Nova Iguaçu – quando a eleição de diretor de escola é uma farsa

Percival Silva

Resumo


Este artigo busca analisar o recente processo de provimento de diretores das escolas da rede pública municipal de Nova Iguaçu, Grande Rio de Janeiro, prefeito Lindberg Farias, PT, eleito em 2004. À luz de depoimentos de professores, de documentos da Secretaria Municipal de Educação e Atos Oficiais do Município procura caracterizar a práxis de gestão democrática da educação aí em curso. Analisa como tem se pautado a relação comunidade escolar e “novo” grupo político no poder municipal, os jogos de interesse e os embates estabelecidos no processo de implantação da Lei de Gestão Democrática da Educação, Política pública fortemente atravessada pela cultura política do clientelismo e do fisiologismo. Conclui apontando as perspectivas de uma efetiva gestão democrática da educação no município.

Palavras-chave: educação; políticas públicas; gestão democrática; práxis política; clientelismo.


Texto completo:

Sem título


DOI: https://doi.org/10.22409/mov.v0i13.167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Percival Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 Fontes de indexação:

                                                                              

 

 

Apoio:

 

                                                                   

   

 

                              

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

click counter
click counter
click counter