Iniciativas Coletivas Pró-diversidade e o potencial de transformação nas identidades representadas pela publicidade brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/rmc.v16i2.53390

Palavras-chave:

Publicidade e propaganda, campo publicitário, práticas de contestação, práticas de produção publicitária, identidade

Resumo

Em articulação com as forças econômicas, políticas e culturais, a publicidade pode reforçar e transformar a identidade brasileira por meio de representações midiáticas e do diálogo com atores do mundo social. O artigo tem objetivo de discutir o potencial de Iniciativas Coletivas Pró-Diversidade em estimular transformações nos modos como o sistema complexo formado pelo campo publicitário brasileiro se articula com requisições de grupos sociais minoritários pelo aumento da valorização e visibilidade das suas identidades. A partir de análise documental e discussão teórica sobre as Iniciativas, a pesquisa discute caminhos para mudanças do campo publicitário como um sistema complexo e identifica a crítica do público e a atuação dos produtores publicitários como potenciais agentes de transformação da publicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Mafacioli Carvalho, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Professora no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PPGCOM/PUCRS). Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999). Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2004). 

Enéias Brum, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Professor da Escola de Comunicação, Artes e Design da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (FAMECOS/PUCRS), doutorando em Comunicação Social na PUCRS. Mestre em Comunicação pela UFRGS (2021). 

Referências

BARCELLOS, Renata do Amaral. A visão dos publicitários sobre a circulação de estereótipos: entre interesses econômicos e demandas sociais. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação). Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS. p. 209 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/172625 Acesso em 05 jan. 2022.

BARRETO, Soraya; CHACEL, Marcela. Femvertising: uma tendência publicitária? In:(org). OLIVEIRA-CRUZ, Milena Freire de. Publicidade e gênero: representações e práticas em questão. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2018.

BRUM, Enéias. Modalidades de dupla articulação da publicidade: reconfigurações das práticas de produção de agências e anunciantes diante das práticas de contestação do público. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS. p. 259. 2021. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/220965Acesso em 29 abr. 2022.

CONEXÃO Negra. CONEXÃO. 2022. Disponível em: https://conexaonegra.com.br Acesso em 01 mar 2022.

CONSELHO EXECUTIVO DE NORMAS-PADRÃO. CENP. 2022. Disponível em: https://cenp.com.br/cenp/#historia_Cenp. Acesso em 01 mar. 2022.

CONSELHO NACIONAL DE AUTORREGULAMENTAÇÃO PUBLICITÁRIA. CONAR. 2022. Disponível em: http://www.conar.org.br/. Acesso em 01 mar 2022.

CONSTANTINO, Alexandre Krugner. O campo publicitário paulistano nos anos 90: dilemas da mundialização. 2004. 255 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em https://doi.org/10.47749/T/UNICAMP.2004.302226. Acesso em 05 jan. 2022.

FÓRUM de Empresas e Direitos LGBT. FÓRUM. 2022. Disponível em: https://www.forumempresaslgbt.com Acesso em 01 mar 2022.

LEGISLAÇÃO Integral. ABAP. 2022. Disponível em: http://www.abapnacional.com.br/pdfs/leis/legislacao_integral.pdf.01 mar. 2022.

LEITE, Francisco; BATISTA, Leonardo. Publicidade antirracista: reflexões, caminhos e desafios. (org.) Francisco Leite, Leandro Leonardo Batista. São Paulo: ECA-USP, 2019.

LEMOS, Alexandre Zaghi; LESSA, Isabella. Três anos depois, mulheres são 26% na criação. Meio & Mensagem, [s.l.], 21 jan 2019. Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2019/01/21/dois-anos-depois-mulheres-sao-26-na-criacao.html. Acesso em 05 jan. 2022.

MORIN, Edgar. Introdução do pensamento complexo. 4. ed. (trad) LISBOA, Eliane. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MORIN, Edgar. O método 3: conhecimento do conhecimento. 5. ed. (trad) MACHADO, Juremir. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MOREIRA, Sônia V. Análise documental como método e como técnica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Editora Atlas, 2005.

