Barricadas, traficantes e favelas: uma análise sobre as representações e percepções sobre a categoria “risco” dentro dos espaços urbanos no Jardim Catarina

Fernanda de Souza Ribeiro, Klarissa Almeida Silva Platero

Resumo


Este artigo busca compreender as diferentes percepções sobre a categoria “risco” entre os moradores do bairro Jardim Catarina, que possui diversas localidades consideradas “áreas de risco”. Para uma melhor compreensão desta categoria e quais fatores podem ser considerados como importantes para a construção dela, as entrevistas com moradores, observações de campo e construção de mapas (croquis) foram os métodos utilizados para conseguir chegar aos principais fatores que contribuem para a demarcação destas áreas de risco. A análise socioeconômica e territorial do lugar e a complexa relação entre os moradores e o tráfico de drogas e sua atuação foram elementos importantes para nortear a pesquisa para conseguir chegar o mais próximo possível de se compreender quais os processos sociais que levam à construção da categoria “risco” no contexto do Jardim Catarina.

Palavras-chave


risco; território; tráfico de drogas

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


AREOSA, João. 2010. “O risco nas ciências sociais: uma visão crítica ao paradigma dominante”. Revista Angolana de Sociologia. Junho de 2010 / Dezembro, n. º 5 e 6, pp. 11-33.

ATHAYDE, Celso. 2011. “Periferia: favela, Beco, Viela”. In: BOTELHO, A.; SCHWARCZ, L. M. (orgs). Agenda Brasileira: temas de uma sociedade em mudança. São Paulo: Companhia das Letras, pp.400-407.

BEATO, Claudio e ZILLI, Luís Felipe. 2012. “A estruturação de atividades criminosas”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Outubro. Vol. 27, Nº 80, pp. 75-86.

BECK, Ulrich. 2008. "Momento cosmopolita" da sociedade de risco. Revista Com Ciência Campinas, nº. 104. Disponível em: http://comciencia.scielo.br/pdf/cci/n104/a09n104.pdf

BECKER, Howard. 2009. Outsiders: Estudos de Sociologia do Desvio. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 231p.

BERGER, Peter e LUCKMANN, Thomaz. 1991. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Editora: Vozes. Ed. 29.

COELHO, Edmundo Campos. 2005. “A Criminalização da marginalidade e a marginalização da criminalidade”. In: COELHO, E. C.; COELHO, M. P. (org.). A Oficina do Diabo e Outros Estudos sobre Criminalidade. Rio de Janeiro; São Paulo: Editora Record.

DAMATTA, Roberto. 1994. “Os discursos da violência no Brasil”. In: DAMATTA, Roberto. Conta de mentiroso: sete ensaios de antropologia brasileira. Rio de Janeiro: Rocco.

DOUGLAS, Mary & Aaron WILDAVSKY. 2012. Risco e Cultura: um ensaio sobre a seleção de riscos tecnológicos e ambientais. Tradutor: Cristiana de Assis Serra – Rio de Janeiro: Elsevier.

DURÃO, Susana. 2008. “Gilberto Velho (org.), Rio de Janeiro: Cultura, Política, Conflito”. Etnográfica [Online], vol. 12 (2) | 2008, Online desde 04 Julho 2012, consultado em 17 Dezembro 2016. URL: http://etnografica.revues.org/1831, pp. 565-570.

DURKHEIM, Émile e MAUSS, Marcel. 1968. “Algumas formas primitivas de classificação”. In: MAUSS, Marcel. Ensaios de Sociologia. Paris: Minuit, pp.182-203.

GRILLO, Carolina Christophe. 2012. “Entre cálculos e dívidas: a dinâmica das relações comerciais no tráfico de drogas praticado por jovens de classe média no Rio de Janeiro”. In: MISSE, M.; WERNECK, A. (orgs). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, pp.227-250.

GRILLO, Carolina Christophe e NERI, Natasha Elbas. 2014. "Vai, levanta a mão!: a criminalidade vista a partir dos bailes funk em favelas do Rio de Janeiro. In: BARBOSA, A. R.; RENOLDI, B.; VERISSIMO, M. (orgs) (I)Legal - etnografias em uma fronteira difusa. Niterói: Eduff.

MARQUES, Rodrigo. 2012. "O fenômeno do pânico moral: apreciações clássicas, inovações e problematizações contemporâneas". In: MISSE, M.; WERNECK, A. (orgs). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, pp. 251-288.

MISSE, Michel. 2010. “Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido””. Lua Nova, São Paulo, v. 79, p. 15-38.

MISSE, Michel. 2014. "Sujeição Criminal". In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (orgs). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Editora Contexto.

MIRANDA, Ana Paula Mendes de; MUNIZ, Jacqueline; PLATERO, Klarissa; FIGUEIRA, Marcelle; DIRK, Renato e colegas. 2016. Mapa de percepção e caracterização de risco. Relatório de Pesquisa. UFF/ANEEL/ENEL, Niterói, Novembro, 48p.

LEMERT, Edwin. 1967. Estrutura Social, Controle Social e Desvio.

RIBEIRO, Fernanda de Souza. 2017. Barricadas, traficantes e favelas: uma análise sobre as representações e percepções sobre a categoria “risco” dentro dos espaços urbanos no Jardim Catarina. Monografia de final de curso. Graduação em Segurança Pública e Social. Instituto de Estudos Comparados em Administração de Conflitos. Universidade Federal Fluminense. Niterói, Julho.

RODRIGUES, Danielle. 2012. “A luta dos ‘de bem’ contra os ‘de mal’: justificações dadas para linchamentos”. In: MISSE, M.; WERNECK, A. (orgs). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, pp.155-178.

SÁ, Leonardo. 2014. “A favela é uma arma: considerações antropológicas sobre campos em fuga”. In: BARBOSA, A. R.; RENOLDI, B.; VERISSIMO, M. (orgs) (I)Legal - etnografias em uma fronteira difusa. Niterói: Eduff.

SILVA, Marcella Carvalho. 2012. “Rio em forma olímpica: a construção social da pacificação na cidade do Rio de Janeiro”. In: MISSE, M.; WERNECK, A..(orgs). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, pp.117-130.

TEIXEIRA, César Pinheiro. 2012. “"Frios", "pobres" e "indecentes": esboço de interpretação de alguns discursos sobre o criminoso”. In: MISSE, M.; WERNECK, A. (orgs). Conflitos de (grande) interesse: estudos sobre crimes, violências e outras disputas conflituosas. Rio de Janeiro: Garamond, pp.179-204.

VELHO, Gilberto. 2004. “Duas Categorias de acusação na cultural brasileira contemporânea” In: VELHO, G. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu19i1.p504

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito



/A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

Resultado de imagem para bielefeld base