OS/AS “INVISÍVEIS” DA JUSTIÇA.../ THE “INVISIBLE” PROFESSIONALS OF JUSTICE.../ LOS PROFESIONALES "INVISIBLES" DE LA JUSTICIA...

João Paulo Dias, Paula Casaleiro, Conceição Gomes

Resumo


OS/AS “INVISÍVEIS” DA JUSTIÇA: AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DOS/AS OFICIAIS DE JUSTIÇA EM PORTUGAL

Resumo:
Os/as oficiais de justiça têm um papel central nos sistemas judiciais, cumprindo múltiplas funções administrativas e auxiliando as magistraturas nas suas funções. Porém, esta profissão tem sido sistematicamente esquecida das análises sobre condições de trabalho nos tribunais, com a exceção de alguns estudos recentes em Espanha, na Costa Rica, no Brasil e em Portugal. O presente artigo tem como objetivo principal traçar o perfil sociográfico dos/as oficiais de justiça, tendo em consideração as diferenças de género, idade e escolaridade, bem como refletir sobre a evolução das suas condições de trabalho, em Portugal, entre 2013 e 2018, tendo em consideração os impactos da reforma do mapa judiciário de 2014. Para tal, recorre-se aos indicadores estatísticos disponíveis nos Balanços Sociais da Direção-Geral da Administração da justiça e à análise de um conjunto de entrevistas com diferentes profissionais judiciais e representantes de associações e sindicatos das profissões judiciais.

 

THE “INVISIBLE” PROFESSIONALS OF JUSTICE: THE WORKING CONDITIONS OF COURT CLERKS IN PORTUGAL

Abstract:
Court clerks have a central role in judicial systems, performing multiple administrative functions and assisting magistrates in their functions. However, this profession has been systematically overlooked in the analysis of working conditions in the courts, with the exception of some recent studies in Spain, Costa Rica, Brazil and Portugal. The main objective of this article is to outline the sociographic profile of the court clerks, taking into account differences in gender, age and education, as well as reflecting on the evolution of their working conditions, in Portugal, between 2013 and 2018, considering the impacts of the 2014 judicial map reform. To this end, we use the statistical indicators available in the Social Balance reports of the Directorate-General for the Administration of Justice and the analysis of a set of interviews with different legal professionals and representatives of judicial professionals’ associations and unions.

 

LO "INVISIBLE" DE LA JUSTICIA: LAS CONDICIONES DE TRABAJO DE LOS ALGUACILES EN PORTUGAL

Resumen: Los alguaciles tienen un papel central en los sistemas judiciales, ya que desempeñan múltiples funciones administrativas y ayudan al poder judicial en sus funciones. Sin embargo, esta profesión ha sido sistemáticamente pasada por alto en los análisis de las condiciones de trabajo en los tribunales, con la excepción de algunos estudios recientes en España, Costa Rica, Brasil y Portugal. El objetivo principal de este artículo es esbozar el perfil sociológico de los funcionarios de los tribunales, teniendo en cuenta las diferencias de género, edad y educación, así como reflexionar sobre la evolución de sus condiciones de trabajo en Portugal entre 2013 y 2018, teniendo en cuenta los impactos de la reforma del mapa judicial de 2014. Para ello se utilizan los indicadores estadísticos disponibles en los balances sociales de la Dirección General de Administración de Justicia y se analiza una serie de entrevistas con diferentes profesionales de la justicia y representantes de asociaciones y sindicatos de las profesiones judiciales.


Palavras-chave


Oficiais de justiça; Condições de trabalho; Balanço social; Tribunais./ Keywords: Court clerks; Working conditions; Social Balance reports; Courts./ Palabras clave: Secretarios judiciales; Condiciones de trabajo; Informes sobre el equilibrio social...

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


BARBOZA CASCANTE, Jeannette. Aproximación Diagnóstica de los niveles de estrés en la población que labora en el segundo circuito judicial de Goicoechea. Sala Segunda, n. 4, p. 67−74, set. 2007. Disponível em: https://salasegunda.poder-judicial.go.cr/revista/Revista_N4/contenido/contenido.html. Acesso em: 6 fev. 2020.

BRANCO, Patrícia. Análise da arquitetura judiciária portuguesa: as dimensões de reconhecimento, funcionalidade e acesso à justiça. e-Cadernos ces, n. 23, p. 93−122, 2015. DOI: https://doi.org/10.4000/eces.1930.

CASALEIRO, Paula; LIMA, Teresa Maneca; RELVAS, Ana Paula; HENRIQUES, Marina; DIAS, João Paulo. Condições de trabalho e qualidade de trabalho: reflexões para um estudo das profissões judiciais. International Journal on Working Conditions, n. 18, p. 83−97, dez. 2019. Disponível em: http://ricot.com.pt/artigos/1/IJWC.18_Casaleiro%20et%20al._p.83.97.pdf. Acesso em: 14 jul 2020.

