Poeta das "Minas"e do luar: Alphonsus de Guimaraens na poesia de Carlos Drummond de Andrade e de Murilo Mendes

Autores

  • Ilca Vieira de Oliveira Unimontes/FAPEMIG/FINEP
  • Wesley Thales De Almeida Rocha Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG

DOI:

https://doi.org/10.22409/cadletrasuff.v31i61.44163

Palavras-chave:

Carlos Drummond de Andrade. Murilo Mendes. Alphonsus de Guimaraens. Poesia de Minas. Fantasmas.

Resumo

O poeta simbolista Alphonsus de Guimaraens foi diversas vezes celebrado pelos escritores modernistas, como Mário de Andrade e Manuel Bandeira, como representante do patrimônio cultural brasileiro, conforme também o eram, para eles, a arte e a arquitetura das cidades históricas mineiras. Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes, dois dos mais importantes modernistas de Minas, estenderam essa celebração em seus versos, associando a imagem e a obra do poeta oitocentista ao universo simbólico de Minas. Do alto da modernidade, em afirmação na cultura e na literatura brasileiras, Drummond e Murilo voltam o olhar para o poeta do passado, à sua figura oclusa entre as ‘minas” de Ouro Preto e Mariana e à sua poesia melódica e quimérica, e as reinserem no contexto pouco contemplativo do século XX.  Este trabalho objetiva elaborar uma leitura crítica dos poemas: ‘Luar para Alphonsus”, de Versiprosa, ‘A visita”, de A paixão medida, e ‘Em memória de Alphonsus de Guimaraens”, Amar se aprende amando, de Carlos Drummond, e do poema ‘Contemplação de Alphonsus”, de Contemplação de Ouro Preto, de Murilo Mendes, observando como a imagem do poeta simbolista se faz presente nos versos desses poetas mineiros do século XX e como ela insere novos signos e sentidos à poética dos dois autores e à existência no mundo moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilca Vieira de Oliveira, Unimontes/FAPEMIG/FINEP

Doutorado em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005). Estágio Pós-doctoral Sênior na Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3, França, no período de outubro de 2015 a setembro de 2016, com bolsa da CAPES. Professora do Departamento de Comunicação e Letras da Universidade Estadual de Montes Claros e do Mestrado em Letras/Estudos Literários e do PROFLETRAS. Bolsista da CAPES como coordenadora de subprojeto do PIBID da área de Letras UNIMONTES – Multidisciplinar (Língua Espanhola, Língua Inglesa, Língua Portuguesa), no período de agosto de 2018 a janeiro de 2020.

Wesley Thales De Almeida Rocha, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG

Doutor em Literatura Brasileira na UFMG (2018). Professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG, Campus Araçuaí. 

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Alguma poesia (1930). In: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.
______. Brejo das Almas (1934). In: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.
______. Confissões de Minas (1944). São Paulo: Cosac Naify, 2011.
______. Claro enigma (1951). In: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.
______. Passeios na ilha: divagações sobre a vida literária e outras matérias (1952). São Paulo: Cosac Naify, 2011.
______. Versiprosa (1967). In: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Editora Aguilar, 2002.
______. A paixão medida (1980). In: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Editora Aguilar, 2002.
______. Amar se aprende amando (1985). In: Poesia Completa. Rio de Janeiro: Editora Aguilar, 2002.
ARAÚJO, Laís Corrêa de. Murilo Mendes: ensaio crítico, antologia, correspondência. São Paulo: Perspectiva, 2000.
ARIGUCCI JR., Davi. Coração partido: uma análise da poesia reflexiva de Drummond. São Paulo: Cosac &Naify, 2002.
BARTHES, Roland. Sade, Fourier e Loyola. Tradução de Maria de Santa Cruz. São Paulo: Martins Fontes, 1979.
BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.
______. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Tradução de Márcio Seligmann-Silva. 3. ed. (5ª impr.). São Paulo: Iluminuras, 2018.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva... [et al]. 28. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.
COMITTI, L.. Sobre uma visita: Alphonsus de Guimaraens e o Modernismo. In: Revista do Centro de Estudos Portugueses (UFMG), Belo Horizonte, v. 22, n.30, p. 311-320, 2002.
COUTINHO, Afrânio (dir.). A literatura no Brasil. Co-direção Eduardo de Faria Coutinho. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Global, 2004.
GUIMARAENS, Alphonsus. Poesias 2. ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1955. 2 vols.
GUIMARAENS FILHO, Alphonsus. Alphonsus de Guimaraens em seu ambiente. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1995.
LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão...et al. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.
MENDES, Murilo. História do Brasil (1932). In: Poesia completa e prosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
______. Sonetos brancos (1946-1948). In: Poesia completa e prosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
______. Contemplação de Ouro Preto (1949-1950). In: Poesia completa e prosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
______. A idade do serrote (1965-1966). In: Poesia completa e prosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.
MOISÉS, Massaud (2001). Compreensão de Murilo Mendes. In: Revista Brasileira. Fase VII, out-nov-dez., 2001. Ano VIII. Nº 29, p. 13-21.
PEIXOTO, Sérgio Alves. Murilo Mendes e sua contemplação de Ouro Preto. In: OLIVA, Osmar Pereira (org.). Escritores mineiros e contemplações de Minas. Montes Claros: Editora da Unimontes, 2007. p. 313-323.
______. A consciência criadora na poesia brasileira: do barroco ao simbolismo. São Paulo: Annablume, 1999.
PORTELLA, Eduardo. O universo poético de Alphonsus de Guimaraens. In: GUIMARAENS, Alphonsus. Poesia Completa: em um volume. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
SOUZA, Eneida Maria de. Construções de um Brasil moderno. In: Revista da Academia Mineira de Letras. Ano 83, vol. 36. Belo Horizonte: Academia Mineira de Letras, 2003.
TELES, Gilberto Mendonça. O Simbolismo de Alphonsus de Guimaraens. In: Contramargem II: estudos críticos. Goiânia: Editora da UCG, 2009.
______. Vanguarda europeia e modernismo brasileiro: apresentação dos principais poemas metalinguísticos, manifestos, prefácios e conferências vanguardistas, de 1857 a 1972. 20. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Edição

Seção

Dossiê