A divulgação musical no rádio brasileiro: da “caitituagem” aos desafios da concorrência digital

Daniel Gambaro, Eduardo Vicente, Thais Saraiva Ramos

Resumo


O presente artigo discute o rádio como mediador e curador do consumo musical, papel definido historicamente e que passou a ser questionado com a introdução de ferramentas digitais de distribuição de música. Por meio de entrevistas com profissionais das indústrias radiofônica e fonográfica, são discutidos os mecanismos que divulgadores de gravadoras utilizavam para emplacar uma canção na programação do rádio. Locutores e emissoras se aproveitaram dessas relações comerciais para criar estratégias de legitimidade que, mesmo com o crescimento do acesso a serviços de música por assinatura, sustentam a função de curadoria. A linguagem radiofônica, configurada sobretudo a partir do comunicador, complementa o trabalho dos softwares que organizam e ofertam conteúdo musical.

Palavras-chave


Rádio; Indústria fonográfica; Digitalização; Curadoria Smart

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AHLKVIST, Jarl A. Programming philosophies and the rationalization of music radio. Media, Culture and Society, v.23, n.3, 2001, p.339-358.

BERLAND, Jody D. Radio Space and Industrial Time: The Case of Music Formats. In: FRITH, Simon (org.). Popular Music: Critical Concepts in Media and Cultural Studies. Londres: Routledge, 2003, p.230-239.

DE MARCHI, Leonardo. A destruição criadora da indústria fonográfica brasileira, 1999-2009: dos discos físicos ao comércio digital de música. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2016.

DIAS, Marcia T. Os donos da voz: Indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: Boitempo, 2008, 2ª ed.

DUBBER, Andrew. Radio in the digital age. Cambridge, Malden: Polity Press, 2013.

FERRARETTO, Luiz A. Rádio: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2014.

IFPI. IFPI Digital Music Report 2014. London: IFPI, 2014, disponível em , consultado em 21/03/2018.

IFPI. IFPI Digital Music Report 2015. London: IFPI, 2015, disponível em , consultado em 21/03/2018.

IFPI. Global Music Report 2017: Annual State of the Industry. London: IFPI, 2017, disponível em , consultado em 21/03/2018.

KISCHINHEVSKY, Marcelo. Por uma economia política do rádio musical: articulações entre as indústrias da música e da radiodifusão sonora. Matrizes, ano 5, n.1, jul-dez 2011, p.247-258, doi: 10.11606/issn.1982-8160.v5i1p247-258

KNOPPER, Steve. As Spotify Prepares to Go Public, Music Industry Divided on Royalties. Rolling Stone Online. 7/03/2018. Disponível em: < https://www.rollingstone.com/music/news/as-spotify-prepares-to-go-public-music-industry-divided-on-royalties-w517547>. Consultado em 21/03/2018

MARTEL, Fréderic. Smart: o que você não sabe sobre a internet (Kindle Edition). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

ORTRIWANO, Gisela S. A Informação no Rádio: os grupos de poder e a determinação dos conteúdos. São Paulo: Summus, 1985.

SAROLDI, Luiz C.; MOREIRA, Sônia V. Rádio Nacional: O Brasil em Sintonia. Rio de Janeiro: Funarte, 1984.

VICENTE, Eduardo. Da vitrola ao iPod: Uma história da indústria fonográfica no Brasil. São Paulo: Alameda, 2014.

VICENTE, Eduardo; DE MARCHI, Leonardo. Por uma história da indústria fonográfica no Brasil 1900-2010: uma contribuição desde a Comunicação Social. Música Popular em Revista, Campinas, 3:1, jul-dez 2014, pp. 7-36.

WARREN, Steve. (2013) Radio: The book (Kindle edition). Londres, Nova York: Focal Press, 2013.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i0.1112

Apontamentos

  • Não há apontamentos.