Cooperação, confiabilidade e segurança no trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5878

Palavras-chave:

cooperação, coletivos de trabalho, confiabilidade, Ergonomia da Atividade, Psicodinâmica do Trabalho

Resumo

Este artigo coloca em análise a dimensão coletiva do trabalho, com foco particular nas questões relacionadas à cooperação. Para tal intento, recorre-se, prioritariamente, aos materiais oriundos da Ergonomia da Atividade e da Psicodinâmica do Trabalho. Essa discussão se mostra relevante tendo em vista que determinadas formas de organização do trabalho e da produção, algumas tidas como inovadoras, não raro, criam obstáculos aos processos de cooperação e contribuem para a fragmentação dos coletivos de trabalho. Ao final, toma-se como objeto de análise os sistemas sociotécnicos complexos (no contexto do setor petrolífero) que denotam a relevância da cooperação como um dos elementos de sustentação da produtividade/qualidade e de preservação da saúde e segurança no trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anísio José Araújo, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB

Possuo graduação em Formação de Psicólogo pela Universidade Federal da Paraíba (1983), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (1991) e doutorado em Ciências pela Fundação Oswaldo Cruz (2001). Atualmente sou professor adjunto da Universidade Federal da Paraíba e estou vinculado ao mestrado em Psicologia Social, fazendo parte do núcleo de estudos intitulado Psicologia Social, Trabalho e Subjetividade. Minha área de atuação principal é Psicologia do trabalho e organizacional. Meus temas de interesse são: subjetividade e Trabalho, saúde mental e trabalho, saúde do trabalhador, produtividade e qualidade com saúde e segurança.

Aline Brandao Siqueira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Caruaru, PE

Possui graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Psicologia pela Universidade Federal da Paraíba (2002/2004), mestrado em Psicologia Social (linha de pesquisa Saúde Mental e Trabalho) pela Universidade Federal da Paraíba (2006) e doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas (linha de pesquisa Saúde Mental e Trabalho) pela Universidade Federal de Santa Catarina (2015). Atualmente é professora efetiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco e membro do Grupo de Trabalho 'Modos de Vida e Trabalho' na Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia - ANPEPP. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Saúde Mental e Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde mental e trabalho, Psicologia Organizacional e do Trabalho.

Ana Cláudia Leal Vasconcelos, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM

Possui graduação em Formação de Psicólogo pela Universidade Federal da Paraíba (2003), graduação em Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal da Paraíba (2002), mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Universidade Federal da Paraíba (2005) e doutorado em PSICOLOGIA - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ESTUDOS DA SUBJETIVIDADE pela Universidade Federal Fluminense (2017). Atualmente é professor assistente nível ii da Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Fatores Humanos no Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, saúde, subjetividade, escolas e gênero.

Marcelo Gonçalves Figueiredo, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ

Possui graduação em Engenharia Civil pela UFRJ (1987), mestrado e doutorado em Engenharia de Produção pela UFRJ (1995 e 2001), sob a orientação do prof. Mário Vidal, e pós-doutorado em Psicologia Social/Trabalho pela UERJ (2006), sob a supervisão do prof. Milton Athayde, e pela Universidade do Porto (2014), sob a supervisão da profa. Marianne Lacomblez. Atualmente é professor Associado 4 do Departamento de Engenharia de Produção da UFF. É membro do grupo de pesquisa Neict/UFF (coord adjunto). Tem experiência na área de Engenharia de Produção, com ênfase em Ergonomia e Segurança do Trabalho e também Psicologia e Sociologia do Trabalho, atuando, principalmente, no seguinte tema de pesquisa: trabalho, saúde e segurança em sistemas sociotécnicos complexos (com foco na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos - RJ).

Thaís Augusta Máximo, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB

Graduação em Psicologia. Mestrado em Psicologia Social na Universidade Federal da Paraíba. Doutorado em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba. Ênfase em Psicologia Social, Psicologia do Trabalho e Saúde do Trabalhador.

Yana Mendes Felix, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB

É Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia Social na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Possui mestrado em Psicologia Social na Universidade Federal da Paraíba em caráter integral (2013-2015). É Psicóloga, formada pela Universidade Federal da Paraíba (2011), durante o curso, fez parte de um grupo de pesquisa voltado para o estudo sobre o abuso e exploração de crianças e adolescentes; Posteriormente trabalhou também os temas envelhecimento, aposentadoria e projeto de vida. Foi monitora bolsista da disciplina Seleção e Orientação Profissional durante um ano. Fez estágio Clínico e Hospitalar, com a abordagem Psicoterapia Breve de Base Psicanalítica. Foi Bolsista da Fundação Oswaldo Cruz e trabalhou com dependentes químicos.

Referências

ATHAYDE, M. R. C. Gestão de coletivos de trabalho e modernidade: questões para a engenharia de produção. 1996. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção)–Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1996.

BARTHE, B.; QUEINNEC, Y. Terminologie et perspectives d’analyse du travail collectif. Ergonomie. L’année psychologique, v. 99, n. 4, p. 663-686. 1999.

CAROLY, S.; BARCELLINI, F. O desenvolvimento da atividade coletiva. In: FALZON, P. (Org.). Ergonomia construtiva. São Paulo: Blucher, 2016. p. 55-72.

CRU, D. Les régles du métier. In: DEJOURS, C. (Org.). Plaisir et souffrance dans le travail. Paris: l’Aocip/CNRS, 1988. p. 29-51.

CRU, D. Le risque et la règle : le cas du bâtiment et des travaux publics. Toulouse: Érès, 2014.

