A poética dos tempos mortos: diálogos entre o cinema e o videogame

Autores

  • Renata Correia Lima Ferreira Gomes Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.22409/ppgmc.v10i10.9797

Palavras-chave:

cinema, narrativa, videogames, temporalidade

Resumo

O artigo trata das relações de infliência mútua entre cinema e videogames narrativos. Defende que os videogames narrativos, especialmente os "jogos de personagem", são herdeiros diretos da narrativa e linguagem cinematográficas e tentam promover um gesto de "entrar no filme" por parte do jogador, que agora se torna um personagem inserido dramática e "fisicamente" no espaço-tempo do jogo. Para além desse movimento, contudo, os videogames também influenciam o cinema, criando uma dramaturgia de "tempos mortos" que contamina a narrativa cinematográfica, modificando sua temporalidade otimizada em prol do enredo e a deslocando rumo a uma narrativa dos pequenos acontecimentos e tempos esgarçados. Esse diálogo mantém a forma narrativa viva e pulsante no mundo contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Correia Lima Ferreira Gomes, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Professora da área de Design Digital do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas, UFRB

Downloads

Publicado

2016-12-23

Como Citar

Correia Lima Ferreira Gomes, R. (2016). A poética dos tempos mortos: diálogos entre o cinema e o videogame. Revista Mídia E Cotidiano, 10(10), 98-118. https://doi.org/10.22409/ppgmc.v10i10.9797

Edição

Seção

Artigos Seção Temática