As mídias como agentes de educação informal no envelhecimento: pistas para investigação

Patrícia Yokomizo, Andrea Lopes

Resumo


O envelhecimento é dinâmico e multideterminado. A velhice, como categoria etária, envolve uma série de desafios. Alguns deles são a manutenção das oportunidades de engajamento significativo e acesso à informação. A educação informal, realizada no âmbito das relações espontâneas do cotidiano, é composta por diversos agentes sociais, como a família, as relações de amizade e as mídias. O objetivo do artigo é apresentar uma revisão narrativa sobre a temática educação informal e velhice. A revisão realizada salienta e caracteriza a centralidade que as diversas mídias ocupam na produção investigada. São apontadas como relevantes nos processos de ensino e aprendizagem ao longo do envelhecimento e na velhice. A produção indica prós e contras, provoca reflexões e traz pistas para futuras investigações sobre o papel das mídias no âmbito dessa temática.


Palavras-chave


educação informal; envelhecimento; velhice; mídias; cotidiano

Texto completo:

PDF

Referências


ABOIM, Sofia. Narrativas do envelhecimento: ser velho na sociedade contemporânea. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, nº 1, p. 207-232, junho, 2014.

BALTES, Paul B. & SMITH, Jacqui. Novas fronteiras para o futuro do envelhecimento: da velhice bem-sucedida do idoso jovem aos dilemas da Quarta Idade. Revista A Terceira Idade, SESC São Paulo, v. 17, nº 36, p. 7-31, junho, 2006.

BELELI, Iara. O imperativo das imagens: construção de afinidades nas mídias digitais. Cadernos Pagu, Campinas, nº 44, p. 91-114, janeiro/junho, 2015.

BROWN, Ashley. Picture [im]perfect: Photoshop redefining beauty in cosmetic advertisements, giving false advertising a run for the Money. Texas Review of Entertainment and Sport Law, v. 16, nº 2, p. 87-105, 2015.

CAMARANO, Ana Amélia. Estatuto do Idoso: avanços com contradições. Rio de Janeiro: IPEA, 2013. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_ 1840.pdf. Acessado em: 30/09/2014.

CENTRO INTERNACIONAL DE LONGEVIDADE – BRASIL. Envelhecimento ativo: um marco político em resposta à revolução da longevidade. 1ª edição. Rio de Janeiro: 2015.

COHEN, Lawrence. Não há velhice na Índia: os usos da gerontologia. In: DEBERT, Guita Grin (org.). Textos Didáticos nº 13: Antropologia e Velhice, 2ª edição, p. 65-118. Campinas: Textos Didáticos, 1998.

COLETTE, Shelly. Eroticizing Eve: a narrative analysis of Eve images in fashion magazine advertising. Journal of Feminist Studies in Religion, v. 31, nº 2, p. 5-24, 2015.

CÔRTE, Beltrina. O papel da comunicação na construção do nosso longeviver. Revista Portal de Divulgação, São Paulo, v. 35, p. 3-14, agosto, 2013.

CRISTÓFOL-RODRÍGUEZ, Carmen & MÉNDIZ-NOGUERO, Alfonso. Análisis del brand placement en las revistas femeninas. Hibridación de discursos: informativo, publicitario y de la moda. Revista Mediterránea de Comunicación, v. 6, nº 1, p. 7-25, 2015.

DEBERT, Guita Grin. O velho na propaganda. Cadernos Pagu, v. 21, p. 133-155, 2003.

DEBERT, Guita Grin. A cultura adulta e juventude como valor. Texto apresentado no 13º Seminário Temático - Imagens da modernidade: mídia, consumo e relações de poder, da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS). Coordenação: Esther Hamburguer, Everado Rocha e Peter Fry. 2004 a.

DEBERT, Guita Grin. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. 1ª Edição, 1ª reimpressão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, FAPESP, 2004 b.

DELBONI, Bárbara; JOAQUIM, Stephanie Bittencourt; PLONER, Katia Simone & CYRINO, Luiz Arthur Rangel. Gerascofobia: o medo de envelhecer na contemporaneidade. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 10, nº 2, p. 203-214, maio/agosto, 2013.

DIAS, Maria Angélica Ferreira, PAÚL, Constança Paúl & WATANABE, Helena Akemi Wada. Representações sociais de velhice e suas relações com declínio e finitude em comentários e críticas publicados na mídia. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 17, nº 1, p.125-143, 2014.

DIB, Claudio Zaki. Formal, non-formal and informal education: concepts/applicability. Cooperative Networks in Physics Education – Conference Proceedings 173, American Institute of Physics, p. 300-315, 1988.

DOMÍNGUEZ, Trinidad Núñez. Cine y envejecimiento activo: la imagen de la actividad física en las películas. Escritos de Psicología, vol. 6, nº 2, p. 20-25, maio/agosto, 2013.

ELIAS, Norbert & SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2000.

