Deu Zika na Rede: uma análise sobre a produção de sentidos sobre a Epidemia de Zika e Microcefalia no Facebook

Marcelo Pereira Garcia, Janine Miranda Cardoso

Resumo


A circulação de boatos virtuais marcou a epidemia de zika e microcefalia de 2015/2016. A partir da análise dos comentários de posts das páginas do Diário de Pernambuco e da Folha de S. Paulo no Facebook, visamos compreender melhor o fenômeno, identificando discursos mobilizados nesses espaços intertextuais e polifônicos. Os resultados evidenciam um ambiente de incerteza associado ao desconhecimento científico, à crise política e à reflexividade em relação aos riscos da ciência. Também apontam questões não respondidas que estimularam a circulação dos boatos: Por que a epidemia se concentrou em Pernambuco? Por que nunca ocorreu na África? Por que não aconteceu antes? Concluímos que o enfraquecimento do estatuto de verdade da ciência e da própria verdade, mais fluida, participa do protaganismo do boato na atualidade midiatizada.


Palavras-chave


zika, microcefalia, Facebook, boato, produção de sentidos

Texto completo:

PDF

Referências


ALLPORT, G.; POSTMAN, L. Psicología del Rumor. Buenos Aires: Psique, 1973.

ANTUNES, M. N. et al. Arquivos visuais relacionados ao vírus Zika: imagens no Instagram como

parte da constituição de uma memória da epidemia. RECIIS – Rev Eletron Comun Inf Inov

Saúde. 2016 jul.-set.; 10(3)

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião

Nascimento. São Paulo: Ed. 34; 2010.368 p.

BRAGA, J. L. (2012). Circuitos versus Campos Sociais. In M. A. Mattos, J. Janotti & N. Jacks

(Eds.), Mediação e Midiatização (pp. 31-52). Salvador: Edufba.

BOURDIEU, P. Os usos sociais das ciências: por uma sociologia clínica do campo científico. São

Paulo: Unesp, 2003.

CARDOSO, J.M.. Entre vítimas e cidadãos: risco, sofrimento e política nas narrativas do Jornal

Nacional sobre as epidemias de dengue (1986-2008). Tese de doutorado apresentada ao Programa

de Pós-graduação em Informação, Comunicação e Saúde (PPGICS/Icict/Fiocruz). Rio de Janeiro, 2012.

CASTIEL, L. D.; VASCONCELLOS-SILVA, P.R. Internet e o autocuidado em saúde: como juntar os trapinhos? História, Ciências, Saúde, v.9, n.2, p.291-314, maio-ago. 2002.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. 2001. UNB.

FAUSTO NETO A. (Orgs). Mídia, discurso e sentido. Salvador, Edufba, 2012. Pp 27-42

GARCIA, M. Discursos alternativos sobre a vacinação contra o HPV: análise das mensagens em uma comunidade virtual no Facebook Cadernos do Tempo Presente, n. 27, mar./abr. 2017a, p. 101-111

GARCIA, M. Disseram por aí: deu zika na rede!Boatos e produção de sentidos sobre a epidemia de zika e microcefalia nas redes sociais. 2017. 237 f. Dissertação (Mestrado em Informação Científica e Tecnológica em Saúde) - Fundação Oswaldo Cruz, Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Rio de Janeiro, 2017b.

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp (1991)

IASBECK, L.C. Os Boatos - Além e Aquém da Notícia. Lumina, Juiz de Fora, v.3, n.2, p.11-26,

jul./dez. 2000.

KAPFERER, J.N. Boatos: O meio de comunicação mais velho do mundo. Publicações Europa-

América, Men Martins, 1990

LÉVY, P. Pela ciberdemocracia. In: MORAES, Dênis de (org.). Por uma outra comunicação:

mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003

MAINGUENEAU, D. Analisando discursos constituintes. Revista do GELNE, Vol. 2 No . 2.

MENDONÇA, A.P.B; NETO, A.F.P. Critérios de avaliação da qualidade da informação em sites

de saúde: uma proposta. RECIIS. Rev Eletron de Comun Inf Inov Saúde, 9(1); jan-mar/2015.

ORLANDI, E.P. Boatos e Silêncios: Os Trajetos dos Sentidos, os Percursos do Dizer. In:

___________. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas - São Paulo:

Pontes, 2005.

PEREIRA, B.F.B. et al. Motivos que levaram as gestantes a não se vacinarem contra H1N1.

Ciência & Saúde Coletiva, Vol. 18, No 6, p.1745-1752. 2013. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n6/25.pdf

PINTO, M. Comunicação e discurso. 2. ed. São Paulo: Hacker, 2002

RECUERO, R. A Conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre. Sulina, 2012

RENARD, J.B. Um gênero comunicacional: os boatos e as lendas urbanas. Revista Famecos, nº

, 2007. Porto Alegre.

REULE, D. A dinâmica dos rumores na rede: a web como espaço de propagação de boatos

virtuais. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação), Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, 2008.

ROSENBERG, C. Explaining epidemics. In: _____. Explaning epidemics and other studies in

the history of medicine. Cambridge: Cambridge University Press, 1992a, p.293- 304.

SODRÉ, M. Eticidade, campo comunicacional e midiatização. In MORAES D. Sociedade

midiaizada. Rio de Janeiro; Mauad, 2006, p. 19-32.

VASCONCELLOS-SILVA, P.R.; CASTIEL L.D. A internet na história dos movimentos antivacinação. ComCiência no.121 Campinas, 2010




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v13i1.28138

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC (UFF)

Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510

Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681