Saúde sem Fake News: estudo e caracterização das informações falsas divulgadas no Canal de Informação e Checagem de Fake News do Ministério da Saúde

Autores

  • Ana Carolina Pontalti Monari Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Bauru, interior de São Paulo.
  • Claudio Bertolli Filho Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Bauru, interior de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.22409/ppgmc.v13i1.27618

Palavras-chave:

Fake news, Saúde Sem Fake News, Midiatização, Análise de conteúdo, Análise hermenêutica.

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar o canal de informações Saúde Sem Fake News, do Ministério da Saúde, com o intuito de identificar as principais características das fake news no âmbito da saúde pública e de traçar um perfil desse conteúdo. Diante dos dados, foi possível identificar que esse tipo de material busca oferecer ao público possibilidades de cura, receitas milagrosas, informações “alarmantes” sobre vacinação e alimentos poderosos com o intuito de solucionar problemas cotidianos dos cidadãos. O perfil elencado para as fake news é o de um conteúdo que usa adjetivos, conteúdos audiovisuais para promover uma falsa veracidade e termos que estabelecem proximidade com o leitor. Para o estudo foram utilizadas as análises de conteúdo e hermenêutica, sob a luz das teorias de midiatização e fake news.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Pontalti Monari, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Bauru, interior de São Paulo.

Mestranda em comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Bauru. Bolsista Capes, trabalha com os temas mídia e saúde pública.

Claudio Bertolli Filho, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Bauru, interior de São Paulo.

Professor doutor do programa de pós-graduação em comunicação da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac)/Unesp.

Referências

ALLCOTT, H.; GENTZKOW, M. Social media and fake news in the 2016 election. Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 2, p. 211-236, 2017.

AMORIM, J. S. D. O impacto das inovações tecnológicas e das mídias digitais na concepção e na prática do jornalismo. In: MOULLIAUD, M.; PORTO, S. D. (Orgs.). O jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BASTOS, F.; PORTO, S. D. Análise hermenêutica. In: DUARTE, J.; BARROS, A. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2017.

DELMAZO, C.; VALENTE, J. C. L. Fake news nas redes sociais online: propagação e reações à desinformação em busca de cliques. Revista Media & Jornalismo, v. 18, n. 32, p. 155-169, 2018.

FAILLET, C. Décoder l’info – Comment Décrupter les fake news?. Paris, França: Editions Bréal, 2018.

GOMES, D. C. A. Hermenêutica e comunicação: contribuições para compreender a teoria da interpretação e sua aplicação na sociedade midiática. NAMID/UFPB, ano 9, n. º 4, 2015.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2017.

LEFÈVRE, F. Mitologia sanitária: saúde, doença, mídia e linguagem. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (Edusp), 1999.

RODRIGUES, A. D. Delimitação, natureza e funções do discurso midiático. In: MOULLIAUD, M.; PORTO, S. D. (Orgs.). O jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2012.

SEIBT, C. L. A hermenêutica heideggeriana e a questão do conhecimento. Conjectura - Filosofia e Educação. V. 21, nº 3. Caxias do Sul (RS), set./dez. 2016. P. 188-214.

SODRÉ, M. Comunicação e Voz Cidadã. In: MOULLIAUD, M.; PORTO, S. D. (Orgs.). O jornal: da forma ao sentido. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2012.

__________. Antropológica do Espelho: Uma Teoria da Comunicação linear e em rede. Petrópolis (RJ): Vozes, 2002.

THOMPSON, J. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2007.

VASCONCELLOS-SILVA, P. R.; CASTIEL, L. D.; GRIEP, R. H. A sociedade em risco midiatizada, o movimento antivacinação e o risco do autismo. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 2, p. 607-616, 2015.

Downloads

Publicado

2019-04-26

Como Citar

Pontalti Monari, A. C., & Bertolli Filho, C. (2019). Saúde sem Fake News: estudo e caracterização das informações falsas divulgadas no Canal de Informação e Checagem de Fake News do Ministério da Saúde. Revista Mídia E Cotidiano, 13(1), 160-186. https://doi.org/10.22409/ppgmc.v13i1.27618