CONSEJO GENERAL DEL PODER JUDICIAL. VI Encuesta a la Carrera Judicial (Encuesta de ámbito nacional a todos los jueces o magistrados en servicio activo). Madrid, 25 set 2015. Disponível em: http://www.poderjudicial.es/cgpj/es/Poder-Judicial/Consejo-General-del-Poder-Judicial/Actividad-del-CGPJ/Encuestas/Encuestas-a-la-Carrera-Judicial/VI-Encuesta-a-la-Carrera-Judicial--Encuesta-de-ambito-nacional-a-todos-los-jueces-o-magistrados-en-servicio-activo--2015-. Acesso em: 17 ago. 2020.

DALANHOL, Natlia; FREITAS, C. P. P.; MACHADO, W. de L.; HUTZ, C. S.; VAZQUEZ, A. C. S. Engajamento no trabalho, saúde mental e personalidade em oficiais de justiça. Psico, v. 48, n. 2, p. 109−119, 22 jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-8623.2017.2.25885.

DGAJ — Direção-Geral da Administração da Justiça. Balanço Social 2013. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Instrumentos-de-gestao/Balanco-social. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ. Balanço Social 2014. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Instrumentos-de-gestao/Balanco-social. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ. Balanço Social 2015. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Instrumentos-de-gestao/Balanco-social. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ. Balanço Social 2016. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Instrumentos-de-gestao/Balanco-social. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ. Balanço Social 2017. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Instrumentos-de-gestao/Balanco-social. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ. Balanço Social 2018. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Instrumentos-de-gestao/Balanco-social. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ. Recursos Humanos. Défice de Pessoal Oficial de Justiça. Jun. 2020. Disponível em: https://dgaj.justica.gov.pt/Portals/26/6-FUNCION%C3%81RIOS%20DE%20JUSTI%C3%87A/Mapas%20de%20pessoal/Mapa%20Pessoal%20com%20percentagens%20-%20Resumo%20Comarcas.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGAJ-DF — Divisão de Formação da Direção-Geral da Administração da Justiça. Manual de Apoio — Formação de ingresso na carreira de Oficial de Justiça. Regime jurídico da(o)s Oficiais de Justiça. Abr. 2013. Disponível em: https://e-learning.mj.pt/dgaj/dados/0F/008/0F008TEMA4.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

DGPJ — Direção-Geral da Política de Justiça. Estatísticas da Justiça. 2020. Disponível em: https://estatisticas.justica.gov.pt/sites/siej/pt-pt/Paginas/Tribunais_PessoalServico_Tribunal.aspx. Acesso em: 17 ago. 2020.

DIAS, João Paulo. A reforma do mapa judiciário: desafios ao Ministério Público no acesso ao direito e à justiça. Revista do Ministério Público, n. 145, p. 41−74, jan. mar. 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/33059. Acesso em: 2 jun. 2020.

DIAS, João Paulo; GOMES, Conceição. Judicial Reforms 'Under Pressure': The New Map/Organisation of the Portuguese Judicial System. Utrecht Law Review, v. 14, n. 1, p. 174−186, 2018. DOI: https://doi.org/10.18352/ulr.448.

DUARTE, Madalena; OLIVEIRA, Ana; FERNANDO, Paula. As mulheres nas magistraturas: uma análise das representações sociais. e-Cadernos, n. 20, p. 119−143, 2015. DOI: https://doi.org/10.4000/eces.1993.

FERREIRA, António Casimiro et al. Quem são os nossos magistrados? Caracterização profissional dos juízes e magistrados do Ministério Público em Portugal. Coimbra: CES/UC, 2014. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/86801/1/Relat%c3%b3rio%20Final%20Quem%20s%c3%a3o%20os%20nossos%20magistrados%202014.pdf. Acesso em: 6 jan. 2020.

FLORES, David et al. Judges’ Perspectives on Stress and Safety in the Courtroom: An Exploratory Study. Court Review: The Journal of the American Judges Association, v. 45, n. 3, p. 76−89, 2009. Disponível em https://digitalcommons.unl.edu/ajacourtreview/293. Acesso em: 3 jun. 2020.

FONSECA, Bárbara. Riscos Psicossociais e Engagement nos Magistrados do Ministério Público: Uma relação moderada pelo capital psicológico. 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia e Desenvolvimento de Recursos Humanos) — Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, 2017.

GIL-MONTE, Pedro R.; LÓPEZ-VÍLCHEZ, J.; LLORCA-RUBIO, J., SÁNCHEZ PIERNAS, J. Prevalencia de riesgos psicosociales en personal de la administración de justicia de la Comunidad Valenciana (España). Liberabit, v. 22, n. 1, p. 7−19, 2016. DOI: https://doi.org/10.24265/liberabit.2016.v22n1.01.

GOLLAC, Michel; VOLKOFF, Serge; WOLFF, Loup. Les Conditions de Travail. Repères. Paris: La Découverte, 2000.

GOMES, Conceição. Deve reformar-se a reforma do mapa judiciário? Julgar, n. 27, p. 75−91, 2015. Disponível em: http://julgar.pt/deve-reformar-se-a-reforma-do-mapa-judiciario. Acesso em: 2 jun. 2020.

