Fuzil, caneta e carimbo: notas sobre burocracia e tecnologias de governo

Juliana Farias

Resumo


No intuito de analisar seções emblemáticas de “trajetórias documentais” (Ferreira, 2009) relativas a casos de execução sumária ocorridos durante incursões policiais em favelas do Rio de Janeiro, este artigo é pautado pelo entendimento de que determinadas “práticas de governamentalidade” (Foucault, 2008) estão diretamente articuladas a expedientes burocráticos de delegacias, institutos médico-legais e defensorias públicas, dentre outros segmentos de Estado. A documentação produzida pelo Estado é enxergada, portanto, enquanto elemento chave para a atualização de engrenagens governamentais de controle de territórios e corpos.

Palavras-chave


práticas de governamentalidade; documentos de estado; favelas

Texto completo:

PDF

Referências


DAS, Veena e POOLE, Deborah. Anthropology in the Margins of the State. New Mexico: School of American Research Press, 2004.

FARIAS, Juliana. “Da capa de revista ao laudo cadavérico”. Em: BIRMAN, P.; LEITE, M.; MACHADO. C; CARNEIRO, S. Dispositivos urbanos e trama dos viventes: ordens e resistências. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

______. Governo de Mortes: Uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia/UFRJ– PPGSA/UFRJ, 2014.

FÁVERO, Flamínio. Medicina Legal: Introdução ao Estudo da Medicina Legal. Identidade, Traumatologia, Infortunística, Tenatologia. 10ª ed. Belo Horizonte: Vila Rica, 1991.

FERREIRA, Letícia. Dos autos da cova rasa: a identificação de corpos não identificados no Instituto Médico-Legal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: E-papers/LACED/Museu Nacional, 2009.

______. Apenas preencher papel: reflexões sobre registros policiais de desaparecimento de pessoa e outros documentos. Mana, Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, abr. 2013.

FERREIRA, Natália. Testemunhas do esquecimento: uma análise do auto de resistência a partir do estado de exceção e da vida nua. Programa de Pós-graduação em Direito/UERJ, 2013.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

______. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. Segurança, Território e População: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LEITE, Márcia. Entre o individualismo e a solidariedade: dilemas da política e da cidadania no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 44, 2000.

______. Da “metáfora da guerra” ao projeto de “pacificação”: favelas e políticas de segurança pública no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública v. 6, n. 2, 374-389, 2012.

LÍBANO S., Taiguara. Constituição, Segurança Pública e Estado de Exceção Permanente: A biopolítica dos Autos de Resistência. Dissertação. Mestrado em Direito Constitucional, PUC-RIO, Departamento de Direito, 2010.

LUGONES, Maria Gabriela. Obrando en autos, obrando en vidas: formas y fórmulas de protección judicial en los tribunales prevencionales de menores de Córdoba, Argentina, a comienzos del siglo XXI. Rio de Janeiro: E-papers/LACED/Museu Nacional, 2012.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. “A continuidade do “problema favela””. In: OLIVEIRA, Lúcia Lippi. (Org.). Cidade: história e desafios. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

______; LEITE, Márcia. “Violência, Crime e Polícia: o que os favelados dizem quando falam desses temas?” In: Machado da Silva, L. A. (org). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FAPERJ/Nova Fronteira, 2008.

MISSE, M.; GRILLO, C.; TEIXEIRA, C.; NERI, N. Quando a polícia mata: homicídios por “autos de resistência” no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: NECVU; Booklink, 2013.

SOUZA LIMA, Antonio Carlos. “Sobre gestar e gerir a desigualdade: pontos de investigação e diálogo”. In:_____(org). Gestar e gerir: estudos para uma antropologia da administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, 2002.

VERANI, Sérgio. (1996). Assassinatos em Nome da Lei [Uma Prática Ideológica do Direito Penal]. Rio de Janeiro: Alderbarã.

VIANNA, Adriana. Limites da Menoridade: tutela, família e autoridade em julgamento. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/MN/UFRJ, 2002.

_______; FARIAS, Juliana. A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional. Cadernos Pagu, Campinas, n. 37, 2011.

ZACCONE, Orlando. Indignos de Vida: A forma jurídica da política de extermínio de inimigos na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu17i3.p434

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Confluencias



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base