Aprendendo com os microrganismos: uma proposta prática

Autores

  • Viviane Louback Gitti Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Michele Pereira de Souza Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Aline Peçanha Muzy Dias Universidade Federal Fluminense
  • Fátima Kzam Damaceno de Lacerda Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22409/resa2014.v7i1.a21160

Resumo

Na educação em ciências, a integração entre teoria e a prática é imprescindível para uma melhor compreensão/construção/assimilação dos conhecimentos, se constituindo como um facilitador da aprendizagem. O mesmo se aplica à microbiologia, área responsável pelo estudo dos microrganismos, onde esta integração possibilita aos discentes compreenderem a importância desses seres para a manutenção da saúde e sua aplicabilidade nas áreas farmacêutica, alimentícia, agrícola, dentre outras. Neste contexto, uma proposta de atividade com materiais alternativos é apresentada de forma que os docentes possam aplicá-la em suas aulas sem a necessidade do uso de um laboratório de ciências, visto que muitas escolas não possuem recursos para a manutenção do mesmo. Os resultados apontam para a possibilidade de trabalhar a microbiologia com estudantes do ensino básico e também com a comunidade em uma perspectiva de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Louback Gitti, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do IBRAG/UERJ, no Polo EAD de Nova Friburgo, atuou como bolsista do projeto de Iniciação a Docência apoiado pelo CETREINA/UERJ: "A integração entre a educação em ciências e a arte nas escolas públicas de Nova Friburgo: abordagens teórico/prática nos cursos semipresenciais de licenciatura".

Michele Pereira de Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduanda do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do IBRAG/UERJ, no Polo EAD de Nova Friburgo, atuou como bolsista do projeto de Extensão, apoiado pelo DEPEXT/UERJ:"Ciência e cultura também são feitas a distância!"

Aline Peçanha Muzy Dias, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2003). Atualmente é mestre da Fundação Oswaldo Cruz e atua como tutora no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do IBRAG/UERJ, no Polo EAD de Nova Friburgo. Tem experiência na área de Biologia Molecular e Microbiologia atuando principalmente nos seguintes temas: enterovírus, biologia molecular, parasitologia, microbiologia e vigilância sanitária.Doutorado em andamento em Patologia na
Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.

Fátima Kzam Damaceno de Lacerda, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Formada em Licenciatura em Química (1985) e em Engenharia Química (1987) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), possui Mestrado em Tecnologia de Processos Bioquímicos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (EQ/UFRJ, 1991) e Doutorado pelo Programa Multidisciplinar em Meio Ambiente da UERJ (PPGMA/UERJ, 2012). É Especialista nas áreas de Educação Matemática (FFSD-NF, 2002) e Planejamento, Implementação e Gestão em Educação a Distância (UFF, 2010). Professora do Instituto de Química da Universidade do Estado do Rio de Janeiro desde 1994 (DTPB/IQ/UERJ), atuou como diretora do polo de Educação a Distância de Nova Friburgo de 2003 a 2011 e como Diretora Adjunta de Tutoria da Fundação CECIERJ de 2012 a 2013. Atualmente é Coordenadora Adjunta da Universidade Aberta do Brasil (UAB) da UERJ atuando junto aos cursos semipresenciais de licenciatura da universidade. Possui experiência na área de Processos Bioquímicos e Educação, com ênfase em Educação a Distância, atuando principalmente nos seguintes temas: educação em ciências, educação ambiental, formação de professores.

Downloads

Publicado

2014-07-13