Saberes docentes: da fragmentação e da imposição à poesia e à ética

Célia Linhares

Resumo


Renunciando a um tipo de onipotência enciclopedista, pronta a catalogar e a classificar conteúdos e métodos pedagógicos, procuramos tratar os saberes docentes como construções sempre mestiças, híbridas, de fronteira e, portanto, hifenizadas, participando de campos e realidades distintas e, até antagônicas, em que memórias soterradas em mil formas de esquecimentos podem nutrir projetos. Neste sentido, recuperamos alguns movimentos históricos que subsidiaram a organização disciplinar e interdisciplinar para entender em que medida, uma e outra, puderam e podem representar uma ultrapassagem instituinte.

Em busca de formas originárias dos saberes, que identificaram com o mesmo radical etimológico saber, sabor e sabedoria ou como livro e liberdade, propomos redescobrir o lugar da poesia nos processos docentes rompendo com as ditaduras do imposto e das definições apriorísticas.


Texto completo:

Sem título


DOI: https://doi.org/10.22409/mov.v0i02.69

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Célia Linhares

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 Fontes de indexação:

                                                                              

 

 

Apoio:

 

                                                                   

   

 

                              

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

click counter
click counter
click counter