paris: AOCIPed, 1988.

DEJOURS , C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez/Oboré, 1992.

DEJOURS, C. Uma nova visão do sofrimento nas organizações. In: CHANLAT, J.-F. (Ed.). O indivíduo na organização. São Paulo: Atlas, 1996. p. 150-173.

DEJOURS , C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

DEJOURS, C. Addendum: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004a. p. 47-104.

DEJOURS, C. As relações domésticas: entre amor e dominação. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004b. p. 317-336.

DEJOURS, C. A metodologia em psicopatologia do trabalho. In: LANCMAN, S.; SNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004c. p. 105-126.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

DEJOURS, C. Entre o desespero e a esperança: como reencantar o trabalho. Revista CULT, São Paulo, v. 139, n. 12, p. 49-53, 2009. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/reencantar-o-trabalho/. Acesso em: 24 maio 2017.

DEJOURS, C. La panne: repenser le travail et changer la vie. Montrouge: Bayard, 2012a.

DEJOURS, C. Souffrance au travail, enjeux et politique de santé publique. In: TÉLÉCOM-ORANGE, C. F.; DEJOURS, C. (Ed.). Souffrance au travail: regards croisés sur des cas contrets - comprendre, prévenir, agir. Lyon: Chronique Sociale, 2012b. p. 13-26.

DEJOURS, C. Trabalho vivo. Brasília: Paralelo 15, 2012c.

DEJOURS, C. A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, v. 33, n. 2, p. 9-28, 2013. Disponível em: http://docplayer.com.br/24920304-A-sublimacao-entre-sofrimento-e-prazer-no-trabalho-1.html. Acesso em: 23 maio 2017.

DEJOURS, C. Travail, usure mentale: essay de psychopathologie du travail. Nouvelle édition augmentée. Montrouge: Bayard, 2015a.

DEJOURS, C. Le choix, souffrir au travail n’est pas une fatalité. Montrouge: Bayard, 2015b.

DEJOURS, C.; GERNET, I. Psychopathologie du travail. Issy-les-Moulineaux: Paris: Elsevier Masson, 2012.

DEJOURS, C.; MOLINIER, P. O trabalho como enigma. In: LANCMAN, S.; SNELWAR, L. I. (Ed.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004. p. 127-139.

DELFINO, L. G. Da boleia à previdência social: sentidos do afastamento do trabalho para caminhoneiros de rota longa. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia)–Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3105. Acesso em: 24 maio 2017.

DRUMOND, T. et al. Estratégias de defesa em constituição: entre a virilidade e a solidariedade. In: ZANOTELLI, C.; RAIZER, E. C. (Ed.). Violência e contemporaneidade: dimensões das pesquisas e impactos sociais. Vitória: Grafita, 2007. p. 189-205.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgar Blücher, 2012.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007. doi: 10.1590/S0100-15742007000300005

INTERNATIONAL LABOR ORGANIZATION. The prevention of occupational diseases. Geneva: ILO, 2013.

LACAZ, F. A. C. O campo Saúde do Trabalhador: resgatando conhecimentos e práticas sobre as relações trabalho-saúde. Cad. Saúde Pública, v. 23, n. 4, p. 757-766, 2007. doi: 10.1590/S0102-311X2007000400003

LACAZ, F. A. C. Continuam a adoecer e morrer os trabalhadores: as relações, entraves e desafios para o campo Saúde do Trabalhador. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 41, n. 13, p. 1-11, 2016. doi: 10.1590/2317-6369000120415

LE GUILLANT, L. (Ed). Quelle Psychiatrie pour notre temps? Travaux et écrits de Louis Le Guillant. Toulouse: Erèsed, 1984.

MENDES, R.; DIAS, E. C. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Revista de Saúde Pública, v. 25, n. 5, p. 341-349, 1991. doi: 10.1590/S0034-89101991000500003

MODZELESKI, A. Brasil fecha 1,5 mi de vagas com carteira em 2015, pior resultado desde 92. Uol Economia, Brasília, 21 jan. 2016. Disponível em: https://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2016/01/21/brasil-fecha-1542371-vagas-com-carteira-assinada-em-2015.htm. Acesso em: 21 maio 2017.

