Documentar, ir a campo e narrar: aproximações técnicas e diálogos críticos entre Saramago e o jornalismo

Autores

  • Henrique Alberto Mendes Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN https://orcid.org/0000-0001-9630-5818
  • Maria do Socorro Furtado Veloso Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

DOI:

https://doi.org/10.22409/rmc.v14i2.41214

Palavras-chave:

Jornalismo. Literatura. José Saramago. Leitura crítica das mídias

Resumo

Este trabalho visa expor considerações sobre os modos de produção romanesca do escritor José Saramago (1922-2010) que suscitam aproximações com o campo do jornalismo, possivelmente advindas de passagens do autor de Memorial do convento por veículos da imprensa portuguesa. Saramago foi um escritor que assumiu a função social do narrador, no sentido benjaminiano, seja como intervencionista público, seja como literato. Há, portanto, neste trabalho, essa relação entre o papel social da narração e a necessidade de resgate do diálogo e da compreensão na intermediação das relações societais, onde evocaremos duas obras do autor, num encontro interdisciplinar entre a sociologia, o jornalismo e o literatura. Nesta leitura mais abrangente, nossa intenção é propor o resgate da dimensão do discurso criativo e interventivo na construção de narrativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Alberto Mendes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPgEM 2020-) com bolsa do programa de demanda social da Coordenação de Aperfeiçoamento de pessoal de Nível Superior (Capes), bacharelando em Jornalismo (2017-) e bolsista de iniciação científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic/CNPq) no projeto de pesquisa intitulado "Saramago e o jornalismo: aproximações técnicas e diálogos críticos", vinculado ao no Departamento de Comunicação Social na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Decom/UFRN 2017-). Licenciado em Letras - Português/Espanhol (Uniesp/FIT 2011 - 2013), atuou como professor titular de Língua Portuguesa para os ensinos Fundamental II e Médio na Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (SEE/SP 2013 a 2017). Integra os grupos de pesquisa Pragma e Ecomsul, vinculados ao PPgEM/UFRN. Atua como estagiário na Assessoria de Comunicação Social da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (ACS/Caern).

Maria do Socorro Furtado Veloso, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Professora associada do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. É jornalista, doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP (2008) e mestre em Multimeios pela Unicamp (2001). Como bolsista Capes, realizou estágio pós-doutoral na Universidade Nova de Lisboa (2014-2015), em Portugal, com o projeto intitulado "O jornalismo na obra de José Saramago: Aproximações técnicas e diálogos críticos". Coordena o projeto de pesquisa "Jornalismo, literatura e política: as contribuições da obra de José Saramago para uma leitura crítica das mídias". É autora do livro "Imprensa e contra-hegemonia: 20 anos do Jornal Pessoal (1987-2007)", editado pela Paka-Tatu (3014). Integra as bases de pesquisa Pragma (UFRN) e Ecomsul (UFRN), o conselho consultivo do Forum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ) e o conselho editorial da Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo (Rebej). Foi professora convidada do curso de especialização em Jornalismo Científico da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia, da Universidade Federal do Pará (UFPA). Foi professora do curso de especialização em Comunicação Pública e Empresarial do INPG (Instituto Nacional de Pós-Graduação) de 2006 a 2008. Atuou como docente em cursos de Jornalismo do Estado de São Paulo entre 2000 e 2008. Possui bacharelado Em Psicologia pelas Faculdades Integradas Colégio Moderno (1986) e bacharelado em Comunicação Social (Jornalismo) pela Universidade Federal do Pará (1995). Trabalhou como repórter, redatora e editora em cinco jornais diários, no Pará, Amapá, Ceará e São Paulo. Tem 35 anos de experiência na área, atuando principalmente em jornais impressos, jornais laboratório, docência e pesquisa em jornalismo. Atualmente desenvolve pesquisas no campo da comunicação contra-hegemônica, mídia e política, e jornalismo e literatura.

Referências

AGUILERA. Fernando Gómez. As Palavras de Saramago: catálogo de reflexões pessoais, literárias e políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 2010

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BENJAMIN, W. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

_____________. Obras escolhidas Vol. I - Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

DA MATTA, Roberto. O ofício de etnólogo ou como ter antropological blues. Boletim do Museu Nacional. Nova Serie: Antropologia, n. 27. Rio de Janeiro, 1978. Disponível em: http://www.ppgasmn-ufrj.com/uploads/2/7/2/8/27281669/boletim_do_museu_nacional_27.pdf. Acesso: 18 de out. de 2019.

DANTAS, M. (org). Saramago: os pontos e a vista. Catálogo da exposição. São Paulo: Farol Santander, 2018.

LOPES, João Marques. Saramago – Biografia. São Paulo: Leya, 2010.

MEDINA, Cremilda. Entrevista: o diálogo possível. Série Princípios. Ática: São Paulo, 1989.

___________. Ato presencial: mistério e transformação. São Paulo: Casa da Serra, 2016.

REIS, Carlos. Diálogos com José Saramago. Lisboa: Porto, 2015.

__________. Diálogos com José Saramago. Lisboa: Caminho, 1998.

SERRA, João Domingos. Uma família do Alentejo. Lisboa: Fundação José Saramago, 2010.

SODRÉ, Muniz. As Estratégias Sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis: Vozes, 2006.

Downloads

Publicado

2020-05-28