A arte de vestir africanamente brancos manequins

Laura Cavalcante Padilha

Resumo


O artigo analisa o processo de atravessamento de formas de representação dos textos orais no corpo letrado de romances angolanos e moçambicanos contemporâneos, processo pelo qual o referido corpo acaba por cobrir-se de uma outra roupagem distinta daquela com que a ocidentalidade sempre o vestira, como se faz com um manequim. Por outro lado, a leitura tenta surpreender, no traçado diegético de tais produções, de que modo o imaginário dos romancistas reforça seus referentes simbólico-culturais, sem, no entanto, deixar de lado a herança branco-ocidental. Os romances O manequim e o piano de Manuel Rui (2005) e O sétimo juramento de Paulina Chiziane (2000) servem de base paradigmática para a leitura.

Palavras-chave


romance africano; fronteiras do gênero; negociações de sentido; Manuel Rui; Paulina Chiziane

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v10i19.33253

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.