GONÇALVES, António Nolasco. Administrador Judiciário: um ano na nova estrutura judiciária. Julgar, n. 27, p. 177–191, 2015. Disponível em: http://julgar.pt/wp-content/uploads/2015/09/11.-Administrador-Judicia_rio-um-ano-na-nova-estrutura-judicia_ria-Anto_nio-Nolasco-Gonc_alves.pdf. Acesso em: 2 jun. 2020.

HAGEN, Tineke; BOGAERTS, Stefan. Work Pressure and Sickness Absenteeism Among Judges. Psychiatry, Psychology and Law, v. 21, n. 1, p. 92−111, 2014. DOI: https://doi.org/10.1080/13218719.2013.790003.

HENRIQUES, Marina; DIAS, João Paulo; LIMA, Teresa Maneca. As condições de trabalho dos atores judiciais em Portugal: reflexões a partir da queixa do SOJ à OIT. Revista Inclusiones, no prelo.

HOLVAST, Nina. The Power of the Judicial Assistant/Law Clerk: Looking Behind the scenes at courts in the United States, England and Wales, and the Netherlands. International Journal for Court Administration, v. 7, n. 2, p. 10−28, 2016. DOI: https://doi.org/10.18352/ijca.200.

JUECES PARA LA DEMOCRACIA. Informe urgente sobre riesgos psicosociales y carga de trabajo en la carrera judicial. Barcelona, 7 jun. 2014 Disponível em: http://www.juecesdemocracia.es/wp-content/uploads/2017/03/INFORME-ENCUESTA-RIESGOS-PSICOSOCIALES.pdf. Acesso em: 17 ago. 2020.

LIMA, Teresa Maneca. Trabalho decente, seguro e sem riscos: uma questão de direitos. Manifesto, v. 7, p. 33−41, 2004.

LIPP, Marilda; TANGANELLI, M. Sacramento. Stress e Qualidade de Vida em magistrados da Justiça do Trabalho: Diferenças entre Homens e Mulheres. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n. 3, p. 537−548, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79722002000300008.

LUSTIG, Stuart L. et al. Burnout and Stress Among United States Immigration Judges. Bender’s Immigration Bulletin, v. 13, p. 22−30, 2008.

MARQUES, Joaquim. Uma visão geral sobre o Oficial de Justiça. [S. l.: s. n.], jul. 2012. Disponível em: https://docplayer.com.br/33827685-Uma-visao-geral-sobre-o-oficial-de-justica.html. Acesso em: 6 fev. 2020.

MERLO, Álvaro; DORNELLES, Rogério; BOTTEGA, Carla Garcia; TRENTINI, Laís. O trabalho e a saúde dos oficiais de Justiça Federal de Porto Alegre. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 15, n. 1, p. 101−113, 2012. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v15i1p101-113.

MOREIRA, Jéssica. As profissões jurídicas e a (re)organização judiciária: o estudo de caso dos oficiais de justiça. 2019. Dissertação (Mestrado em Ciências Policiais) — Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, Lisboa, 2019. Disponível em http://hdl.handle.net/10400.26/30486.

NA, Chongmin; CHOO, Tae; KLINGFUSS, Jeffrey A. The causes and consequences of job-related stress among prosecutors. American Journal of Criminal Justice, n. 43, p. 329−353, maio 2017. DOI: https://doi.org/10.1007/s12103-017-9396-4.

PEREIRA, Patrícia; ASSUNÇÃO, Ada. Trabalho e Emoção: O Caso dos Oficiais de Justiça. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 2, n. 1, p. 96−105, 2007. Disponível em https://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistalapip/11artigo.pdf.

POIARES, Nuno. As profissões (Para)Jurídicas em Portugal: Requisitos, Mandatos e Convergências. Porto: Fronteira do Caos Editores, 2018.

ROGERS, J. M.; FREEMAN, S.; LESAGE, P. The Occupational Stress of Judges. Canadian Journal of Psychiatry, v. 36, n. 5, p. 317−322, 1991. DOI: https://doi.org/10.1177/070674379103600501.

SÁ, Sara. Burnout em oficiais de justiça portugueses: caracterização e análise de dimensões associadas. 2018. Dissertação (Mestrado em Psicologia) — Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2018. Disponível em https://hdl.handle.net/10216/117031. Acesso em 22 jul. 2020.

TSAI, Feng-Jeng; CHAN, Chang-Chuan. Occupational stress and burnout of judges and procurators. International Archives of Occupational and Environmental Health, v. 83, n. 2, p. 133−142, fev. 2010. DOI: https://doi.org/10.1007/s00420-009-0454-1.

WALLACE, Anne; MACK, Kathy; ROACH-ANLEU, Sharyn. Everyday Work in the Magistrates Courts: Time and Tasks. Journal of Judicial Administration, v. 21, n. 1, p. 34−53, 2011. Disponível em https://www.jstor.org/stable/3557252. Acesso em 17 jul. 2020.




DOI: https://doi.org/10.22409/rcj.v0i0.45751

Apontamentos

  • Não há apontamentos.