DANIELLOU, F.; SIMARD, M. E.; BOISSIÈRES, I. Fatores humanos e organizacionais da segurança industrial: um estado da arte. Toulouse: FONCSI, 2010. Coleção Les Cahiers de la sécurité industrielle, n. 2013-07.

DE LA GARZA, C.; WELL-FASSINA, A. Aportes del trabajo colectivo a la gestion de la seguridad laboral em situación de riesgo em el àmbito ferroviário. Laboreal, v. 2, n. 2, p. 38-46, 2006.

DEJOURS, C. O fator humano. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

DEJOURS, C. Trabalho vivo: trabalho e emancipação. Tradução de FranckSoudant. Brasília: Paralelo 15, 2012. v. 2.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI. E; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

DEJOURS, C; DU TERTRE, C. Le temps du changement. In: DEJOURS, C. Le choix: souffrir au travail n’est pas une fatalité. Paris: Bayard, 2015. p. 105-204.

DESNOYERS, L. Les indicateurs et les traces de l’activité collective. In: SIX, F.; VAXEVANOGLOU, X. (Org.). Actes du XXVIIe Congrès de la SELF sur Les aspects collectifs du travail. Toulouse: Octarès, 1993. p. 53-66,

DUARTE, F.; VIDAL, M. Uma abordagem ergonômica da confiabilidade e a noção de modo degradado de funcionamento. In: FREITAS, C.; PORTO, M.; MACHADO, J. (Org.). Acidentes industriais ampliados: desafios e perspectivas para o controle e a prevenção. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2000. p. 83-105.

FIGUEIREDO, M. A face oculta do ouro negro: trabalho, saúde e segurança na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos. Niterói: EdUFF, 2016.

FREITAS, C. et al. Acidentes de trabalho em plataformas de petróleo da Bacia de Campos. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 117-130, 2001.

GIBOIN, A. La construction de référentiels communs dans le travail coopératif. In: HOC, J.; DARSES, F. (Ed.). Psycologie ergonomique: tendances actuelles. Paris: PUF, 2004. p. 119-139.

LE COZE, J. Trente ans d’accidents: le nouveau visage des risques sociotechnologiques. Toulouse: Octarès, 2016.

LEPLAT, J. Ergonomie et activités colletives. In: SIX, F.; VAXEVANOGLOU, X. (Org.). Actes du XXVII e Congrès de la SELF sur Les aspects collectifs du travail. Toulouse, France: Octarès, 1993. p. 7-28.

LEPLAT, J. Regards sur l’activité en situation de travail: contribuition à la psychologie ergonomique. Paris: PUF, 1997.

LEPLAT, J. Mélanges ergonomiques: activité, compétence, erreur. Toulouse: Octarès, 2011.

LEPLAT, J.; TERSSAC, G. Les facteurs humains de la fiabilité dans le systèmes complexes. Toulouse: Octarès, 1990.

LLORY, M.; MONTMAYEUL, R. O acidente e a organização. Tradução de Marlene M. Z. Vianna. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2014. Série Confiabilidade Humana.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008. livro I.

MOLINIER, P. Les enjeux psychiques du travail. Introduction à la psychodynamique du travail. Paris: Payot & Rivage, 2013.

PATÉ-CORNELL, M. Learning from the Piper Alpha Accident: a postmortem analysis of technical and organizational factors. Risk Analysis, v. 13, n. 2, p. 215-232, 1993.

PAVARD, B.; DECORTIS, F. Communication et coopération: de la théorie des actes de langage à l’approche ethnométhodologique. In: PAVARD, B. (Org.). Systèmes coopératifs: de la modélisation à la conception. Toulouse: Octarès, 1994. p. 21-50.

PERROW, C. Normal accidents: living with high-risk technologies. New Jersey: Princeton University Press, 1999.

SCHWARTZ, Y. A dimensão coletiva do trabalho: as ‘ECRP’. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Tradução de Jussara Brito et al. Niterói: EdUFF, 2010a. p. 149-164.

SCHWARTZ. A linguagem em trabalho. In: SCHWARTZ, Y.; DURRIVE, L. (Org.). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Tradução de Jussara Brito et al. Niterói: EdUFF, 2010b. p. 131-148.

SEVÁ FILHO, O. “Seguuura, peão!”: alertas sobre o risco técnico coletivo crescente na indústria petrolífera. In: FREITAS, C.; PORTO, M.; MACHADO, J. (Org.). Acidentes industriais ampliados: desafios e perspectivas para o controle e a prevenção. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2000. cap. 6.

TERSSAC, G.; CHABAUD, C. Referentiel opératif commun et fiabilité. In: LEPLAT, J.; TERSSAC, G. (Org.). Les facteurs humains de la fiabilité dans les systémes complexes. Marseille: Octarès, 1990. p. 110-139.

WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro, 2003.

ZARIFIAN, P. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001a.

ZARIFIAN, P. Mutação dos sistemas produtivos e competências profissionais: a produção industrial de serviço. In: SALERNO, M. (Org.). Relação de serviço: produção e avaliação. São Paulo: Senac, 2001b. p. 67-93.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

Araújo, A. J., Siqueira, A. B., Vasconcelos, A. C. L., Figueiredo, M. G., Máximo, T. A., & Felix, Y. M. (2018). Cooperação, confiabilidade e segurança no trabalho. Fractal: Revista De Psicologia, 30(2), 78-85. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5878

Edição

Seção

Dossiê Psicologia, modos de vida e trabalho: mobilizando um patrimônio de conceitos e autores