AS NOVAS MÍDIAS COMO INSTRUMENTOS DE RESISTÊNCIA AO CONTROLE DA INFORMAÇÃO NO BRASIL: UM OLHAR PARA OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO E A LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO

Bruno Mello Correa de Barros

Resumo


Este ensaio tem como escopo trabalhar a cerca da problematização envolvendo a luta pela democratização dos meios de comunicação no Brasil sob a perspectiva das novas mídias como meio de resistência ao controle da informação. Neste contexto cumpre destacar acerca do processo histórico da concentração midiática no país, bem como os entraves e interesses da agenda politica e demais atores sociais que permeiam tal âmbito. Por sua vez, desenvolve-se um olhar para os dispositivos constitucionais que regulam a matéria na Constituição Federal de 1988, assim como contemplar a discussão sobre a necessidade de um marco regulatório para as comunicações, de modo a considerar a reivindicação da sociedade civil organizada, instituições e movimentos sociais em prol de um espaço público de comunicação plural e democrática, onde seja possível a visualização da cultura de forma heterogênea e descentralizada, fora do eixo dos grandes centros de poder político e econômico. Diante desse contexto, utilizou-se o método de abordagem dedutivo, e os métodos de procedimento histórico e comparativo, consubstanciado com a técnica de pesquisa bibliográfica e documental. Em sede de conclusão, verificou-se que a democratização da mídia ainda é luta a ser perseguida, tendo em vista a precária regulamentação do tema, e necessidade de marcos regulatórios específicos que propiciem a atuação de novas fontes no cenário da comunicação, potencializando o caráter plural e democrático, muito embora as novas mídias informacionais desempenhem papel fundamental na quebra do eixo econômico-hegemônico visualizado no ambiente de informação e comunicação do Brasil. 


Palavras-chave


Comunicação; Democratização; Lutas; Mídias; Regulação; Resistência.

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


CAPELATO, Maria Helena. Imprensa e História do Brasil. São Paulo: Contexto/Edusp, 1988.

CALTELLS, Manuel. 2000. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra.

DANTAS, Edmundo Brandão. Mídia eletrônica, novas mídias e sustentabilidade. In: biblioteca on-line de Ciências da Comunicação, 2009. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2018.

DELARBE, Raúl Trejo. Muchos médios em pocas manos: concentración televisiva y democracia em América Latina.IN: INTERCOM Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo, v.33, n.1, p. 17-51, jan./jun. 2010.

DELEUZE, Gilles. Post-scriptum sobre as sociedades de controle. In: Conversações: 1972- 1990. 3ª ed. São Paulo: Editora 34, 2013.

DIZARD JR., Wilson. A nova mídia: a comunicação de massa na era da informação. Trad. Antonio Queiroga; Edmond Jorge. Rev. técnica Antonio Queiroga. Rio de Janeiro : Jorge Zahar Editor, 2000.

EAGLETON, Terry. Ideology, an Introduction. Oxford: Verso, 1991.

FERNANDES NETO, Guilherme. Direito da Comunicação Social. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2004, p. 78.

FONSECA, Francisco. Mídia, poder e democracia: teoria e práxis dos meios de comunicação. In: Revista Brasileira de Ciência Política, nº 6, Brasília. Jul/Dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2017.

KAMINSKI, Omar. Aspectos jurídicos que envolvem a rede das redes. In KAMINSKI, Omar (Org.). Internet legal: o direito na tecnologia da informação. Curitiba: Juruá, 2005.

LIMA, Venício Artur de. Regulação das comunicações. História, poder e direitos. São Paulo: Paulus, 2011.

______. Mídia: teoria e política. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. 2 ed., 2004.

MAÍZ, Ramon; REQUEJO, Roberto. Clientelism as a political incenive structure for corruption. European Consortium for Political Research. Paper Archieve – Joint Sessions os Workshops.Workshop n. 16, Corruption, Scandal and the Cotestation of Governance in Europe. Grenoble: 2001. Disponível em: Acesso em: 10 out. 2015.

MARCONDES FILHO, Ciro. Contracomunicação oficial e espontânea. In: MARQUES DE MELO, José. Pensamento comunicacional uspiano: impasses mundializadores da Escola de Comunicação e Artes (1973-2011), Vol. 2. São Paulo: ECA/USP, 2011.

MENEZES, Antônio Simão. Jornalismo de resistência: apropriação das estratégias discursivas do campo midiático pela Revista Sem Terra. 2010. 155 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Instituto de Cultura e Arte, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

MORAES, DÊNIS. Porque a concentração monopólica da mídia é a negação do pluralismo, 2013. Disponível em: . Acesso em 14 out 2015.

OLIVEIRA, Rafael Santos de. Dos Primórdios da Internet à Blogosfera: implicações das mudanças nos fluxos informacionais na sociedade em rede. In: Direitos emergentes na sociedade global: anuário do programa de pós-graduação em direito da UFSM / organizador Jerônimo Siqueira Tybusch ... [et al.]. – Ijuí: Ed. Unijuí, 2013.

ORIHUELA, José Luis. Blogs e blogosfera: o meio e a comunidade. In: ORDUÑA, Octavio I. Rojas et al, Blogs: revolucionando os meios de comunicação. Tradução de Vertice Translate. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948, p. 10. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017.

POGREBINSCHI, Thamy. O direito de resistência na teoria política contemporânea. In: Revista Lugar Comum: Estudos de mídia, cultura e democracia, vol. 19-20. Rio de Janeiro: E-papers, 2004.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 6ª ed. São Paulo: Editora Record, 2001.

SANTOS, Suzy; CAPPARELLI, Sérgio. Coronelismo, radiodifusão e voto: a nova face de um velho conceito. In: BRITTOS, Valério Cruz, BOLAÑO, SIQUEIRA, César Ricardo (Org.). Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia. 1. ed. São Paulo: Paulus, 2005, V.1, p. 15.

SANTOS, Raldianny Pereira dos. Comunicação e outros direitos: Desafios à democracia brasileira. Memória e Movimento, v. 3, 2010.

UNESCO. Indicadores de Desenvolvimento da Mídia: Marco para a avaliação do desenvolvimento dos meios de comunicação. UNESCO. Brasília, 2010, p. 23.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu20i1.p526

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito



/A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

Resultado de imagem para bielefeld base