A estética da mulher negra em anúncios para cabelos crespos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/rmc.v16i2.51972

Palavras-chave:

mulheres, cabelo, preconceito, mídia

Resumo

O estudo aborda os discursos sobre a mulher negra por meio de anúncios de produtos para cabelos cacheados e crespos. Buscou-se analisar como o discurso é propagado por intermédio desta mídia específica nas postagens dos rótulos. Realizou-se pesquisa documental sobre dez marcas de produtos de beleza para cacheadas e crespas com base na Análise Crítica de Discurso a partir das categorias interdiscursividade, representação de atores sociais e metáfora. Os dados são apresentados a partir do predomínio da tipologia de cabelos, do discurso tecnológico e das cacheadas e da falsa noção de empoderamento. A pesquisa aponta como o racismo se manifesta na estética negra a partir da pauta sobre cabelo. Os anúncios estão em consonância com os estereótipos e preconceitos a respeito da mulher negra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilla Araújo Lopes Vieira , Universidade Federal do Ceará

Pós Doutora em Psicanálise pela UERJ. Professora do curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará. 

Isabela Farias, Centro universitário INTA - UNINTA

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará e Mestra em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará. 

Claudenia Mesquita Barroso, Universidade Federal do Ceará

Mestra em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará. 

Joyce Hilário Maranhão, Universidade Federal do Ceará

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Mestra em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará. Psicóloga Hospitalar do Hospital Geral Dr. Waldemar de Alcântara.

Francisca Denise Silva Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará. Professora do curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz. Racismo Estrutural. São Paulo: Polém, 2019.

AS MARCAS de cosméticos preferidas dos brasileiros: pesquisa revela os produtos mais usados por homens e mulheres. Época negócios on line, Rio de Janeiro, RJ, 30 dez. 2013. Informação. Disponível em: https://epocanegocios.globo.com/Informacao/Resultados/noticia/2013/12/marcas-de-cosmeticos-preferidas-dos-brasileiros.html. Acesso em: 2 ago. 2017.

BERTH, Joyce. O que é empoderamento. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BOTEZINI, N. A. Cabelos em transição: um estudo acerca da influência dos cabelos afro como sinal diacrítico e reconhecimento étnico. In: Encontro anual da ANPOCS, 2014, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPOCS, 2014, p. 1-22.

BRAGA, J. B. A mulher negra nas embalagens de cosméticos para cabelos crespos e cacheados. 2020. Dissertação (Mestrado em comunicação e Territorialidades) -Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, 2020.

BRITTO, Milena. Um mapa diaspórico nas tramas do cabelo. Afro-Ásia, Salvador, n. 57, mar., 2018, p. 215-220. DOI: http://dx.doi.org/10.9771/aa.v0i57.26075. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/afroasia/article/view/26075. Acesso em: 5 out. 2019.

CORREA, Laura Guimaraes. De corpo presente: o negro na publicidade em revista. 2006. Dissertação (Mestrado em Filosofia, Letras e Ciências Humanas) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

FAIRCLOUGH, N. El análisis crítico dei discurso como método para Ia investigación

em ciências sociales. In: WODAK, R.; MEYER, M. (orgs.) Métodos de análisis

critico dei discurso. Barcelona: Gcdisa, 2003, p. 179-204.

FISCHLER, Claude. Obeso benigno, obeso maligno. In: SANT'ANNA. Denise B. Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995. p.69-80.

FREITAS, I. C; FERREIRA, D. L. De estigma a emblema: Cabelo, autorreconhecimento e resistência entre jovens universitárias negras. Crítica e Sociedade: revista de cultura política, Uberlândia, v. 9, n.2, 2019, p. 117-147. DOI: https://doi.org/10.14393/RCS-v9n2-2019-56657. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/criticasociedade/article/view/56657. Acesso em: 15 nov. 2020.

GOMES, N. L. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 21, dez., 2002, p. 40-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782002000300004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782002000300004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 mai. 2019.

GOMES, N. L. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. São Paulo: Autêntica, 2019.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação. Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LAPLANTINE, F. Antropologia da doença. São Paulo: ed. Brasiliense, 2000.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. 2. ed. Tradução de Sônia M. S. Fuhrmann. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

LINDOSO, Beatriz Amorim. Transição capilar e identidade: o cabelo como um demarcador de fronteiras sociais entre estudantes de Design-moda em Fortaleza. 2017. Monografia (Graduação em Design-moda) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.

