Por que o aumento da produtividade não permite menores jornadas de trabalho? Uma análise a partir de O capital de Marx

Autores

  • Sávio Freitas Universidade Federal Fluminense
  • Luísa Barcellos Zaniboni

Palavras-chave:

produtividade, jornada de trabalho, necessidades do capital

Resumo

O estudo propõe uma análise marxista das relações trabalhistas, fazendo comparativos entre a evolução das forças produtivas e os impactos da tecnologia sobre a produção, ou seja, a relação entre a produtividade do trabalho e o volume de trabalho no capitalismo contemporâneo. O aumento da inovação tecnológica deveria promover melhores condições aos trabalhadores, substituindo, sempre que possível, o trabalho humano pelo maquinário inventado, buscando melhorar assim a qualidade de vida. Porém, não é o que se observa: mesmo com a substituição do trabalho humano por máquinas em inúmeros processos produtivos, o que levou a uma redução relativa da força de trabalho industrial, esses postos de trabalho foram recriados em diversas funções que não atendem necessidades humanas, como um batalhão de vendedores e de trabalhadores em setores gerenciais.

 

PURL: http://purl.oclc.org/r.ml/v3n1/a7

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, S.I; MENDES, P; CORRÊA, D.A; TRIMER-DE-OLIVEIRA, A. Conflito de Gerações no Ambiente de Trabalho em Empresa Pública. In: SIMPÓSITO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 9, 2012, p. 2-3.

BARRETO, E.S; VENTURA,T. Crise do valor. Distintas interpretações e uma síntese possível. In: Verinotio -Revista on-line de Filosofia e CiênciasHumanas, n.22, 2016, p. 159.

BRAVERMAN, Harry. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século xx. 3ª edição. Rio de Janeiro:LTC Editora, 1974. p. 234.

GRAEBER, D. Assim multiplicam-se trabalhos estúpidos. 2012. Disponível em: <http://outraspalavras.net/outrasmidias/destaque-outras-midias/graeber-assim multiplicam-se-os-trabalhos-estupidos/>. Acesso em: 10 de janeiro 20,17.

MARX, Karl. O Capital. Vol. 1. São Paulo: Nova Cultural, 1996.MARX, Karl. O Capital. Vol. 1. São Paulo: Boitempo, 2013.

MEDEIROS, S.M; ROCHA, S.M.M. Considerações sobre a terceira revolução industrial e a força de trabalho em saúde em Natal. In: Ciência e Saúde Coletiva, 9, 2004p.399-409. Disponível em http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232004000200016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>.Acesso em: 12 de junho 2017.

POSTONE, M. Tempo, trabalho e dominação social. Uma reinterpretação da teoria crítica de Marx. São Paulo: Boitempo

Downloads

Publicado

2017-10-17

Como Citar

Freitas, S., & Zaniboni, L. B. (2017). Por que o aumento da produtividade não permite menores jornadas de trabalho? Uma análise a partir de O capital de Marx. Mundo Livre: Revista Multidisciplinar, 3(1), 101-114. Recuperado de https://periodicos.uff.br/mundolivre/article/view/39939

Edição

Seção

Artigos