OLIVEIRA-DE-SOUTO, C. H. A relação sofrimento/prazer dos empresários do setor de seguros no exercício da sua atividade profissional. 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia)– Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017. Disponível em: http://tede.biblioteca.ufpb.br:8080/handle/tede/9125. Acesso em: 24 maio 2017.

OLIVEIRA, J. L.; MENDES, A. M. Sofrimento psíquico e estratégias defensivas utilizadas por desempregados: contribuições da psicodinâmica do trabalho. Temas em Psicologia, v. 22, n. 2, p. 389-399, 2014. doi: 10.9788/TP2014.2-10

PEZÉ, M. Ils ne mouraient pas tous mais tous étaient frappés. Paris: Pearson Éducation France, 2008.

RAMOS JÚNIOR, W. Reabilitação profissional realizada pelo INSS e a volta do trabalhador com baixa instrução para o mercado de trabalho. SaberaLei, São Paulo, 19 mar. 2016. Disponível em: http://saberalei.com.br/reabilitacao-profissional-realizada-pelo-inss/. Acesso em: 24 mai. 2017.

SALIM, C. A. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo em Perspectiva, v. 17, n. 1, p. 11-24, jan./mar. 2003. doi: 10.1590/S0102-88392003000100003

SANCHES, E. N. et al. Organização do trabalho, sintomatologia dolorosa e significado de ser portador de LER/DORT. Psicol. Argum., v. 28, n. 63, p. 313-324, 2010. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/pa?dd1=3933&dd99=view&dd98=pb. Acesso em: 23 maio 2017.

SANTOS, J. O. A. Compreendendo o papel da cooperação nos casos de afastamento do trabalho por motivo de doença. 2017. Dissertação (Mestrado)– Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2017.

SCHWEITZER, S. Les femmes ont toujours travaillé: une histoire du travail des femmes aux XIXe et XXe siècles. Paris: Odile Jacob, 2002.

SELIGMANN-SILVA, E. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, E. F.; OLIVEIRA, K. K.; ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. Saúde mental do trabalhador: o assédio moral praticado contra trabalhadores com LER/DORT. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 36, n. 123, p. 56-70, jan./jun. 2011. doi: 10.1590/S0303-76572011000100006

SIVADON, P. Psycho-pathologie du Travail. L’Evolution Psychiatrique, v. 3, p. 441-444, 1952.

THURIK, R. et al. ADHD Symptoms and Entrepreneurial Orientation of Small Firm Owners. Applied Psychology: an international review, v. 65, n. 3, p. 568-586, jul. 2016. doi: 10.1111/apps.12062

TOLDRÁ, R. C. et al. Facilitadores e barreiras para o retorno ao trabalho: a experiência de trabalhadores atendidos em um Centro de Referência em Saúde do Trabalhador - SP, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 35, n. 121, p. 10-22, jan./jun. 2010. doi: 10.1590/S0303-76572010000100003

VIDAL, D. Les bonnes de Rio: emploi domestique et société démocratique au Brésil. Villeneuve d’Ascq: Presses universitaires du Septentrion, 2007.

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. O trabalho como possível: o caso das pessoas com “transtornos mentais graves”. 2006. Tese (Doutorado em Psicologia)__Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006a.

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. Trabalhando com saúde: trabalho e transtornos mentais graves. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 1, p. 175-183, jan./abr. 2006b. doi: 10.1590/S1413-73722006000100020

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C.; ATHAYDE, M. A. A contribuição da abordagem clínica de Louis Le Guillant para o desenvolvimento da Psicologia do Trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 6-19, jun. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812006000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 24 maio 2017.

ZAMBRONI-DE-SOUZA, P. C. et al. O pioneirismo de Louis Le Guillant na reforma psiquiátrica e psicoterapia institucional na França: a importância do trabalho dos pacientes para a abertura dos hospícios. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 612-631, jan./dez. 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812009000300005. Acesso em: 24 maio 2017.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

Zambroni-de-Souza, P. C., & Moraes, T. D. (2018). Reflexões sobre a dinâmica psíquica de trabalhadores afastados do trabalho. Fractal: Revista De Psicologia, 30(2), 103-111. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5866

Edição

Seção

Dossiê Psicologia, modos de vida e trabalho: mobilizando um patrimônio de conceitos e autores