ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A LINGUÍSTICA GERATIVA, SUA EVOLUÇÃO, SEUS AVANÇOS E MÉTODOS

José Ferrari Neto, Adriano Marques da Silva, Eduardo Kenedy

Resumo


Este artigo apresenta uma discussão sobre a teoria linguística gerativa no que se refere a aspectos de sua evolução histórica, de seus avanços obtidos e de suas opções metodológicas. Em especial, busca-se uma forma de se mensurar os incrementos alcançados pelo gerativismo desde as suas proposições iniciais (cf. CHOMSKY, 1957) até os dias atuais (cf. CHOMSKY, 2013), valendo-se, para essa tarefa, do referencial teórico proposto pela Filosofia da Ciência de Lakatos (1978). A ideia básica a ser discutida é a criação de critérios pelos quais se permita saber o quanto o gerativismo tem de fato progredido enquanto teoria, fazendo avançar o conhecimento sobre a linguagem humana e revelando caminhos realmente promissores para o futuro da pesquisa em Linguística. As conclusões caminham na direção de que, a despeito das inegáveis conquistas que a teoria gerativa obteve a respeito do nosso entendimento da linguagem humana, questões epistemológicas e metodológicas ainda requerem uma discussão mais aprofundada, visando à consolidação das descobertas e propostas gerativistas como conhecimento científico confiável.


Palavras-chave


gerativismo, minimalismo, avaliação crítica, epistemologia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v20i38.33303

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.