Youtubers falam de saúde jogando: análise de vídeos produzidos por brasileiros

Flávia Garcia de Carvalho, Inesita Soares de Araujo, Marcelo Simão de Vasconcellos

Resumo


Após constatar, em pesquisa anterior, que os dispositivos discursivos de dois jogos de sucesso de público e crítica - BioShock e Deus Ex: Human Revolution - colocam em circulação sentidos sobre saúde, ciência e tecnologia, neste texto avançamos na compreensão desse processo semiológico, incorporando a perspectiva analítica do consumo simbólico. A metodologia se baseou na análise de vídeos produzidos por youtubers brasileiros que gravam suas sequências de jogo. Concluímos que esses youtubers, no processo simultâneo de consumir/produzir sentidos na sua prática de jogadores, entrelaçam sentidos produzidos no mundo real com aqueles produzidos pelos mundos ficcionais dos jogos e por suas regras e procedimentos.


Palavras-chave


Comunicação e Saúde; Jogos e Saúde; jogos digitais; Análise de Discursos

Texto completo:

PDF

Referências


AARSETH, E. Computer Game Studies, Year One. Game Studies, v. 1, n. 1, 2001. Disponível em: . Acesso em: 28 maio. 2016.

ALMEIDA FILHO, N. O que é saúde? Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011.

ARAUJO, I. S. de. Contextos, mediações e produção de sentidos: uma abordagem conceitual e metodológica em comunicação e saúdeRevista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, 6 maio 2009. . Disponível em: . Acesso em: 29 maio. 2016.

ARAUJO, I. S. Mercado simbólico: interlocução, luta, poder - um modelo de comunicação para políticas públicas. 2002. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

ARAUJO, I. S. Materiais educativos e produção de sentidos na intervenção social. In: MONTEIRO, S.; VARGAS, E. (Ed.). Educação, comunicação e tecnologia educacional: interfaces com o campo da saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006. p. 49–70.

ARAUJO, I. S.; CARDOSO, J. M. Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

BOGOST, I. Persuasive Games: The Expressive Power of Videogames. Cambridge: MIT Press, 2007.

CALLEJA, G. In-game: from immersion to incorporation. Massachusetts: Massachusetts Institute of Technology, 2011.

CARVALHO, F. G.; ARAUJO, I. S.; VASCONCELLOS, M. S. A saúde em jogos de entretenimento: análise da produção de sentido em dois jogos digitais. Revista Mídia e Cotidiano, v. 12, n. 2, p. 145–165, 2018.

JENKINS, H. Game design as narrative architecture. In: WARDRIP-FRUIN, N.; HARRIGAN, P. (Ed.). First Person: New Media as Story, Performance, and Game. Cambridge: The MIT Press, 2013.

JUUL, J. Half-Real: Video Games between Real Rules and Fictional Worlds. Cambridge: The MIT Press, 2011.

LOPES, E. P. O tratamento ao usuário de crack nas páginas policiais dos jornais brasileiros. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, v. 7, n. 3, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

MARINHO, M. H. Pesquisa Video Viewers: como os brasileiros estão consumindo vídeos em 2018. Think with Google, 2018. Disponível em: .

PAYÃO, F. Finalmente, YouTube Gaming chega ao Brasil - TecMundo. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2018.

PETROVA, E. and N. G. 4 Reasons People Watch Gaming Content on YouTube. Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2018.

PINTO, M. J. Comunicação e discurso: introdução à análise de discursos. São Paulo: Hackers Editores, 2002.

RAESSENS, J. Computer games as participatory media culture. In: RAESSENS, J.; GOLDSTEIN, J. (Ed.). Handbook of Computer Game Studies. Cambridge: The Mit Press, 2005.

STENROS, J. The Game Definition Game: A Review. Games and Culture, v. 12, n. 6, p. 499–520, 2017.

VASCONCELLOS, M. S. de. Comunicação e saúde em jogo: os video games como estratégia de promoção da saúde. 2013. Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, 2013.

VASCONCELLOS, M. S. de; CARVALHO, F. G. de; ARAUJO, I. S. Understanding games as participation: an analytical model. Revista Cibertextualidades, n. 8, p. 107–118, 2017. Disponível em: .

VASCONCELLOS, M. S. de; CARVALHO, F. G.; ARAUJO, I. S. de. Interprocedurality: procedural intertextuality in digital games. In: DURET, C.; PONS, C.-M. (Ed.). Contemporary Research on Intertextuality in Video Games. Hershey: IGI Global, 2016. p. 235–252.

VERÓN, E. Fragmentos de um tecido. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2004.

YouTube Gaming. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v13i1.27670

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC 
Universidade Federal Fluminense - UFF
Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510
e-mail: pmc.ega@id.uff.br
Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681