LOPES, D. A.; FIGUEIREDO, A. Fios que tecem a história: o cabelo crespo entre antigas e novas formas de ativismo. Revista OPARÁ: Etnicidades, Movimentos Sociais e Educação, Salvador, v. 6, n. 8, set., p. 1-17, 2018. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/opara/article/view/5027. Acesso em: 12 abr. 2020.

MATOS, E. M. S. Cachear e Encrespar: moda ou resistência? Um estudo sobre a construção identitária do cabelo afrodescendente em blogs. 2015. Monografia (Graduação em Comunicação Organizacional) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

MILLER, D. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MIZRAHI, M. et al. À procura da estética adequada: Raça, gênero e geração no espaço escolar. Crítica e Sociedade: revista de cultura política, Uberlândia, v. 9, n. 2, 2019, p. 148-167. DOI: https://doi.org/10.14393/RCS-v9n2-2019-56581. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/criticasociedade/article/view/56581/30079. Acesso em: 21 out. 2020.

MORAES, B. C. S.; PAULA, S. E. S.; MOREIRA, B. D. Mulher, negritude e propaganda: um estudo de caso com universitárias da UFMT. In: XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, 2015. Anais [...]. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015, p. 1-15.

OLIVEIRA, S. B. Por que estamos falando sobre nossos cabelos? Representações sociais de alunos do Ensino Médio Técnico sobre a transição capilar. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13º Women´s Worlds Congress, 2017, Florianopólis. Anais [...] Florianopólis: UFSC, 2017, p. 1-12.

PORTUGAL, M. As 20 marcas de beleza mais valiosas do mundo. Exame.com, Sumaré, SP, 10 abr. 2013. Marketing. Disponível em: https://exame.com/marketing/as-20-marcas-de-beleza-mais-valiosas-do-mundo. Acesso em: 04 de mai. 2017.

QUEIROZ, Rafaele Cristina de Souza. Os efeitos do racismo na autoestima da mulher negra. Cadernos de Gênero e Tecnologia, Curitiba, v.12, n. 40, 2019, p. 213-229. DOI: 10.3895/cgt.v12n40.9475. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/9475. Acesso em: 6 mar. 2020.

QUEIROZ NETO, V. P.; SEVERIANO, M. F. V. Consumo e subjetividade: uma análise do encantamento narcísico na publicidade de coloração capilar. Pesquisas e Práticas psicossociais, São José del-Rei, v. 8, n. 1, janeiro/junho, 2013, p. 1-27.

RESENDE, Viviane de Melo; RAMALHO, Viviane. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

RODRIGUES, José Carlos. Tabu do Corpo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

SANTOS, Marlene Gôngora dos. Contribuições do negro na formação do povo brasileiro. 2015. Trabalho de Conclusão de curso (Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros) - Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2015a.

SANTOS, Patrícia. A história do alisamento através das décadas, Revista Cabelos, São Paulo, SP, 3 dez. 2015b. Guia de alisamento. Disponível em: https://revistacabelos.com.br/a-historia-do-alisamento-atraves-das-decadas/. Acesso em: 22 out. 2020.

SILVA, Paula; BRAGA, Ângela. Transição Capilar: O cabelo como instrumento de política e libertação através da identidade e suas influências. In: XX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, Uberlândia, 2015. Anais [...]. Uberlândia: UFU, 2015, p. 1-12.

SIQUEIRA; E.; SIQUEIRA, D. Transforme-se em você!”: corpo, narrativas e subjetividade em anúncios de cosméticos para mulheres. Revista mídia e cotidiano, v. 15, n. 2, maio/ago.de 2021, p. 234-255. Disponível em: https://periodicos.uff.br/midiaecotidiano/issue/view/2493/563. Acesso em: 30 jul. 2021.

VIEIRA, C.A.L. Entre Higia e Afrodite: o corpo feminino veiculado nas revistas de beleza e cuidados corporais. 2013. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva)- Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.

VIEIRA, Camilla; BOSI, Maria Lúcia. Impressões sobre o corpo feminino na interface mídia, consumo e ciência médico estética. In: FREITAS, Ricardo Ferreira, et al. Corpo e consumo nas cidades. Curitiba: CRV, 2014. p. 65-80.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Vieira , C. A. L. ., Farias, I., Barroso, C. M. ., Maranhão, J. H. ., & Vasconcelos, F. D. S. . (2022). A estética da mulher negra em anúncios para cabelos crespos. Revista Mídia E Cotidiano, 16(2), 175-195. https://doi.org/10.22409/rmc.v16i2.51972