Disputas, intrigas e vinganças: exercícios de poder e brigas por promoção levadas à Justiça Militar do Rio de Janeiro

Sabrina Souza da Silva

Resumo


O problema abordado nessa proposta consistirá em entender como os processos de oficiais da polícia militar do Rio de Janeiro também são brigas por poder. Para tal objetivo, procurarei problematizar casos jurídicos em que a natureza dos conflitos não pautam-se, apenas, nos crimes, mas em disputas dentro da instituição que, muitas vezes, vem durando décadas. Tal perspectiva nos leva a olhar os processos de forma englobante, pondo em descoberto uma série de descontinuidades e de fronteiras no interior da instituição em que as relações, principalmente entre os oficiais, são marcadamente de proximidade e, portanto, seria suposto pensar que baseia-se na união e na solidariedade. Porém, com a observação realizada por alguns anos, o que percebemos é que, apesar do compartilhamento de valores, as disputas, intrigas e perspectivas de vingança marcam as relações entre esses policiais e influenciam de forma decisiva na denúncia de um oficial.


Palavras-chave


Justiça Militar, Polícia Militar, Poder

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELIM, Daniel Morais. 2011. O fenômeno dos Blogs Policiais. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense. Niterói.

DURKHEIM, Emile & MAUSS, Marcel. 2001.Algumas Formas Primitivas de Classificação – contribuição para o estudo das representações coletivas. (1903). In: Ensaios de Sociologia. 2 ed. São Paulo: Editora Perspectiva.

FOUCAULT, Michel. 1974. A Verdade e as Formas Jurídicas. Rio de Janeiro:PUC.

KANT DE LIMA, Roberto. 1995. A Polícia na Cidade do Rio de Janeiro. Seus Dilemas e Paradoxos. Rio de Janeiro: FORENSE.

KANT DE LIMA, R. 2011. Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. Anuário Antropológico, v. 2, p. 25-51.

MIRANDA, Ana Paula Mendes de. 2012. Fisco e Cartório: Exemplos de Burocracia à Brasileira. In: LIMA, Antônio Carlos de Souza (org). Antropologia & Direito: temas antropológicos para estudos jurídicos. Rio de Janeiro/Brasília, Contra Capa/LACED/Associação Brasileira de Antropologia.

____________________________; PITA, Maria Victoria. 2011. O que as cifras cifram?Reflexões comparativas sobre as políticas de produção de resgistros estatísticos criminais sobre mortes violentas nas áreas metropolitanas do Rio de Janeiro e de Buenos Aires. In: KANT DE LIMA, Roberto. et al (org). Burocracias, Direitos de Conflitos. Rio de Janeiro, Garamond.

NASCIMENTO, Andréa Ana do. 2009. Autos com e sem resistência: uma análise dos inquéritos de homicídios cometidos por policiais. Trabalho apresentado no 33º Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu.

REDCLIFF-BROWN, A.R. Prefácio. 2010. IN: FORTES, M. & E.E. EVANS-PRITCHARD, editores. Sistemas Políticos Africanos. México, Centro de Insvestigaciones y Estudios Superiores en Antropoligía Social. Universidad Autonoma Metropolitana: Universidad IberoAmericana, p. 43-60.

RODIGUES DA SILVA, Robson. 2011. Entre a caserna e a rua: o dilema do “pato”. Uma análise antropológica da instituição policial militar a partir da Academia de Polícia Militar D. João VI. Editora da Universidade Federal Fluminense: Niterói.

SILVA, Edilson Marcio Almeida da. 2010. Notícias da Violência Urbana – um estudo antropológico. Editora da Universidade Federal Fluminense: Niterói.

SOUZA DA SILVA, Sabrina. 2013. Todos são culpados? uma etnografia na Auditoria de Justiça Militar do Estado do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado Apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Fluminense. Niterói.

________________________. prelo. O Testemunho sobre policiais: formas de construção de verdade na Auditoria da Justiça Militar do Estado do Rio de Janeiro. In Dossiê Práticas de Auditorias, Sistema de Avaliação e Valores. Revista de Ciências Sociais Política & Trabalho.

LEIS, CÓDIGOS E DOCUMENTOS

BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. 1988. Brasília, DF, Senado.

BRASIL. Emenda Constitucional 45 de 30 de dezembro de 2004.

BRASIL. CÓDIGO PENAL. Decreto Lei nº 2.848 de 7 de dezembro de 1940.

BRASIL. CÓDIGO DO PROCESSO PENAL MILITAR. Decreto-Lei nº 1001, de 21 de outubro de 1969. Atualizada em 31 de janeiro de 2001.

BRASIL. CÓDIGO PENAL MILITAR. Decreto-Lei nº 1002, de 21 de outubro de 1969. Atualizada em 31 de janeiro de 2001.

BRASIL. Lei nº 5.836 de 5 de dezembro de 1972.

BRASIL. Lei 11.343 de 23 de agosto de 2006.

BRASIL. Lei nº 11.719 de 20 de junho de 2008.

BRASIL. Lei 9.299 de 08 de outubro de 1996. Altera dispositivos dos Decretos-leis n° s 1.001 e 1.002, de 21 de outubro de 1969, Códigos Penal Militar e de Processo Penal Militar.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu18i2.p464

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base