MOZDZENSKI, Leo. "Mulher como garoto-propaganda do dia dos pais": outvertising e as retóricas LGBTfóbicas na publicidade e no comentariado homotransfóbico brasileiro . Signos do Consumo, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 76-92, 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/173801. Acesso em 29 abr. 2022.

NAVARRO, Victória. O caminho para uma conexão real entre marcas e mulheres. Meio & Mensagem, [s.l.], 12 set. 2019. Disponível em: 2019b https://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2019/09/12/o-caminho-em-direcao-a-uma-conexao-real-entre-marcas-e-mulheres.html Acesso em 05 jan. 2022.

ONU MULHERES. ONU. 2022. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/referencias/principios-de-empoderamento-das-mulheres/ Acesso em 05 jan. 2022.

PENTEADO, Claudia. Faltam profissionais negros na publicidade. Propmark, [s.l.], 14 ago 2017. Disponível em: https://propmark.com.br/mercado/faltam-profissionais-negros-na-publicidade Acesso em 05 jan. 2022.

PETERMANN, Juliana. Do sobrevôo ao reconhecimento atento: a institucionalização da criação publicitária, pela perspectiva do Habitus e dos capitais social, cultural e econômico. Tese (Doutorado em Comunicação) – Unidade Acadêmica de Pesquisa e Pós Graduação, Universidade do Vale do Sinos. São Leopoldo, RS. p. 408. 2011. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/3041. Acesso em: 01 mar. 2022.

PIEDRAS, Elisa Reinhardt. Recepção, circulação e dispositivos sociais de crítica midiática: apontamentos para o estudo das práticas do receptor-consumidor-cidadão diante da publicidade. In: XX Encontro da Compós, 2011, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: COMPÓS, 2011. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/biblioteca_1717.pdf. Acesso em 01 mar. 2022.

PIEDRAS, Elisa Reinhardt. Representaciones, estereotipos y diversidad en la publicidad y propaganda: perspectivas teórico-metodológicas. In: BONIN, Jiani Adriana; GARCÍA, Nicolás Lorite; MALDONADO, Alberto Efendy (org.) Publicidad, propaganda y diversidades socioculturales. 1ª edição. Quito: CIESPAL, 2016, p.333-349.

ROGENSKI, Rogério. Agências e MTP formalizam pacto pela inclusão. Meio & Mensagem. [s.l.], 23 set 2019. Disponível em: https://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2019/09/23/agencias-e-mpt-formalizam-pacto-pela-inclusao.html. Acesso em 05 jan. 2022.

SILVA, Iara S. ; TOALDO, Mariângela M. Publicitários + Anunciantes: a dinâmica de Uma Relação Complexa. Porto Alegre: Entremeios, 2010.

TODXS. CCSP, [s.l.], 08 dez 2020. Disponível em: https://www.clubedecriacao.com.br/ultimas/todxs-3/. Acesso em 05 jan. 2022.

VIEIRA, Ana Clara Moreira e. Você precisa usar salto alto para ser levada a sério na agência": habitus e mecanismos de resistência entre as mulheres da área criativa na produção publicitária. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS. p. 165. 2021. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/221897 Acesso em 29 abr. 2022.

WEPS Women Empowerment Principles. WEPS [s.l.], 2022. Disponível em: https://www.weps.org. Acesso em 05 jan. 2022.

WOTTRICH, Laura Hastenpflug. A publicidade em xeque: práticas de contestação dos anúncios. Porto Alegre: Sulina, 2019.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Mafacioli Carvalho, C., & Brum, E. (2022). Iniciativas Coletivas Pró-diversidade e o potencial de transformação nas identidades representadas pela publicidade brasileira. Revista Mídia E Cotidiano, 16(2), 87-107. https://doi.org/10.22409/rmc.v16i2.53390