ESTATUTO DO IDOSO. Lei n.º 10.741 de 01 de outubro de 2003. Brasília (DF): Senado Federal, 2003.

FERREIRA, Magda G. Ferreira, BIANCHI, Mariana, MENEGÓCIO, Alexandro M. & ZAGO, Gabriela Mariotoni. Desconstruindo a imagem do idoso nos meios midiáticos. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 17, nº 4, p.211-223, 2014 b.

GASPAR, Alberto. A educação formal e a educação informal em ciências. In: MOREIRA, Ildeu de Castro; MASSARANO, Luisa & BRITO, Fatima (orgs.). Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil, p. 171-183. Rio de Janeiro: Casa da Ciência – Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Fórum de Ciência e Cultura, 2002.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1985.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, v. 14, nº 50, p. 27-38, janeiro/março, 2006.

GÓIS JUNIOR, Edivaldo & SILVA, Leonardo Mattos da Motta. Educação do corpo e higiene escolar na imprensa do Rio de Janeiro (1930-1939). Educação e Pesquisa, v. 42, nº 2, p. 411-426, abril/junho, 2016.

GOMES, Paula. Engajamento social, aparência e velhice homossexual masculina: caracterização dos aplicativos de relacionamento. Trabalho de conclusão de curso. Graduação em Gerontologia. Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. São Paulo: 2014.

GRANT, Maria J., & BOOTH, Andrew. (2009). A typology of reviews: an analysis of 14 review types and associated methodologies. Health Information and Libraries Journal, 26, pp. 91-108. doi:10.1111/j.1471-1842.2009.00848.x

HENNING, Carlos. Paizões, tiozões, e tias e cacuras: envelhecimento, meia idade, velhice e homoerotismo masculino na cidade de São Paulo. Tese de doutorado. Programa de Antropologia Social, UNICAMP. Orientação: Guita Grin Debert. Campinas: 2014.

LANGEVIN, Annete. A construção social das idades: mulheres adultas de hoje e velhas de amanhã. Caderno CRH, Salvador, nº 29, p. 129-149, julho/dezembro, 1998.

MARTINS, Carla Cristina Siqueira & MARTINS, Ana Caroline Siqueira. Cultura, consumo e mídia: o espetáculo “Moda” está no ar! Iara – Revista de Moda, Cultura e Arte, v. 8, nº 2, janeiro, 2016.

MASCIO, Antonella. La moda como forma de valorización de las series de televisión. Centro de Estudios en Diseño y Comunicación, Cuaderno 44, p. 185-195, 2013.

MONTELEONE, Thiago Vinicius; WITTER, Carla & GAMA, Eliane Florencio. Representação social de idosos: análise de imagens publicadas no discurso midiático. Estudos Interdisciplinares do Envelhecimento, v. 20, nº 3, p. 921-937, 2015.

NERI, Anita Liberalesso. Palavras-chave em Gerontologia. Campinas, SP: Editora Alínea, 2014 (Coleção Velhice e Sociedade). 4ª edição.

OMELCZUK, Fernanda & MONTEIRO, Gabriel Gouvêa. Imagens de uma nova velhice: considerações a partir do filme “E se vivêssemos todos juntos”. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 17, nº 4, p. 245-259, 2014.

PINHEIRO, Geisa Aparecida Dariva. Educação e envelhecimento: atividade intelectual na terceira idade. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Maringá. Maringá: 2009.

ROTHER, Edna Terezinha (2007). Revisão sistemática x Revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), s/p.

SANTANA, Carla da Silva Santana & BELCHIOR, Carolina Guimarães. A velhice nas telas do cinema: um olhar sobre a mudança dos papéis ocupacionais dos idosos. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 16, nº 1, p. 93-116, 2013.

UNIÓN DEMOCRÁTICA DE PENSIONISTAS Y JUBILADOS DE ESPAÑA (UDP). Deliberación mayores: investigación participativa sobre las personas mayores. Colección Estudio. Gobierno de España, Ministerio de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad. IMSERSO: 2009.

VASCONCELOS, Michele de Freitas Faria & SEFFNER, Fernando. A pedagogia das políticas públicas de saúde: norma e fricções de gênero na feitura de corpos. Cadernos Pagu, Campinas, nº 44, p. 261-297, janeiro/junho, 2015.

VITORINO, Sueli dos Santos; MIRANDA, Maria Luiza Jesus & WITTER, Carla. Educação e envelhecimento bem-sucedido: reflexões sobre saúde e autocuidado. Revista Kairós Gerontologia, v. 15, nº 3, p. 29-42, junho, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. News release (19 may 2016). Life expectancy increased by 5 years since 2000, but health inequalities persist. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2016/health-inequalities-persist/en/. Acessado em: 25/05/2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v12i3.13342

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC 
Universidade Federal Fluminense - UFF
Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510
e-mail: pmc.ega@id.uff.br
Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681